sicnot

Perfil

Cultura

Reencontro com o mestre Rossellini

CARTAZ CINEMA

Reencontro com o mestre Rossellini

O cinema do mestre italiano Roberto Rossellini está de volta, através do lançamento de uma dezena de títulos em cópias restauradas. João Lopes comenta as principais novidades da semana, destacando ainda dois filmes marcados pelo universo do escritor alemão Heinrich von Kleist (1777-1811) e “O País das Maravilhas”, Grande Prémio de Cannes/2014.

O mercado português continua a permitir-nos a redescoberta de alguns grandes autores clássicos, através de cópias novas, digitais e restauradas. Desta vez, são lançados (em Lisboa e Porto) dez filmes de Roberto Rossellini (1906-1977). Desde os títulos emblemáticos do neo-realismo, a começar por “Roma, Cidade Aberta” (1945) até essa singular experiência documental que é “Índia” (1959), podemos rever a obra de um autor que abriu as portas do cinema moderno. Entre os títulos exibidos, constam quatro dos momentos em que Rossellini dirigiu Ingrid Bergman (com quem foi casado no período 1950-57), nomeadamente “Stromboli” (1950) e “Viagem em Itália” (1954).

O universo de Heinrich von Kleist regressa ao cinema através de dois títulos: “A Vingança de Michael Kohlhaas”, do francês Arnaud de Pallières, e “Amor Louco”, da austríaca Jessica Hausner — o primeiro adapta uma das obras mais famosas do escritor, centrada no drama de um homem que luta por recuperar os cavalos que lhe foram roubados; o segundo inspira-se em factos da vida de Heinrich von Kleist, em particular nas condições com que ele próprio preparou a sua morte.

 “Coração de Leão”, de Dome Kaukoski, é um exemplo raro da produção cinematográfica finlandesa — nele se faz o retrato íntimo de um homem que pertence a um grupo neo-nazi e, em particular, da sua relação com uma mulher que tem um filho negro.

 A dupla francesa Olivier Nakache/Eric Toledano teve um grande sucesso com “Amigos Improváveis” (2011). O seu novo filme, “Samba”, marca o reencontro com o actor Omar Sy, desta vez a interpretar um senegalês que tenta sobreviver em França, contornando a sua situação de imigrante ilegal.

 Para além de Rossellini, o cinema italiano está também presente através de “O País das Maravilhas”, retrato íntimo, amargo e doce, da vida de uma família que tenta resistir à crise e preservar a sua propriedade rural — assinado por Alice Rohrwacher, o filme recebeu o Grande Prémio do Festival de Cannes de 2014.

 

* Banda sonora: “O Conto do Vigário” (1955), de Federico Fellini

> “L’Ultimo Bidone”, Nino Rota

  • A morte das sondagens foi ligeiramente exagerada

    Um atentado sem efeitos eleitorais, sondagens que acertaram em praticamente tudo, inexistência do chamado eleitorado envergonhado. E um candidato que se situa no centro político com fortíssimas hipóteses de vencer a segunda volta. As presidenciais francesas tiveram uma chuva de acontecimentos anormais, mas acabam por ser um choque de normalidade. Pelo menos até agora...

    Ricardo Costa

  • "O FC Porto não merece ser campeão"
    2:23
    Play-Off

    Play-Off

    DOMINGO 22:00

    O empate do FC Porto com o Feirense foi o principal assunto do Play-Off da SIC Notícias, este domingo. Rodolfo Reis mostrou-se insatisfeito com a atitude dos jogadores do FC Porto.

  • Défice recua em 2016 na zona euro e na UE

    Economia

    O défice e a dívida baixaram na zona euro e na União Europeia (UE) em 2016 face a 2015, tendo Portugal registado a terceira maior dívida (130,4%) entre os Estados-membros e um défice de 2%, segundo o Eurostat.

  • Incêndio na Amadora deixa 12 pessoas desalojadas
    1:59

    País

    Um incêndio destruiu este domingo a cobertura de um prédio de habitação na Buraca, no concelho da Amadora. Doze pessoas ficaram desalojadas, mas ninguém ficou ferido. Os bombeiros dominaram o fogo em cerca de uma hora, os moradores queixam-se da falta de eficácia no combate às chamas.

  • Uma volta a Portugal. De bicicleta mas sem licra

    País

    Um grupo de professores propõe-se a repetir o percurso da 1.ª Volta a Portugal em Bicicleta, 90 anos depois. Não se trata de uma corrida, pelo contrário querem provar que qualquer um o pode fazer e promover o uso da bicicleta como meio de transporte pessoal. “Dar a volta” parte para a estrada esta quarta-feira, de Lisboa a Setúbal, tal como em 26 de abril de 1927.

    Ricardo Rosa