sicnot

Perfil

Cultura

"As asas do vento", último filme de Hayao Miyazaki, já está nos cinemas

A longa-metragem de animação "As asas do vento", possivelmente o derradeiro filme do realizador japonês Hayao Miyazaki, estreia-se hoje nos cinemas.

© Kevork Djansezian / Reuters

O filme, que teve antestreia no festival Monstra, estará em cena em Lisboa e no Porto apenas por duas semanas e na versão japonesa, legendada em português, contrariando a prática atual de dobragem dos filmes de animação.

Produtor, realizador, autor de manga e co-fundador dos estúdios Ghibli, Hayao Miyazaki, 74 anos, é considerado um dos mestres do cinema de animação. 

"As asas do vento", o filme japonês mais lucrativo de 2013 no Japão e que esteve nomeado para os Óscares em 2014, inspira-se na história do engenheiro Jiro Horikoshi, que desenhou um dos aviões de guerra usados pelo Japão na Segunda Guerra Mundial.

Para criar a personagem central do filme, Jiro, um aspirante a engenheiro aeronáutico, Miyazaki baseou-se ainda num romance do autor Tatsuo Hori, que foi contemporâneo de Jiro Horikoshi.

Na nota de intenções, Miyazaki explica que quis retratar alguém persistente que persegue um sonho durante a juventude e idade adulta, num tempo em que o Japão viveu o grande terramoto de 1923, a Grande Depressão, a epidemia de tuberculose e a entrada na guerra.

Miyazaki fez saber várias vezes que "As asas do vento" seria, possivelmente, o seu último filme, culminar de uma carreira influente no cinema de animação mundial, com obras como "O meu vizinho Totoro" (1988), "Porco Rosso" (1992), "A princesa Mononoke" (1997), "A viagem de Chihiro" (2001) - que lhe valeu um Óscar e um Urso de Ouro em Berlim - e "Ponyo à beira-mar".

É ainda autor de séries de televisão - como "Conan, o rapaz do futuro" - e manga (banda desenhada japonesa), como a série "Nausicaa".

Hayao Miyazaki foi ainda um dos fundadores, juntamente com Isao Takahata, dos estúdios Ghibli, de onde saíram todas aquelas produções.

Isao Takahata, 79 anos, é um dos realizadores homenageados este ano no festival Monstra, que exibiu em antestreia "O conto da princesa Kaguya".

Esta longa-metragem, baseada num conto popular japonês sobre uma bebé que é encontrada dentro de uma cana de bambu e que se tornará numa princesa, terá estreia comercial em Portugal a 2 de abril.

Lusa
  • Polémica "Supernanny" em debate hoje na SIC
    2:25
  • Será este o "momento mais Ronaldo" de sempre?

    Desporto

    Cristiano Ronaldo é protagonista de mais um momento que corre nas redes sociais. Depois de marcar o sexto golo do Real Madrid frente ao Desportivo da Corunha, o jogador português ficou ferido no rosto e foi obrigado a abandonar o campo. Mas antes, mesmo com a cara ensanguentada, pediu um telemóvel com "espelho" para ver a extensão do corte. Há quem brinque com a situação, dizendo que Ronaldo levou a sua obsessão com a sua imagem a um novo nível, mas há também quem desvalorize a situação.

    SIC

  • Democratas aceitam compromisso para acabar com shutdown nos EUA

    Mundo

    Os senadores democratas aceitaram esta segunda-feira um acordo orçamental provisório que vai permitir acabar com a paralisação parcial do Governo federal dos Estados Unidos, situação conhecida como shutdown, anunciou o líder da minoria democrata no Senado, Chuck Schumer.

  • Refeição de 1.100 euros em Veneza

    Mundo

    O centro de Veneza oferece os mais variados restaurantes. Com menu obrigatório, sem menu, com taxas, sem taxas, sentando ou em pé. Depois há aqueles restaurantes que cobram 1.100 euros por cinco pratos acompanhados por água. O caso aconteceu com quatro turistas japoneses, que depois de pagarem a conta, apresentaram queixa às autoridades. O presidente da Câmara da cidade italiana já disse que ia investigar a situação e, caso se confirmasse, prometeu que iria castigar os responsáveis.

    SIC