sicnot

Perfil

Cultura

Casa Fernando Pessoa e Fundação José Saramago juntam-se para promoção da leitura

A Casa Fernando Pessoa e a Fundação José Saramago, ambas em Lisboa, anunciaram hoje que vão trabalhar em programação conjunta, para estimular "o prazer da leitura" e divulgar "dois nomes maiores da cultura portuguesa".

josesaramago.org

josesaramago.org

Os dois organismos assinaram um acordo de parceria, válido por um ano, para desenvolver atividades em torno da obra de Fernando Pessoa e de José Saramago. Em breve deverá ser aplicado um bilhete de desconto mútuo para quem visitar os dois espaços culturais.

A Casa Fernando Pessoa abriu em 1993, em Campo de Ourique, na casa onde o poeta de "A mensagem" viveu os últimos 15 anos de vida, e a Fundação José Saramago funciona na Casa dos Bicos, junto ao Tejo, desde 2012. 

Apesar de terem programação cultural própria, as duas estruturas já tinham colaborado esporadicamente no passado, sublinhando agora a intenção de reforçar a parceria.

Em novembro passado, o programa "Os dias do Desassossego", da Casa Fernando Pessoa, contou com uma parceria com a fundação. Mais recentemente colaboraram no ciclo de leitura de contos "Sem casas não haveria ruas", com a editora BOCA.

Em fevereiro, este ciclo decorreu na Casa Fernando Pessoa, em torno da obra de Nuno Bragança. Este mês acontece na Fundação José Saramago, com o contador de histórias Carlos Marques.

Em comunicado conjunto, o diretor da Fundação José Saramago, Sérgio Machado Letria, afirma que este acordo de promoção das obras dos dois autores portugueses tem em atenção o "crescimento do turismo em Lisboa".

A diretora da Casa Fernando Pessoa, Clara Riso, fala numa futura "programação articulada e dialogante" que estimule "o interesse e o contacto dos leitores, com dois grandes escritores que são de Lisboa e do mundo".


Lusa
  • "Às vezes o senhor primeiro-ministro irrita-me um bocadinho"
    2:05

    País

    O Presidente da República disse esta quinta-feira de manhã que António Costa é "irritantemente otimista" por teimar em "ver violeta-rosa onde há roxo". Marcelo Rebelo de Sousa recordou ainda Mário Soares numa aula no Colégio Moderno, em Lisboa.

  • Montenegro nunca será candidato contra Passos
    0:50
  • Cientistas testam útero artificial em cordeiros prematuros

    Mundo

    Um grupo de cientistas desenvolveu um útero artificial - o Biobag - que se assemelha a uma bolsa de plástico e que ajuda no desenvolvimento de cordeiros prematuros. O método foi testado nestes animais mas os cientistas do Hospital Pediátrico de Filadélfia, nos Estados Unidos, garantem que poderá vir a ser utilizado também em bebés que nascem prematuros.

  • Exame ao sangue descobre cancro um ano antes do reaparecimento

    Mundo

    Uma equipa de investigadores britânicos descobriu uma maneira de identificar o regresso do cancro, com um ano de antecedência. Através de um exame ao sangue, a equipa conseguiu identificar os primeiros sinais da doença, uma série de células invisíveis ao raio-X e à TAC. A descoberta pode vir a permitir tratar o cancro mais cedo e, como resultado, poderá aumentar as chances de o curar.

  • Casados há 69 anos, morrem de mãos dadas com 40 minutos de diferença

    Mundo

    Isaac Vatkin, de 91 anos, morreu cerca de 40 minutos depois de Teresa, de 89 anos, no passado sábado no Highland Park Hospital, no estado norte-americano Ilinóis. "Não queríamos que fossem embora, mas não podíamos pedir que partíssem de melhor maneira", afirmou o neto William Vatkin. O casal morreu no hospital poucos dias depois de celebrarem 69 anos de casados.

  • Trump cria linha de apoio a vítimas de "extraterrestres criminosos"

    Mundo

    Quando o Governo norte-americano usa o termo "extraterrestre criminoso", refere-se a alguém que não é cidadão dos Estados Unidos da América e que foi condenado por um crime. Quando a mesma expressão é usada pelos utilizadores do Twitter, o significado é completamente diferente. Os internautas pensam na série Ficheiros Secretos e em discos voadores. Por isso, o lançamento de uma linha telefónica, por parte da Casa Branca, para as vítimas de "extraterrestres criminosos" só podia dar em confusão.