Última Edição

1
0:05

Última Edição

2
1:42

Três portugueses mortos e 2 desaparecidos no naufrágio das Astúrias, em Espanha

3
3:08

Dois portugueses e 5 galegos sobreviventes ao naufrágio nas Astúrias, em Espanha

4
1:56

Seis pescadores sobreviventes ao naufrágio nas Astúrias são de Vila do Conde

5
2:38

Mau tempo dificulta resgate dos sobreviventes do naufrágio na Coreia do Sul

6
2:23

Rússia, Ucrânia, EUA e União Europeia chegam a acordo sobre Ucrânia

7
0:52

CGTP espera que Governo revele plano de cortes antes das eleições europeias

8
1:40

Portugal regressa aos mercados quarta-feira sem ajuda dos bancos

9
0:50

Governo ainda não decidiu como vai sair do resgate

10
1:59

Portas contradiz Passos e insiste na descida do IRS em 2015

11
0:34

Governo não pode assumir compromisso de reduzir IRS, diz ministra das Finanças

12
0:49

Presidente defende coesão social e "correção das injustiças"

08:46 16.10.2012

Dia Mundial da Alimentação celebrado em Roma com fome e preços dos cereais na agenda

Reuters

A comunidade internacional reúne-se hoje em Roma para celebrar o Dia Mundial da Alimentação, sob a égide da ONU, e refletir sobre os meios para reduzir as tensões nos mercados dos cereais.

A Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO),  com sede em Roma, acolhe a reunião do Comité de Segurança Alimentar (CFS)  constituído por outras agências da ONU, especialistas e representantes da  sociedade civil. 

De acordo com as últimas previsões da FAO, 870 milhões de pessoas ainda  passam fome no mundo. Apesar de este número estar a recuar (1.000 milhões  entre 1990-1992), permanece "muito alto", afirmou o diretor-geral desta  organização, José Graziano da Silva. 

A crise alimentar temida este verão com a seca que atingiu os Estados  Unidos, um grande produtor mundial de cereais, não chegou a acontecer, mas  a tensão continua e os preços nos mercados internacionais estão elevadíssimos,  depois da descida das previsões noutros grandes produtores, caso da Rússia,  União Europeia e da região do Mar Negro. 

"Os preços dos alimentos são muito voláteis e perigosamente altos",  disse a propósito da iniciativa o relator especial da ONU sobre o Direito  à Alimentação, Olivier De Schutter, que pediu "uma resposta imediata" para  estabilizar os preços. 

Pelo menos 36 ministros, incluindo da Rússia, Coreia do Sul, Japão,  Brasil, Bangladesh, Filipinas, Camarões, mas também da Alemanha, Itália  e do Reino Unido, já confirmaram a participação no encontro.

Comentários

ATENÇÃO:ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.
Publicidade

Agora

Mais Populares

Comentários

Publicidade

Agora

Mais Populares

CT: NEWS
X

Sabia que o seu Internet Explorer está desatualizado?

Para usufruir da melhor experiência de navegação na nossa página web recomendamos que atualize para uma nova versão. Por favor faça a atualização aqui .