sicnot

Perfil

Cultura

Brasil vai extraditar escritor italiano Cesare Battisti

A Polícia Federal do Brasil anunciou hoje, em comunicado, ter prendido o escritor italiano e antigo militante de extrema-esquerda Cesare Battisti, condenado nos anos 1970 em Itália a prisão perpétua por vários assassínios.

© Ricardo Moraes / Reuters

"A Polícia Federal cumpriu um mandado de prisão administrativa para fins de deportação do italiano Cesare Battisti", refere o texto.

Segundo o comunicado, a prisão foi feita na cidade de Embu das Artes, no Estado de São Paulo, na sequência de uma decisão do tribunal.

O escritor vai ficar preso na superintendência regional da polícia de São Paulo até à "deportação ser efetivada".

A decisão foi tomada por uma juíza federal de Brasília, que "considerou nulo o ato do Governo federal que concedeu permanência no Brasil" ao escritor, noticiou a imprensa brasileira.

Segundo a imprensa, Battisti foi condenado em Itália a prisão perpétua por homicídio quando fazia parte do grupo dos Proletariados Armados pelo Comunismo.

O escritor fugiu para o Brasil em 2004, foi detido em 2007, mas em 2010 o antigo chefe de Estado brasileiro Lula da Silva considerou Battisti "alvo de perseguição e negou a extradição".

Lusa
  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.