Última Edição

0
0:08

Última Edição

1
2:58

Costa faz ultimato aos estivadores

2
0:57

Greve em Lisboa obriga ao desvio de carga para Porto de Leixões

3
2:23

Representante dos colégios diz que recebeu apoio do PR, Belém desmente

4
1:54

População de Faíscas em choque com triplo homicídio

5
2:38

Autor do triplo homicídio tinha sido despedido e sofria de depressão

6
3:38

Primeiro-ministro culpa anterior governo por eventuais sanções da UE

7
1:51

Onze detidos em Faro por venda de droga

8
1:32

BdP obriga os principais bancos a reforçar capital

9
2:34

Barack Obama é o primeiro Presidente dos EUA a visitar Hiroshima

10
3:22

Portugueses aproveitam mini-férias no Nordeste Transmontano

11
1:37

Turistas ingleses em Portugal aumentam 30% em relação ao ano passado

12
0:33

Mais de 4 mil migrantes resgatados pela Guarda Costeira italiana

13
1:28

Jovem violada por mais de 30 homens no Rio de Janeiro

14
2:53

Crise na Venezuela faz crescer mercado negro

15
1:14

Mourinho assinou contrato com o Manchester por três épocas

16
1:21

Golden State Warriors vencem os OKC Thunder na NBA

08:46 16.10.2012

Dia Mundial da Alimentação celebrado em Roma com fome e preços dos cereais na agenda

Reuters

A comunidade internacional reúne-se hoje em Roma para celebrar o Dia Mundial da Alimentação, sob a égide da ONU, e refletir sobre os meios para reduzir as tensões nos mercados dos cereais.

A Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO),  com sede em Roma, acolhe a reunião do Comité de Segurança Alimentar (CFS)  constituído por outras agências da ONU, especialistas e representantes da  sociedade civil. 

De acordo com as últimas previsões da FAO, 870 milhões de pessoas ainda  passam fome no mundo. Apesar de este número estar a recuar (1.000 milhões  entre 1990-1992), permanece "muito alto", afirmou o diretor-geral desta  organização, José Graziano da Silva. 

A crise alimentar temida este verão com a seca que atingiu os Estados  Unidos, um grande produtor mundial de cereais, não chegou a acontecer, mas  a tensão continua e os preços nos mercados internacionais estão elevadíssimos,  depois da descida das previsões noutros grandes produtores, caso da Rússia,  União Europeia e da região do Mar Negro. 

"Os preços dos alimentos são muito voláteis e perigosamente altos",  disse a propósito da iniciativa o relator especial da ONU sobre o Direito  à Alimentação, Olivier De Schutter, que pediu "uma resposta imediata" para  estabilizar os preços. 

Pelo menos 36 ministros, incluindo da Rússia, Coreia do Sul, Japão,  Brasil, Bangladesh, Filipinas, Camarões, mas também da Alemanha, Itália  e do Reino Unido, já confirmaram a participação no encontro.

Comentários

ATENÇÃO:ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.
Publicidade

Agora

Mais Populares

Comentários

Publicidade

Agora

Mais Populares

CT: NEWS
10:42
Espanhóis ganham obras de 14MEuro na agricultura em Angola
10:41
Caracas com mais de 80% de escassez de produtos básicos
10:41
António Chainho encerra celebrações do 50 anos de carreira terça-feira
10:41
Festival Azores Fringe espalha arte pelas nove ilhas do arquipélago
10:40
Trump rejeita debate com Sanders nesta fase da corrida à Casa Branca
10:40
Novos incidentes entre apoiantes e opositores de Trump na Califórnia
10:39
Queda de avião da II Guerra Mundial causa morte de piloto nos EUA
10:39
Jornalista morto a tiro na capital das Filipinas revela a polícia
10:38
Pyongyang ameaça disparar contra navios do sul que passem a fronteira
10:38
Campanha do Banco Alimentar arranca hoje com 43 mil voluntários
X

Sabia que o seu Internet Explorer está desatualizado?

Para usufruir da melhor experiência de navegação na nossa página web recomendamos que atualize para uma nova versão. Por favor faça a atualização aqui .