sicnot

Perfil

Bernardo Ferrão

Bernardo Ferrão

Subdiretor de Informação

  • Opinião

    Quem ganha politicamente com os números do crescimento? Pedro Passos Coelho que sempre apontou para um modelo assente nas exportações e no investimento? Ou António Costa que, apesar de ter corrigido a estratégia, consegue um brilharete na sua ação executiva? As opiniões, como sempre, dividem-se. Mas parece-me evidente que Costa reforça a liderança, ganha discurso e mostra resultados. A confiança (e não só) tem destes milagres.

    Bernardo Ferrão

  • 2,8%: o "xeque-mate" à narrativa de Passos
    2:20

    Economia

    Crescimento faz-se sobretudo de exportações e de investimento. Ou seja, vai no caminho inverso ao que António Costa defendia e que assentava sobretudo no consumo. Mas a a verdade é que dupla Costa/Centeno teve a habilidade de mudar a agulha e prova que a Geringonça-que-assustava-investidores afinal consegue por o país a crescer. Passos Coelho pode reclamar créditos passados, mas a sua margem política é cada vez mais reduzida. Costa faz "xeque-mate".

    Bernardo Ferrão

  • Cristas, o Metro e a credibilidade na política

    Opinião

    Vejamos o lado positivo. Finalmente ficámos a saber o que quer Assunção Cristas para Lisboa: mais 20 estações de metro. A líder do CDS e candidata à capital teve um sonho “faraónico”. O problema é que esse delírio “construtivo” fez-nos lembrar um pesadelo passado: o tempo das grandes obras.

    Bernardo Ferrão

  • Opinião

    Parece que a cada eleição nos põem uma corda ao pescoço. É uma esquizofrenia diabólica: “Maldita democracia!” que teima em colocar-nos tão próximo do perigo. Eles, os extremistas, pressentem o nosso medo. O nosso desespero. A nossa descrença. É disso que se alimentam. França ganhou com Macron, mas a Europa não pode apenas respirar de alívio. É tempo de tirar ilações. O perigo não vai desaparecer.

    Bernardo Ferrão

  • Discussão sobre os números do défice "já não faz sentido"
    8:00

    Opinião

    Bernardo Ferrão esteve no Jornal das 7, da SIC Notícias, onde falou sobre o debate quinzenal. O subditeror de Informação da SIC diz que a discussão entre António Costa e Pedro Passos Coelho sobre os números do défice já "começa a cansar", uma vez que é uma questão que já tem vindo a ser discutida há muito tempo. Bernardo Ferrão diz ainda que "já não faz sentido" as palavras do líder do PSD, pois os resultados publicados esta quarta-feira sobre a execução orçamental são "dados positivos para o Governo".

    Bernardo Ferrão

  • "Passos Coelho menosprezou o valor das autárquicas"
    5:38

    Opinião

    Pedro Passos Coelho comunicou esta quinta-feira à distrital de Lisboa que Teresa Leal Coelho será a candidata do PSD à Câmara da capital. Bernardo Ferrão, subdiretor de Informação da SIC, diz que o líder dos sociais-democratas menosprezou o valor das autárquicas, optando por uma escolha "refugo", e considera que Passos corre o risco de perder as eleições para Assunção Cristas.

    Bernardo Ferrão

  • É uma questão politicamente "muito grave"
    8:39

    Opinião

    O debate quinzenal ficou marcado pela polémica à volta dos offshores e da Caixa Geral de Depósitos. Sobre os offshores, Bernardo Ferrão considera que esta é uma questão politicamente "muito grave". Fala mesmo numa "falha no sistema do Fisco na Autoridade Tributária". O subdiretor de informação da SIC lembra ainda que as transferências foram feitas durante o período de governação de Passos Coelho, uma altura em "que se pediu o maior esforço fiscal aos portugueses".

    Bernardo Ferrão

  • "É o único assunto a que PSD e CDS se podem agarrar para fragilizar o Governo"
    5:03

    Caso CGD

    A Direita acusa Mário Centeno de ter perdido toda a credibilidade e autoridade. O ministro esteve esta quarta-feira no Parlamento, numa audição para falar de Orçamento e finanças, mas a polémica da Caixa acabou por marcar a sessão. O tema esteve em análise no Jornal da Noite. Bernardo Ferrão considera que a posição do ministro já está fragilizada mas defende que este é o único assunto a que PSD e CDS-PP se podem agarrar para fragilizar o Governo.

    Bernardo Ferrão