Cultura

Nova livraria online especializada em literatura gay e lésbica

A editora Bubok anunciou hoje a abertura de uma livraria online especializada em literatura lésbica, gay, bissexual e transgénero (LGBT), Arco-íris, assumida como espaço exclusivo para quem quer ler e publicar obras sobre este tema.

 "Desde há alguns dias, ao publicar um livro na Bubok, o autor pode classificá-lo  como literatura Gay e Lésbica e pedir a sua inclusão na Livraria Arco-íris",  refere a editora, em comunicado.  

A Arco-íris abriu com dois títulos  inéditos em Portugal, "Um amor diferente", de Francesca White, e "Mesa 27",  de Adriana Nicolodi, este em parceria com a editora brasileira Livronovo.

"Esta livraria é um espaço exclusivo para os que querem ler e publicar  histórias com esta temática e esperamos que em breve possa ter um catálogo  de referência no género e com um forte compromisso cultural", refere a editora.

A Bubok, "editora onde todos podem publicar gratuitamente, já tem mais  de 4.500 livros publicados em dois anos, mais de seis a cada novo dia".

"Como parte deste lançamento, estivemos já na sede da ILGA para um workshop  de auto-publicação e estamos a desenvolver parcerias com as principais associações  nacionais que representam esta imensa minoria de autores e leitores arco-íris",  acrescenta a editora. 

Lusa

  • "Bebemos a água que escorria das rochas"

    Mundo

    Os 12 rapazes e o treinador que ficaram presos numa gruta na Tailândia durante 18 dias revelaram hoje alguns pormenores de como sobreviveram, na primeira conferência de imprensa.

  • "Os Maias" deixam de ser leitura obrigatória no secundário

    País

    Obras como "Os Maias" e "A Ilustre Casa de Ramires", de Eça de Queirós, vão deixar de ser de leitura obrigatória no ensino secundário a partir do próximo ano letivo. Os alunos deixam de ter indicação de uma obra específica para ler, passando o professor a escolher livremente uma obra de cada autor. O objetivo é fazer face aos programas extensos.

  • Marcelo assinala "passos importantes" na Cimeira da CPLP
    2:16
  • Santana diz que a concorrência é livre
    0:52

    País

    Santana Lopes sublinha que quer causar o menor dano possível ao PSD com a criação de um novo partido. O antigo primeiro-ministro diz no entanto que, apesar disso, a concorrência é livre. Isto depois de um estudo feito pela Eurosondagem mostrar que 4,8% dos inquiridos votaria num novo partido de Santana Lopes. O político diz que o número é inspirador, mas não adianta certezas sobre os próximos passos.