Lusa

UNESCO: Câmara de Elvas já investiu mais de 30 ME na conservação do património militar - autarca

Manuel Luis Mendes

Elvas, 30 jun (Lusa) - O presidente da Câmara de Elvas, José Rondão Almeida, congratulou-se hoje com a classificação do centro histórico da cidade como Património Mundial, recordando que foram investidos mais de 30 millhões de euros na conservação dos monumentos.

Em declarações à agência Lusa, Rondão Almeida (PS) destacou o "trabalho que a atual câmara tem vindo a fazer ao longo dos últimos anos", investimento "mais de 30 milhões de euros na conservação, preservação e reutilização de grande parte do património" militar.

"As pessoas de Elvas, ao longo de séculos, foram capazes de conservar e preservar o património que herdaram dos seus antepassados", elogiou o autarca socialista.

  • Ministério Público anulou interrogatório a Manuel Pinho
    3:13

    País

    O antigo ministro Manuel Pinho esteve esta manhã no DCIAP para ser interrogado a propósito das relações que manteve com o Grupo Espírito Santo e a EDP nos anos em que esteve no governo. No entanto a diligência ficou sem efeito a pedido do Ministério Público.

  • Crédito automóvel acelera
    1:05
  • Três feridos dos incêndios de outubro ainda continuam internados
    1:07

    País

    Continuam internadas três vítimas dos incêndios de outubro do ano passado, entre elas uma menor, de 12 anos, no Hospital Pediátrico de Coimbra. Os outros dois feridos estão no Centro de Reabilitação da Tocha. Nove meses depois, as vítimas dos fogos continuam a ser acompanhadas em consultas de cirurgia plástica, fisioterapia e reabilitação e a nível psicológico em centros de saúde e por equipas de saúde mental comunitária.

  • Marcelo confiante na "presidência inspiradora" de Cabo Verde na CPLP
    0:40

    País

    O Presidente da República português mostra-se muito confiante nesta nova fase que se abre à CPLP, com a nova presidência da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) que passa do Brasil para Cabo Verde. À SIC, Marcelo Rebelo de Sousa admitiu que, em Brasília, havia muitas questões pendentes mas agora há "um clima muito positivo entre os membros da CPLP, com maior peso na comunidade mundial".