sicnot

Perfil

Cultura

Prémio Vasco Graça Moura de cidadania cultural tem o valor de 40.000 euros

O Grupo Estoril-Sol anunciou hoje que o Prémio Vasco Graça Moura, instituído este ano, tem o valor de 40.000 euros, e que o Prémio Revelação Literária Agustina Bessa-Luís vai duplicar o valor pecuniário, para 10.000 euros.

JOSE COELHO

O Prémio Vasco Graça Moura, uma homenagem ao poeta, escritor e ensaísta falecido em abril do ano passado, que presidiu ao júri dos prémios literários Fernando Namora e Agustina Bessa-Luís, tem "uma natureza muito abrangente, e é vocacionado para distinguir a cidadania cultural", afirma a Estoril-Sol em comunicado.

O galardão terá uma periodicidade anual, no valor de 40.000 euros, e "estabelece uma nova parceria da Estoril-Sol com a Editora Babel", segundo a mesma fonte, sem adiantar pormenores.

O Prémio Revelação Agustina Bessa-Luís, cujo valor pecuniário passou de 5.000 para 10.000 euros, foi criado em 2008, no âmbito das comemorações do 50.º aniversário da Estoril-Sol, e "propõe-se distinguir, anualmente, um romance inédito de autor português, sem qualquer obra publicada no género e com idade não superior a 35 anos".

No ano passado, tal como aconteceu na primeira edição, o galardão não foi entregue, dada a "falta de qualidade das obras apresentadas", conforme ficou exarado em ata pelo júri. Além do valor pecuniário, a obra vencedora é publicada pela editora Gradiva.

Paula Cristina Torres Rodrigues, com o romance "Horizonte e Mar", foi a mais recente vencedora deste galardão, em 2013, tendo a obra sido publicada no ano passado.

O grupo, no mesmo comunicado, afirma que volta a instituir, este ano, o Prémio Literário Fernando Namora, destinado a romances publicados no ano transato, e com o valor pecuniário de 15.000 euros. 

Bruno Vieira do Amaral, com o romance "As Primeiras Coisas", foi o vencedor deste galardão, em 2014.

O júri dos prémios literários é presidido por Guilherme d'Oliveira Martins, em representação do Centro Nacional de Cultura, e integra ainda José Manuel Mendes, pela Associação Portuguesa de Escritores, Manuel Frias Martins, pela Associação Portuguesa de Críticos Literários, Maria Carlos Loureiro, pela Direção-Geral do Livro, dos Arquivos e das Bibliotecas, Maria Alzira Seixo, Liberto Cruz e João Lobo Antunes, convidados a título individual e ainda Nuno Lima de Carvalho e Dinis de Abreu, pela Estoril-Sol.

Lusa
  • Reclusos que fugiram de Caxias tiveram cúmplices
    1:59

    País

    Uma falha de Portugal poderá explicar a libertação de um dos dois chilenos que fugiram de Caxias e foram apanhados em Espanha. As autoridades portuguesas atrasaram-se a enviar o mandado de detenção e a polícia espanhola libertou o fugitivo. Na investigação da fuga, acredita-se que os 3 reclusos tiveram cúmplices e a namorada de um deles já foi interrogada.

  • Jovem indiano acorda a caminho do próprio funeral

    Mundo

    Um jovem indiano chocou os seus parente e amigos, depois de acordar no caminho para o seu próprio funeral. No mês antes, Kumar Marewad foi levado para o hospital após ser mordido por um cão de rua, ficando em estado grave.

  • Bilhete de desculpas valeu uma bolsa de estudo

    Mundo

    Um jovem chinês ganhou uma bolsa de estudos no valor de 10 mil yuan (cerca de 1.380 euros), depois de danificar acidentalmente um carro de luxo. Isto, porque após os estragos, o jovem deixou um bilhete de desculpas ao dono, assim como todo o dinheiro que tinha com ele, como compensação.