sicnot

Perfil

Cultura

Vhils foi a Washington questionar a liberdade

O artista plástico Alexandre Farto, conhecido como Vhils, tem patente até dia 24 de março, no Kennedy Center, em Washington, uma instalação que tem por objetivo levantar questões sobre liberdade. 

© Rafael Marchante / Reuters

"Há uma multiplicidade de ideias sobre liberdade, mas a liberdade, para ser real, tem de ser aceite por todos. Foi esta reflexão que conduziu este trabalho", explicou Vhils à agência Lusa.

Quem entra no centro cultural da capital norte-americana, pelo Hall of Nations, decorado com dezenas de bandeiras de todo o mundo, começa por ver centenas de folhas de papel brancas suspensas do teto a diferentes alturas.

A partir de um único ponto, assinalado com a impressão de dois pés, é possível ver todas essas folhas alinhadas para formar a palavra "freedom", liberdade em inglês.

Um passo para os lados e a palavra começa a desfazer-se; um passo para trás e a inscrição desaparece quase de imediato; um passo em frente e é como se a palavra implodisse, com as folhas a projetarem-se em todas as direções. 

"Queria mostrar que a liberdade é algo que depende do indivíduo, da sua situação e da sua cultura. É por isso que cada pessoa pode escolher ver a instalação à sua maneira", explicou Vhils à agência Lusa.

O artista sentiu-se inspirado pelo local, para criar esta peça: um centro cultural, nos Estados Unidos, batizado em nome do presidente John F. Kennedy, numa entrada onde estão bandeiras de todos os países que têm relações diplomáticas com os Estados Unidos. 

"Estamos nos Estados Unidos, o país que mais usa o argumento da luta pela liberdade, mas não vim aqui para julgar, vim levantar questões. É também uma peça que tem muito a ver com o momento que atravessamos, com o ataque ao Charlie Hebdo e todas as notícias que dão conta de um estado de vigilância", explicou o artista. 

O trabalho faz parte de "Iberian Suite: Arts Remix Across Continents", iniciativa de divulgação da cultura de Portugal e de Espanha, que conta com a participação de artistas da lusofonia e da América Latina e que acontece até 24 de março, na capital federal norte-americana.

Este ano, Vhils surgiu nas listas '30 under 30', da revista norte-americana Forbes, que destaca jovens de sucesso, a nível mundial, com menos de 30 anos.

O artista, que já fez murais em mais de 50 cidades de todo o mundo, teve uma exposição a solo, chamada "Dissecação/Dissection", patente em Lisboa, no Museu da Eletricidade, que atraiu mais de 65 mil visitantes em três meses de 2014.

 
Lusa
  • Não houve negligência médica no caso do jovem que morreu em São José
    2:33

    País

    Afinal, não houve negligência médica no caso do jovem que morreu há cerca de um ano no Hospital de São José, vítima de um aneurisma. Esta é a conclusão da Ordem dos Médicos e dos peritos do Instituto de Medicina Legal. Segundo o jornal Expresso, todos os relatórios relatórios pedidos pelo Ministério Público e pelo Centro Hospitalar de Lisboa Central dizem que o corpo clínico do hospital não teve responsabilidades na morte de David Duarte.

  • Jovens estariam de fones e poderão não ter ouvido comboio a aproximar-se
    1:47

    País

    As adolescentes, de 13 e 14 anos, encontradas mortas junto à linha do norte perto de Coimbra podem não ter ouvido a aproximação do comboio, uma vez que estariam de auriculares. Os corpos só foram descobertos 36 horas depois do desaparecimento das jovens, aparentemente vítimas de um descuido fatal.

  • Patti Smith engana-se na música de Bob Dylan durante cerimónia dos Nobel
    1:49

    Mundo

    Os prémios Nobel deste ano já foram entregues. Bob Dylan não compareceu à entrega do galardão da Literatura e fez-se representar pela amiga Patti Smith, que teve um bloqueio enquanto cantava "A Hard Rain's A-Gonna Fall" do músico. O Presidente da Colômbia Juan Manuel dos Santos foi distinguido com o Nobel da paz pelo acordo que alcançou com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia.

  • CIA acredita que Trump foi ajudado por piratas informáticos russos
    1:24

    Eleições EUA 2016

    As eleições nos Estados Unidos da América já terminaram e o Presidente está eleito. Contudo, Barack Obama quer saber se os russos tentaram mesmo influenciar o voto e ao mesmo tempo perceber o que os serviços secretos aprenderam com todas as fugas de informação durante a campanha. Já a CIA diz não ter dúvidas: para os serviços secretos norte-americanos, Donald Trump foi ajudado por piratas informáticos.