sicnot

Perfil

Cultura

Sophia, Cesário e Pessoa homenageados no Dia Mundial da Poesia

Os poetas Fernando Pessoa, Cesário Verde e Sophia de Mello Breyner Andresen vão ser homenageados nas comemorações do Dia Mundial da Poesia, que vão decorrer no próximo sábado, dia 21, no Porto e em Lisboa.

Sophia a trabalhar em casa, na Travessa das Mónicas, em Lisboa

Sophia a trabalhar em casa, na Travessa das Mónicas, em Lisboa

O Teatro Nacional D.ª Maria II, em Lisboa, organiza, na data, 21 de março, uma declamação de poemas de Fernando Pessoa, Almada Negreiros e Mário de Sá-Carneiro, três dos fundadores e principais autores da "Orpheu", revista do modernismo português, que completa cem anos.

A sessão está integrada no projeto Orpheu 100, do teatro nacional, que assinala o lançamento da revista, em março de 1915, e a edição de "A confissão de Lúcio", de Mário de Sá-Carneiro.

O programa conta com a atriz Paula Mora, que declama o "Manifesto Anti-Dantas", texto satírico de Almada Negreiros, e José Neves, que apresenta "Um rádio por Pessoa", a partir de "O Guardador de Rebanhos", de Alberto Caeiro, um dos heterónimos do poeta.

O ator João Grosso, por seu lado, declama "Manucure", de Mário de Sá-Carneiro, num "fôlego futurista de recital, concerto e plástica sonora", como se lê na apresentação do programa do Teatro D.ª Maria.

No Porto, Pessoa e os seus heterónimos também protagonizam a proposta do Teatro Sá da Bandeira, mas no dia 23, com o espetáculo "A Minha Pátria é a Língua Portuguesa".

A Casa Fernando Pessoa, em Lisboa, organiza uma feira do livro, que vai até domingo, 22 de março, nas suas instalações e no Jardim da Parada, em Campo de Ourique.

No mesmo bairro, os grupos CampOvivo e Oficina de Teatro da Universidade Sénior vão declamar, nos cafés, à hora de almoço e ao lanche, poemas de Fernando Pessoa, Cesário Verde, Alexandre O'Neill e Sophia de Mello Breyner Andresen.

A poetisa vai ser homenageada no Porto, sábado, Dia Mundial da Poesia, com o programa "Poesia em Sophia", que se realiza nos jardins do Palácio de Cristal, e com um espetáculo no auditório da Biblioteca Almeida Garrett, que recupera a sua obra para crianças e vai contar com a participação da comunidade escolar. 

Resultado da parceria entre a Fundação Inatel e a Câmara Municipal do Porto, a iniciativa engloba representações teatrais, sessões de música e mostras de artes plásticas, inspiradas na obra da escritora.

Em Lisboa, o Centro Cultural de Belém (CCB) abre o Dia Mundial da Poesia com uma palestra do investigador Fernando Cabral Martins, sobre a vida e obra do poeta português Cesário Verde. Os poemas de Cesário serão declamados por diversos convidados, numa maratona de leitura. 

O CCB realiza ainda uma feira do livro, particularmente dedicada à poesia, e o espetáculo musical "De Lisboa para o Mundo", pela Lisbon Poetry Orchestra. 

Os prémios do concurso "Faça Lá um Poema", organizado em parceria com Plano Nacional de Leitura, também serão entregues durante a jornada do CCB dedicada à poesia.

Da parceria com a Casa da América Latina, o CCB acolhe, na sala Almeida Negreiros, a 4.ª Festa da Poesia Latino-Americana, com a evocação de obras dos poetas Pablo Neruda, Vinicius de Moraes, Manoel de Barros, Octávio Paz e Ernesto Cardenal, entre outros.

No Dia Mundial da Poesia, a Chiado Editora apresenta o Volume 21 da antologia "Entre o Sono e o Sonho", no Casino de Lisboa, com os atores Custódia Gallego e Carlos M. Cunha. Este volume reúne mais de 700 dos 1500 autores da obra de homenagem à poesia portuguesa.

A pretexto da data, a Assírio e Alvim, que se afirmou em particular com o catálogo de poesia, retoma a publicação do "Anuário de poesia de autores não publicados", cerca de 30 anos após a edição original, e reedita "Rosto Precário" e "Matéria Solar", de Eugénio de Andrade.

Lusa



  • Pedrógão e o Governo das culpas dos outros

    Opinião

    Depois das revelações do ‘Expresso’ e do ‘i’, o primeiro-ministro e os ministros saíram à rua com uma estratégia muito bem definida: desmentir a existência de listas secretas e centrar as atenções no Ministério Público. Ao mesmo tempo, nas redes sociais, está em curso (mais) uma campanha contra os jornalistas. Os anónimos, com cartão de militante, que escrevem nessas páginas acusam os jornais das “mais rebuscadas teorias da conspiração”. Nada de novo portanto.

    Bernardo Ferrão

  • "A verdadeira questão são as imagens com que abrimos o Jornal, é um país que está a arder"
    2:52

    Opinião

    A polémica em torno do número de vítimas da tragédia de Pedrógão Grande esteve em análise no Jornal da Noite. Miguel Sousa Tavares diz não compreender "que se faça disto uma questão política" e reitera que o foco deve centrar-se nas imagens de "um país que está a arder". O comentador SIC afirma ainda que "64 mortos num incêndio é um escândalo, um número absurdo".

    Miguel Sousa Tavares

  • "Hoje vi chover lume"
    3:57
  • Quase mil bombeiros combatem chamas na Sertã
    1:37

    País

    O incêndio que deflagrou no domingo, na Sertã, concelho de Castelo Branco, ainda não foi extinto. Perto de mil homens combatem as chamas no terreno, apoiados por 10 meios aéreos. O fogo tem frentes em Mação e Proença-a-Nova.

  • Proteção Civil acusada de gestão errática no incêndio de Mação
    1:26

    País

    O comandante dos Bombeiros de Constância e o vice-Presidente da Liga dos Bombeiros acusam a Proteção Civil de desviar meios do fogo de Mação, em Santarém, que eram essenciais para travar o incêndio. As chamas desceram da Sertã e acabaram por queimar uma casa de habitação.

  • Milhares de clientes da CGD vão pagar quase 5€/ mês por comissões de conta
    1:24
  • O apelo da adolescente arrependida de ir lutar pelo Daesh

    Daesh

    Uma adolescente alemã que desapareceu da casa dos pais, no estado da Saxónia, esteve entre os vários militantes do Daesh detidos este fim de semana na cidade iraquiana de Mossul. Arrependida do rumo que deu à sua vida, deixou um apelo emocionado em que expressa, repetidamente, a vontade de "fugir" e voltar para casa.

    SIC

  • Bebé Charlie Grad já não vai receber tratamento nos EUA

    Mundo

    A mãe de Charlie Grad disse esta segunda-feira que o bebé poderia ter vivido uma vida normal, caso tivesse começado a receber tratamento cedo. Já o pai admitiu que o filho não iria viver até ao primeiro aniversário. O bebé foi diagnosticado com uma doença rara e um hospital em Inglaterra pediu permissão para desligar a ventilação artificial e fornecer-lhe cuidados paliativos. O Tribunal Europeu dos Direitos Humanos aceitou e, até hoje, os pais travaram uma batalha na Justiça para suspender a decisão na esperança de irem tratar o filho nos Estados Unidos da América.