sicnot

Perfil

Cultura

Vhils expõe trabalhos novos na galeria Lazarides em Londres

O artista português Alexandre Farto, conhecido por Vhils, vai expor trabalhos novos na galeria Lazarides, em Londres, que representa alguns dos artistas mais conhecidos de arte urbana, nomeadamente o britânico Banksy ou o francês Invader. 

© Rafael Marchante / Reuters

A exposição, intitulada "Dissonance" [Dissonância], abre na sexta-feira e ficará patente até 23 de abril no espaço onde o português expôs previamente, em 2009 e 2012

Segundo o artista, o corpo de trabalho presente é novo, mas é também o resultado daquele que desenvolveu para as duas últimas exposições individuais - "Dissecção", realizada no Museu da Electricidade-Fundação EDP, em Lisboa, e  "Vestiges", na Galerie Magda Danysz, em Paris - e o culminar de um processo iniciado com o trabalho exibido na galeria londrina em 2012.

"Esta linha de trabalho tem explorado as noções de crescente saturação e diluição de identidades individuais nas sociedades urbanas contemporâneas, reflectindo a uniformidade e abstracção ocasionada pelo corrente modelo de desenvolvimento globalizado. Fala-nos do modo como os indivíduos estão a ser moldados em personalidades cada vez mais abstractas pela força esmagadora da cidade e os seus estímulos visuais, perdendo-se na 'dissonância' que resulta do caos engendrado pela tecnologia, comunicação visual e os media, pelo espaço público e o desenvolvimento urbano", disse.

Acrescentou ainda ser "uma reflexão sobre o modo como todas estas camadas diferentes que compõem o mundo urbanizado contemporâneo estão a moldar-nos naquilo que somos: identidades pessoais que se tornam cada vez mais abstractas, perdidas no ruído visual e na desordem que nos rodeia".

A "ideia de desmembramento e dissecção" , descreveu, inspiraram o conjunto de novas obras que estarão em exposição, refletida na estratificação dos suportes utilizados, nomeadamente o metal, a madeira, os aglomerados de cartazes de papel e os dioramas de esferovite.

Alexandre Farto começou por pintar paredes com "graffiti" aos 13 anos, na região de Lisboa, onde cresceu, mas é conhecido pela criação de uma técnica que consiste em criar imagens, em paredes ou murais, através da remoção de camadas de materiais, criando uma imagem em negativo.

Frequentou um curso na universidade Central Saint Martins College of Arts and Design, em Londres, cidade onde fez trabalhos, bem como em Xangai, Paris, Rio de Janeiro, Moscovo, Medellín e Cali, na Colômbia, Nova Iorque e Los Angeles, Grottaglie, no sul da Itália, além de Lisboa, Porto e Aveiro.

Em 2012, o diretor da londrina Lazarides, Ralph Taylor, elogiou a "sofisticação nas obras atuais, que não estava lá nas primeiras" de Vhils, e afirmou que o português era "o artista mais trabalhador" que conheceu.

Lusa
  • Marcelo e Costa unidos contra contagem do tempo integral de serviço
    2:45

    País

    Em menos de 24 horas, o Presidente da República e o primeiro-ministro deram publicamente sinais de que estão unidos contra a contagem de todo o tempo de serviço de professores e outros agentes do Estado para efeitos salariais. Marcelo Rebelo de Sousa e António Costa disseram que essa possibilidade é uma ilusão e que o país não tem condições para voltar aos níveis anteriores à crise.

  • Estudante português desaparecido no mar Báltico

    País

    Um jovem português de 21 anos desapareceu na segunda-feira, dia 13 de novembro, enquanto fazia uma viagem de cruzeiro entre a cidade finlandesa de Helsínquia e a capital da Suécia, Estocolmo. As autoridades locais fizeram buscas na madrugada em que Diogo Penalva caiu ao mar Báltico, por volta das duas da manhã.

  • Paris inaugura primeiro restaurante naturista

    Mundo

    Para entrar, é preciso retirar a roupa e apenas as mulheres podem permanecer calçadas. O primeiro restaurante naturista de Paris abriu em novembro para responder a uma necessidade em França, principal destino do mundo para os praticantes de nudismo.

  • Político indiano oferece 1,3 milhões por decapitação de atriz

    Mundo

    Deepika Padukone é uma das personagens principais do filme que retrata a relação entre uma rainha hindu e um governante muçulmano. O filme enfureceu um político do Governo indiano, que ofereceu 1,3 milhões de euros como recompensa a quem decapitasse a atriz. A polícia já destacou agentes para proteger a atriz, bem como a sua família.