sicnot

Perfil

Cultura

Vhils expõe trabalhos novos na galeria Lazarides em Londres

O artista português Alexandre Farto, conhecido por Vhils, vai expor trabalhos novos na galeria Lazarides, em Londres, que representa alguns dos artistas mais conhecidos de arte urbana, nomeadamente o britânico Banksy ou o francês Invader. 

© Rafael Marchante / Reuters

A exposição, intitulada "Dissonance" [Dissonância], abre na sexta-feira e ficará patente até 23 de abril no espaço onde o português expôs previamente, em 2009 e 2012

Segundo o artista, o corpo de trabalho presente é novo, mas é também o resultado daquele que desenvolveu para as duas últimas exposições individuais - "Dissecção", realizada no Museu da Electricidade-Fundação EDP, em Lisboa, e  "Vestiges", na Galerie Magda Danysz, em Paris - e o culminar de um processo iniciado com o trabalho exibido na galeria londrina em 2012.

"Esta linha de trabalho tem explorado as noções de crescente saturação e diluição de identidades individuais nas sociedades urbanas contemporâneas, reflectindo a uniformidade e abstracção ocasionada pelo corrente modelo de desenvolvimento globalizado. Fala-nos do modo como os indivíduos estão a ser moldados em personalidades cada vez mais abstractas pela força esmagadora da cidade e os seus estímulos visuais, perdendo-se na 'dissonância' que resulta do caos engendrado pela tecnologia, comunicação visual e os media, pelo espaço público e o desenvolvimento urbano", disse.

Acrescentou ainda ser "uma reflexão sobre o modo como todas estas camadas diferentes que compõem o mundo urbanizado contemporâneo estão a moldar-nos naquilo que somos: identidades pessoais que se tornam cada vez mais abstractas, perdidas no ruído visual e na desordem que nos rodeia".

A "ideia de desmembramento e dissecção" , descreveu, inspiraram o conjunto de novas obras que estarão em exposição, refletida na estratificação dos suportes utilizados, nomeadamente o metal, a madeira, os aglomerados de cartazes de papel e os dioramas de esferovite.

Alexandre Farto começou por pintar paredes com "graffiti" aos 13 anos, na região de Lisboa, onde cresceu, mas é conhecido pela criação de uma técnica que consiste em criar imagens, em paredes ou murais, através da remoção de camadas de materiais, criando uma imagem em negativo.

Frequentou um curso na universidade Central Saint Martins College of Arts and Design, em Londres, cidade onde fez trabalhos, bem como em Xangai, Paris, Rio de Janeiro, Moscovo, Medellín e Cali, na Colômbia, Nova Iorque e Los Angeles, Grottaglie, no sul da Itália, além de Lisboa, Porto e Aveiro.

Em 2012, o diretor da londrina Lazarides, Ralph Taylor, elogiou a "sofisticação nas obras atuais, que não estava lá nas primeiras" de Vhils, e afirmou que o português era "o artista mais trabalhador" que conheceu.

Lusa
  • Coreia do Norte lança novo míssil balístico

    Mundo

    O Pentágono detetou esta sexta-feira mais um lançamento de um míssil balístico por parte da Coreia do Norte. O primeiro-ministro japonês já confirmou o lançamento, que terá atingido a zona económica exclusiva, no Mar do Japão.

  • Menino perdido na Praia da Luz foi levado à GNR por turista
    1:11

    País

    Um menino inglês, de sete anos, esteve desaparecido na quinta-feira na Praia da Luz, no Algarve, depois de se ter perdido dos pais. A GNR colocou duas equipas de investigação no local, mas ao fim de uma hora e meia o rapaz apareceu na esquadra de Lagos acompanhado por um turista a quem terá pedido ajuda.

  • Mais viagens mas menos turistas de Portugal
    1:22

    País

    Os residentes em Portugal - sejam portugueses ou estrangeiros - realizaram quatro milhões de viagens turísticas, só no primeiro trimestre do ano. Um aumento de mais de 6% nas viagens dentro do país face ao período homólogo e de mais de 15% nas viagens para fora, de avião. O estudo é do INE, o Instituto Nacional de Estatística, que permite fazer o retrato mais claro de quem viaja e porquê.

  • Algarve sozinho gera metade dos bens transacionáveis em Portugal
    4:14

    SIC 25 Anos

    O Algarve quase não tem indústria e os especialistas consideram que é excessivamente dependente do turismo. Ainda assim, sozinho contribui com metade do que Portugal gera em bens transacionáveis. A região tem problemas graves, como a falta de médicos e um custo de vida muito alto, mas continua a atrair a maior parte dos turistas e muitos estrangeiros decidem mesmo escolher a região para viver.