Cultura

Museu Nacional da Imprensa adere ao "Bookcrossing"

O Museu Nacional da Imprensa (MNI), no Porto, vai aderir à rede mundial de oferta mútua de livros e funcionar, a partir de domingo, como zona oficial do "Bookcrossing", tornando-se no primeiro museu português a adotar este conceito.

Em comunicado, o MNI informou que aquele será o "primeiro museu português e dos primeiros da Península Ibérica adepto do 'Bookcrossing', passando a funcionar como zona oficial desta forma de rastrear livros".



Através deste conceito, é possível "libertar livros e/ou procurar outros que já estejam em viagem".



"A fórmula é simples: disponibilizar um livro sempre que coloquem outro em viagem, para que possa ser encontrado por outra pessoa", lê-se.



Depois de registado na zona oficial, cada vez que o livro é encontrado, o leitor recebe uma notificação por e-mail e fica a conhecer os lugares por onde o livro viajou e os comentários recebidos de outros leitores.



Sendo o primeiro museu da lista da comunidade 'bookcrosser' em Portugal, o Museu Nacional da Imprensa pretende desta forma "estimular os hábitos de leitura e contribuir para a troca de experiências globais através de livros".



A abertura deste espaço no museu está agendada para domingo, "dando 'pernas' a mais de duas dezenas de livros"



O "BookCrossing" é uma rede de comunidades de leitores centrada na Internet (www.bookcrossing.com ) que visa estimular a oferta de livros para que outras pessoas os possam ler em qualquer parte do Mundo.



A rede tem atualmente registados 5 milhões de livros oferecidos pelos seus mais de 700 mil utilizadores, dos quais cerca de 11 mil são portugueses.



(Este texto foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico)

Lusa
  • "Nada de mau vai sair do encontro" com Vladimir Putin
    2:23

    Mundo

    A horas da cimeira com Vladimir Putin na Finlândia, Donald Trump diz não ter grandes expectativas mas assegura que nada de mau sairá do encontro. Numa entrevista à CBS, o Presidente norte-americano coloca a União Europeia a par da Rússia e da China como inimigos dos Estados Unidos.

  • Médicos nas prisões para rastrear e tratar reclusos com VIH e hepatites

    País

    Os médicos infeciologistas, gastrenterologistas e internistas vão passar a deslocar-se às prisões para cuidar dos reclusos infetados com VIH e hepatites B e C e vão realizar-se rastreios à entrada, durante e final da reclusão. Este modelo vai estar em vigor em 45 estabelecimentos prisionais do continente.

  • Gaza de novo à beira da guerra
    2:30