Última Edição

0
0:05

Última Edição

1
1:36

Nuno Crato admite erro na fórmula de cálculo aplicada na colocação de docentes

2
0:35

Dezenas de pessoas gritam por demissão de Crato nas galerias do Parlamento

3
0:44

Bloco de Esquerda exige a demissão da ministra da Justiça

4
0:33

Marques Guedes remete para as Finanças qualquer posição sobre o Novo Banco

5
0:52

Alberto Martins pede a Seguro reunião da Comissão Política para discutir redução de deputados para 181

6
2:04

Pais manifestam-se junto a Centro Escolar de Coimbra

7
3:11

Falta de professores em agrupamento escolar da Ericeira

8
1:55

Presidente do Novo Banco diz que principal missão é recuperar e criar valor

9
0:36

PS diz que venda da empresa de tratamento de lixo não respeita interesse público

10
1:59

Ambiente, energia e mar em debate na conferência do Green Project Awards

11
3:44

Associação de Viseu que apoia crianças com autismo está em risco de fechar

12
1:33

Enfermeira francesa ao serviço dos Médicos Sem Fronteiras na Libéria contrai vírus Ébola

13
0:59

José Mourinho ficou frustrado com o empate com o Schalke

08:46 16.10.2012

Dia Mundial da Alimentação celebrado em Roma com fome e preços dos cereais na agenda

Reuters

A comunidade internacional reúne-se hoje em Roma para celebrar o Dia Mundial da Alimentação, sob a égide da ONU, e refletir sobre os meios para reduzir as tensões nos mercados dos cereais.

A Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO),  com sede em Roma, acolhe a reunião do Comité de Segurança Alimentar (CFS)  constituído por outras agências da ONU, especialistas e representantes da  sociedade civil. 

De acordo com as últimas previsões da FAO, 870 milhões de pessoas ainda  passam fome no mundo. Apesar de este número estar a recuar (1.000 milhões  entre 1990-1992), permanece "muito alto", afirmou o diretor-geral desta  organização, José Graziano da Silva. 

A crise alimentar temida este verão com a seca que atingiu os Estados  Unidos, um grande produtor mundial de cereais, não chegou a acontecer, mas  a tensão continua e os preços nos mercados internacionais estão elevadíssimos,  depois da descida das previsões noutros grandes produtores, caso da Rússia,  União Europeia e da região do Mar Negro. 

"Os preços dos alimentos são muito voláteis e perigosamente altos",  disse a propósito da iniciativa o relator especial da ONU sobre o Direito  à Alimentação, Olivier De Schutter, que pediu "uma resposta imediata" para  estabilizar os preços. 

Pelo menos 36 ministros, incluindo da Rússia, Coreia do Sul, Japão,  Brasil, Bangladesh, Filipinas, Camarões, mas também da Alemanha, Itália  e do Reino Unido, já confirmaram a participação no encontro.

Comentários

ATENÇÃO:ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.
Publicidade

Agora

Mais Populares

Comentários

Publicidade

Agora

Mais Populares

CT: NEWS
X

Sabia que o seu Internet Explorer está desatualizado?

Para usufruir da melhor experiência de navegação na nossa página web recomendamos que atualize para uma nova versão. Por favor faça a atualização aqui .