sicnot

Perfil

Cultura

"As asas do vento", último filme de Hayao Miyazaki, já está nos cinemas

A longa-metragem de animação "As asas do vento", possivelmente o derradeiro filme do realizador japonês Hayao Miyazaki, estreia-se hoje nos cinemas.

© Kevork Djansezian / Reuters

O filme, que teve antestreia no festival Monstra, estará em cena em Lisboa e no Porto apenas por duas semanas e na versão japonesa, legendada em português, contrariando a prática atual de dobragem dos filmes de animação.

Produtor, realizador, autor de manga e co-fundador dos estúdios Ghibli, Hayao Miyazaki, 74 anos, é considerado um dos mestres do cinema de animação. 

"As asas do vento", o filme japonês mais lucrativo de 2013 no Japão e que esteve nomeado para os Óscares em 2014, inspira-se na história do engenheiro Jiro Horikoshi, que desenhou um dos aviões de guerra usados pelo Japão na Segunda Guerra Mundial.

Para criar a personagem central do filme, Jiro, um aspirante a engenheiro aeronáutico, Miyazaki baseou-se ainda num romance do autor Tatsuo Hori, que foi contemporâneo de Jiro Horikoshi.

Na nota de intenções, Miyazaki explica que quis retratar alguém persistente que persegue um sonho durante a juventude e idade adulta, num tempo em que o Japão viveu o grande terramoto de 1923, a Grande Depressão, a epidemia de tuberculose e a entrada na guerra.

Miyazaki fez saber várias vezes que "As asas do vento" seria, possivelmente, o seu último filme, culminar de uma carreira influente no cinema de animação mundial, com obras como "O meu vizinho Totoro" (1988), "Porco Rosso" (1992), "A princesa Mononoke" (1997), "A viagem de Chihiro" (2001) - que lhe valeu um Óscar e um Urso de Ouro em Berlim - e "Ponyo à beira-mar".

É ainda autor de séries de televisão - como "Conan, o rapaz do futuro" - e manga (banda desenhada japonesa), como a série "Nausicaa".

Hayao Miyazaki foi ainda um dos fundadores, juntamente com Isao Takahata, dos estúdios Ghibli, de onde saíram todas aquelas produções.

Isao Takahata, 79 anos, é um dos realizadores homenageados este ano no festival Monstra, que exibiu em antestreia "O conto da princesa Kaguya".

Esta longa-metragem, baseada num conto popular japonês sobre uma bebé que é encontrada dentro de uma cana de bambu e que se tornará numa princesa, terá estreia comercial em Portugal a 2 de abril.

Lusa
  • Michelle Obama partilhou momento de despedida da Casa Branca
    1:43
  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Trabalhadores da saúde iniciam greve nacional

    País

    Trabalhadores da saúde estão esta sexta-feira a cumprir uma greve a nível nacional para reivindicar a admissão de novos profissionais, exigir a criação de carreiras e a aplicação das 35 horas semanais a todos os funcionários do setor.

  • Portugal a tremer de frio
    3:07

    País

    Portugal continua a registar temperaturas negativas, sobretudo no Norte do país. Em Trás-os-Montes, por exemplo, marcaram mínimas de 11 graus abaixo de zero e os termómetros desceram tanto que congelaram rios, canalizações de água e até aquecimentos de escolas. Mas nem tudo é mau pois os produtores falam em boa época para curar fumeiro.

  • Juiz brasileiro morto em acidente aéreo investigava corrupção na Petrobras
    1:28
  • Zoo da Indonésia acusado de querer matar ursos à fome

    Mundo

    Um grupo de ativistas da Indonésia acusa o Jardim Zoológico de Bandung de estar a matar à fome os seus animais, incluindo os ursos-do-sol, para ser fechado. Um vídeo recentemente publicado mostra os ursos, que aparecem muito magros e a implorar por comida.

  • Podem as plantas ver, ouvir e até reagir?

    Mundo

    Um professor de Ciências Vegetais da Universidade de Missouri, nos Estados Unidos, passou quatro décadas a investigar as relações entre vegetais e insetos. Na visão de Jack Schultz, as plantas são "como animais muito lentos", que conseguem ver, ouvir, cheirar e até têm comportamentos próprios.