sicnot

Perfil

Lusa

Coimbra: Câmara volta a lançar concurso para construção e exploração de complexo funerário

João Ernesto Fonseca

Coimbra, 10 jun (Lusa) -- A câmara de Coimbra vai lançar novo concurso para a conceção, construção e concessão da exploração de um complexo funerário, com crematório, em Taveiro, revelaram hoje os vereadores Paulo Leitão e Luís Providência.

Coimbra, 10 jun (Lusa) -- A câmara de Coimbra vai lançar novo concurso para a conceção, construção e concessão da exploração de um complexo funerário, com crematório, em Taveiro, revelaram hoje os vereadores Paulo Leitão e Luís Providência.

O novo caderno de encargos surge com alterações em relação ao anterior, aberto em 2008, na expectativa de que o concurso "não volte a ficar deserto", disse Paulo Leitão, que falava numa sessão de apresentação das novas regras de candidatura à criação e exploração do futuro complexo.

O anterior concurso exigia "uma estrutura muito grande" e, por isso, um investimento "demasiado elevado" para despertar o interesse dos investidores, admitiu o vereador, responsável pelo pelouro de Obras e Infra-estruturas Municipais.

O novo concurso, a lançar em breve, exige, no entanto, que a infraestrutura a construir mantenha "todas as condições para poder ser ampliada em qualquer altura" e para que possa atingir, quando isso se revelar necessário, as dimensões inicialmente previstas, sublinhou Luís Providência.

Envolvendo um investimento superior a um milhão de euros, o complexo funerário, a construir junto ao cemitério de Taveiro, será "dotado de um crematório e áreas técnicas adjacentes, salas de despedida e de velório, cafetaria, instalações sanitárias e áreas complementares", referiu Luís Providência, responsável pelo pelouro dos cemitérios.

No distrito de Coimbra só há um crematório, na Figueira da Foz, prevendo os responsáveis da câmara de Coimbra que o futuro complexo da cidade não se limite a servir apenas o município, mas uma região mais vasta, acrescentou Luís Providência.

JEF

Lusa/Fim

  • Presidente da Proteção Civil demitiu-se

    País

    O Presidente da Autoridade Nacional da Proteção Civil (ANPC), Joaquim Leitão, pediu esta quarta-feira a demissão com efeitos imediatos. A carta de demissão foi enviada para o Ministério da Administração Interna, no entanto, uma vez que a ministra também se demitiu, o documento seguiu para o gabinete do primeiro-ministro, António Costa.

  • "Foi um golpe muito forte"
    1:41
  • Não me parece o melhor princípio político, mas percebo que António Costa queira ter junto de si, sobretudo em tempos difíceis, os mais próximos. Os homens de confiança pessoal e política. Em plena tempestade, o primeiro-ministro chamou dois amigos de longa data, ex-colegas da Faculdade de Direito, Eduardo Cabrita e Pedro Siza Vieira. E eles não disseram que não.

    Bernardo Ferrão

  • SIC acompanhou Francisco George no último dia como diretor-geral da Saúde
    6:20