sicnot

Perfil

Cultura

"As asas do vento", último filme de Hayao Miyazaki, já está nos cinemas

A longa-metragem de animação "As asas do vento", possivelmente o derradeiro filme do realizador japonês Hayao Miyazaki, estreia-se hoje nos cinemas.

© Kevork Djansezian / Reuters

O filme, que teve antestreia no festival Monstra, estará em cena em Lisboa e no Porto apenas por duas semanas e na versão japonesa, legendada em português, contrariando a prática atual de dobragem dos filmes de animação.

Produtor, realizador, autor de manga e co-fundador dos estúdios Ghibli, Hayao Miyazaki, 74 anos, é considerado um dos mestres do cinema de animação. 

"As asas do vento", o filme japonês mais lucrativo de 2013 no Japão e que esteve nomeado para os Óscares em 2014, inspira-se na história do engenheiro Jiro Horikoshi, que desenhou um dos aviões de guerra usados pelo Japão na Segunda Guerra Mundial.

Para criar a personagem central do filme, Jiro, um aspirante a engenheiro aeronáutico, Miyazaki baseou-se ainda num romance do autor Tatsuo Hori, que foi contemporâneo de Jiro Horikoshi.

Na nota de intenções, Miyazaki explica que quis retratar alguém persistente que persegue um sonho durante a juventude e idade adulta, num tempo em que o Japão viveu o grande terramoto de 1923, a Grande Depressão, a epidemia de tuberculose e a entrada na guerra.

Miyazaki fez saber várias vezes que "As asas do vento" seria, possivelmente, o seu último filme, culminar de uma carreira influente no cinema de animação mundial, com obras como "O meu vizinho Totoro" (1988), "Porco Rosso" (1992), "A princesa Mononoke" (1997), "A viagem de Chihiro" (2001) - que lhe valeu um Óscar e um Urso de Ouro em Berlim - e "Ponyo à beira-mar".

É ainda autor de séries de televisão - como "Conan, o rapaz do futuro" - e manga (banda desenhada japonesa), como a série "Nausicaa".

Hayao Miyazaki foi ainda um dos fundadores, juntamente com Isao Takahata, dos estúdios Ghibli, de onde saíram todas aquelas produções.

Isao Takahata, 79 anos, é um dos realizadores homenageados este ano no festival Monstra, que exibiu em antestreia "O conto da princesa Kaguya".

Esta longa-metragem, baseada num conto popular japonês sobre uma bebé que é encontrada dentro de uma cana de bambu e que se tornará numa princesa, terá estreia comercial em Portugal a 2 de abril.

Lusa
  • Paulo Macedo pede calma para o bem do banco
    1:45

    Caso CGD

    Paulo Macedo falou pela primeira vez desde que foi eleito o novo Presidente da Caixa Geral de Depósitos e, para o bem do banco público, pediu calma a todos. Passos Coelho veio dizer que a recapitalização da Caixa pode ter de ser feita no verão do próximo ano para salvaguardar o défice deste ano. Já António Costa preferiu não comentar as declarações de Passos e diz que o banco público há muito que precisava de ser recapitalizado.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59
  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados". Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade.