sicnot

Perfil

Lusa

Sardoal: Fé e tradição regressam ao Sardoal com as solenidades da Semana Santa

Mário Rui Fonseca

Sardoal, 20 abr (Lusa) -- Cerca de seis mil pessoas são esperadas para as solenidades da Semana Santa e Páscoa em Sardoal, nas festividades seculares assumidas como importante património da personalidade concelhia e que decorrem entre quinta-feira e domingo.

Sardoal, 20 abr (Lusa) -- Cerca de seis mil pessoas são esperadas para as solenidades da Semana Santa e Páscoa em Sardoal, nas festividades seculares assumidas como importante património da personalidade concelhia e que decorrem entre quinta-feira e domingo.

Com organização da paróquia de Santiago e São Mateus, Santa Casa da Misericórdia, Irmandades e Câmara Municipal de Sardoal, das principais celebrações destaca-se a procissão do Senhor da Misericórdia, da Visitação ou Fogaréus, na quinta-feira, a Procissão do Enterro, na sexta-feira e a Procissão da Ressurreição, no domingo.

Nesta ocasião, a vila ganha uma ambiência especial, sobretudo quando se realiza a procissão do Senhor da Misericórdia, na noite de quinta-feira, uma cerimónia efetuada à luz de velas, archotes e candeias e que confere à localidade um "cenário de grande misticismo".

A eletricidade da rede pública é desligada no percurso do cortejo, e nas janelas das casas, varandas, sacadas e nas escadarias do Convento de Santa Maria da Caridade, são colocadas e acesas centenas de lamparinas de azeite e cera ou lanternas de vidro.

Nesta procissão, acompanhada pela banda filarmónica ao som de marchas fúnebres, podem ser apreciados os painéis representando Cenas da Paixão, datados do século XVIII, pertença da Misericórdia e que só saem à rua por esta ocasião.

Anacleto Batista, provedor da Misericórdia de Sardoal, disse à agência Lusa que as cerimónias realizam-se na vila "desde tempos imemoriais" e acrescentou que a carga mística na noite de quinta-feira "é muito grande" pelo "silêncio e respeito" dos milhares de visitantes que afluem por esta ocasião ao Sardoal.

Segundo precisou, "são centenas as pessoas que participam na procissão e milhares os que assistem nas ruas", apenas iluminadas pelos archotes, visitando as capelas e as igrejas decoradas com tapetes de pétalas de flores e verduras.

De quinta-feira até domingo de Páscoa, grupos de moradores, entidades institucionais e associativas elaboram tapetes à base de pétalas de flores e verduras, no chão das oito capelas e igrejas existentes na vila, templos visitáveis no percurso de três quilómetros englobado na procissão dos Fogaréus.

Miguel Borges, vice-presidente da autarquia, assinalou à Lusa o "grande empenhamento da comunidade cristã, e não só", nos enfeites de igrejas e capelas de Sardoal, com tapetes de flores, verduras naturais e outros acessórios, alfaias e artefactos simbólicos alusivos" à Semana Santa e Páscoa.

"É o momento alto no concelho, pela fé e religiosidade, pela vertente turística e também pelo reencontro de todos os sardoalenses", vincou.

Um programa cultural complementar, levado a efeito pelo município e associações, vai incluir uma exposição de fotografia de autores locais, um passeio familiar e teatro de rua.





MYF.

Lusa/Fim

  • Atropelamento em Copacabana fere 15 e mata bebé de 18 meses
    1:13

    Mundo

    Pelo menos uma pessoa morreu e 15 ficaram feridas num atropelamento na praia de Copacabana, no Rio de Janeiro, no Brasil. O condutor, um homem de 41 anos, diz ter perdido o controlo do carro, invadiu a calçada, percorreu 15 metros e só parou no areal de uma das zonas mais turísticas do Brasil. A polícia militar confirmou, entretanto, em comunicado que não há qualquer indício de que se tenha tratado de um ataque terrorista e avançou que o condutor sofreu um ataque de epilepsia.

  • A casa dos horrores
    7:57
  • PGR e presidente do Supremo deixam recado à ministra da Justiça
    2:45
  • Rui Rio tem sentido "alguma turbulência" no PSD
    2:01

    País

    Rui Rio e Pedro Passos Coelho tiveram esta quinta-feira a primeira reunião, desde que foi eleito o novo líder do PSD. À saída, Passos Coelho desejou que esta transição decorra com naturalidade. Já Rui Rio disse que tem sentido alguma turbulência no partido.

  • Sindicatos rejeitam fim das baixas médicas até três dias
    2:02

    País

    A CGTP quer levar o tema das baixas médicas à Concertação Social, já a UGT diz que há outras matérias prioritárias. Ainda assim as duas centrais sindicais lembram que a não justificação de faltas pode dar origem a um despedimento por justa causa. Esta quinta-feira o bastonário da Ordem dos Médicos propôs ao Governo que acabe com as baixas de curta duração, até três dias.

  • Papa interrompe percurso no Chile para ajudar polícia
    0:21
  • "Mundo à Vista" no Gana
    7:38