sicnot

Perfil

Cultura

Casa da Música celebra dez anos com visitas, ensaios e "workshops" grátis

A Casa da Música, no Porto, celebra dez anos de existência dando ao público a possibilidade de visitar gratuitamente as instalações, assistir aos ensaios dos concertos e participar em `workshops´, disse hoje o diretor artístico. 

ASSOCIATED PRESS

Entre 9 e 12 de abril, sob o mote "Venham Mais Dez", a Casa da Música proporciona vários concertos fora e dentro das suas instalações com, essencialmente, o seu Serviço Educativo e os Agrupamentos Residentes, nomeadamente a Orquestra Sinfónica do Porto, Remix Ensemble, Orquestra Barroca e Coro, afirmou António Jorge Pacheco. 

Ao longo destes dez anos, a Casa da Música recebeu 4.538.180 visitantes, organizou 408.860 visitas guiadas, acolheu 2.083.065 espetadores e participantes, realizou 2.358 concertos e fez 13.330 atividades culturais. 

"As pessoas poderão inscrever-se numa visita guiada ou deambular pelo edifício livremente, assistir aos ensaios dos concertos e visualizar um filme institucional e exposições sobre os dez anos da Casa da Música com uma seleção de imagens", explicou.

As comemorações começam dia 09 de abril, mas a música só se fará ouvir dia 10 com um concerto de órgão nos Clérigos e terminará dia 12 com a Orquestra Jazz de Matosinhos com Kurt Rosenwinkel. 

António Jorge Pacheco explicou que estas celebrações querem "ilustrar os elementos mais distintivos" da Casa da Música que está aberta a todos os géneros musicais. 

Segundo o diretor artístico, nos últimos anos, devido aos constrangimentos económicos, nomeadamente aos 30% de corte das transferências do Estado, a Casa da Música teve de se adaptar e encontrar novas formas de interação com promotores.

"Os cortes orçamentais obrigaram-nos a sacrificar a programação, a internacionalização e a equipa", frisou o presidente do Conselho de Administração José Manuel Dias da Fonseca. 

Esta situação obrigou a casa a um reforço de criatividade "muito grande" e a fazer mais parcerias com entidades externas, mas isto é um processo de transição para uma nova etapa no futuro, considerou. 

"Esperamos que num quadro mais favorável, tanto para o Estado como para o setor privado, seja possível recuperar níveis de programação mais ambiciosa", salientou José Manuel Dias da Fonseca. 

Apesar disso, o presidente do Conselho de Administração realçou que a casa manteve um "nível de qualidade muito alto" porque tem "grande potencial" e tem sabido "aplicar bem" o dinheiro proveniente do Estado, mecenas, empresas privadas e público. 

"Para os próximos dez anos é importante continuar este projeto, manter este clima de sustentabilidade, fazer crescer equipas e equipamentos residentes, reforçar a capacidade de internacionalização e continuar a integração na cidade e no país", entendeu.

No mês de maio, a Casa da Música dedica a sua programação à primavera e aos 102 anos da pianista Helena Sá e Costa.

Em junho, homenageia-se Bernardo Sassetti, festeja-se a noite de São João e o Dia Mundial da Criança. 

Lusa
  • PJ faz buscas no Benfica sobre o caso dos emails

    Desporto

    A Polícia Judiciária está a fazer buscas em instações no Benfica devido ao caso dos emails divulgado pelo diretor de comunicação do FC Porto, Francisco J. Marques. Contactado pela SIC, o clube da Luz disse primeiro desconhecer a ação, mas mais tarde confirmou a presença da PJ.

    Em atualização

  • Governo prepara pacote de medidas para matas ardidas

    País

    O Governo vai preparar um pacote de medidas para as matas nacionais afetadas pelos incêndios, que passa pela elaboração de um relatório de ocorrências, por um programa de intervenção e pela aplicação da receita da madeira nessas matas.

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • Acabou o estado de graça

    Sá Carneiro dizia que qualquer Governo tem direito a um estado de graça de 100 dias. E que, depois disso, já não tem margem para deitar culpas ao Governo anterior. O discurso de Marcelo, no terreno, junto das vítimas, e não na torre de marfim de Belém, marca o tal "novo ciclo" que o Presidente há muito tinha anunciado, com data marcada: depois das autárquicas.

    Pedro Cruz

  • "O primeiro-ministro falhou em toda a linha"
    4:36

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares não acredita que a ministra da Administração Interna se despediu: "ela foi demitida pela Presidente ontem à noite publicamente". No Jornal da Noite, esta quarta-feira, o comentador da SIC declarou que o primeiro-ministro "falhou em toda a linha" e questionou se António Costa tinha a "coragem política de fazer o que é preciso". Sobre os incêndios, Miguel Sousa Tavares disse ainda que o maior problema não era haver reacendimentos, mas sim "não serem logo apagados e propagarem-se".

    Miguel Sousa Tavares

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07
  • Leiria perdeu 80% do Pinhal nos incêndios
    1:51
  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51
  • "O povo exige um novo ciclo"
    1:10

    Tragédia em Pedrógão Grande

    A Associação de Vítimas do Incêndio de Pedrógão Grande exige que o primeiro-ministro faça um pedido de desculpas público às famílias das vítimas dos incêndios. A Presidente da Associação pede ainda a demissão do comando da Autoridade Nacional de Proteção Civil. Após a reunião desta quarta-feira com António Costa, Nádia Piazza anunciou que o Governo assume as mortes de junho passado e chegou a acordo com os familiares das vítimas.

  • Há um novo livro de Astérix

    Astérix

    Dois anos depois do último álbum, chega hoje às livrarias a 37ª aventura de Astérix. Em "Astérix e a Transitálica", os gauleses rumam à Península Itálica.