sicnot

Perfil

Cultura

"Happy" também é plágio, diz família de Marvin Gaye

Para já, a família de Marvin Gaye diz que não pertende processar o cantor, mas a mulher e os filhos garantem que há muitas semelhanças entre a música "Happy" interpretada por Pharrel Williams e "Ain't That Peculiar" de Gaye lançada em 1966.

É caso para dizer vira o disco e toca o mesmo. A família de Marvin Gaye volta a acusar Pharrel Williams de ter plagiado mais uma música do falecido.


Desta vez as baterias estão apontadas para o hit "Happy", que chegou a tornar-se a canção mais vendida por download, na Grã-Bretanha.

 

A família de Marvin Gaye, parece ter decidido analisar à lupa o reportório de Pharrel e encontrou semelhanças. Desta feita, entre "Happy" e "Ain't  That Peculiar" de 1966.



 

Numa entrevista à CBS, Nona Gaye, filha do cantor revelou que "as duas são muito semelhantes". Já a viúva disse que nem precisou de ouvir a mistura para perceber que são iguais.


Ainda assim, a família de Marvin Gaye, diz que não pretende resolver o assunto em tribunal. Diz-se satisfeitas com o desfecho do processo que levou a tribunal a dupla de "Blurred Lines". 


Robin Thicke e Pharrel Williams foram condenados a pagar cerca de 7 milhões de euros, à família, por plágio. Para o tribunal “Blurred Lines” não é uma canção original, mas uma cópia do sucesso “Got to Give It Up” de 1977.


O advogado da dupla diz estar desiludido com a decisão. Acredita que a música surgiu do ''coração e alma dos cantores e não de outro lado" e considera que esta decisão vai inibir os músicos que tentarem reproduzir os sons de uma determinada era ou de um determinado artista.

 Especialistas e advogados têm afirmado que este veredicto não vai refletir-se apenas nas carteiras de Thicke e Williams. Em causa, poderá estar o significado de "violação dos direitos de autor" para todos os artistas da indústria fonográfica.

 

  • Marco Silva despedido do comando técnico do Watford

    Desporto

    O treinador português Marco Silva deixou o comando técnico do Watford, anunciou o 10.º classificado da Liga inglesa de futebol no seu sítio na Internet. "Foi uma decisão difícil e não foi tomada de ânimo leve. O clube está convencido de que a contratação de Marco Silva foi a correta e não fosse a abordagem indesejada de um rival da 'Premier League', continuaríamos a prosperar sob o seu comando", lê-se no comunicado do clube.

  • Tragédia de Vila Nova da Rainha foi há uma semana
    7:18
  • Escutas da Operação Marquês "não podem servir de prova"
    1:36

    Operação Marquês

    As defesas de José Sócrates e de Ricardo Salgado queixam-se que as escutas do processo Marquês estão infetadas por um vírus informático. Os advogados dizem que tal como estão as escutas não podem servir de prova. No entanto, o Ministério Público diz que estão reunidas as condições para começar a contar o prazo para a abertura de instrução.

    Luís Garriapa

  • Saco azul do BES pagou a 106 pessoas e 96 avenças ocultas
    2:21

    Economia

    Pelo menos 106 pessoas receberam dinheiro da Espírito Santo Enterprises, a companhia offshore criada nas Ilhas Virgens Britânicas e que terá funcionado como um gigantesco saco azul do Grupo Espírito Santo. O jornal Expresso revelou os primeiros vinte nomes da lista, entre os quais estão Zeinal Bava, antigo CEO da PT, e Manuel Pinho, ex-ministro da economia do Governo de José Sócrates.

  • Alemanha e Europa de olhos postos no congresso do SPD sobre futuro da coligação com Merkel
    1:22

    Mundo

    O Partido Social-Democrata (SPD) alemão está hoje reunido em congresso extraordinário para decidir se avança para uma nova coligação com a conservadora União Democrata-Cristã (CDU) de Angela Merkel. Cerca de 600 militantes, dirigentes e eleitos do partido participam no congresso extraordinário, que se realiza em Bona.Os militantes vão pronunciar-se sobre o acordo de princípio alcançado pelos dois partidos há duas semanas e o lançamento de negociações formais para formar uma "grande coligação", assim chamada por integrar os dois maiores partidos alemães.A CDU e o SPD governaram em coligação nos últimos quatro anos, mas, nas eleições legislativas de 24 de setembro, Schulz e a líder parlamentar social-democrata, Andrea Nahles, recusaram uma coligação com a CDU e optaram por ser oposição.

  • Admirável mundo novo
    16:17