sicnot

Perfil

Cultura

Roger Hodgson, cofundador dos Supertramp, anuncia próxima digressão mundial

O músico inglês Roger Hodgson, cofundador da banda Supertramp, anunciou esta terça feira a sua digressão mundial, "Breakfest in America", que passa por mais de 50 palcos, entre junho e dezembro, abrindo em Weinheim, na Alemanha.

Berenice Bautista

O músico só deve tocar em Portugal em 2016, mas, este ano, tem cinco atuações agendadas em Espanha: no dia 7 de julho, em Valência, no dia seguinte, em Múrcia, e, em agosto, no dia 4, na ilha de Maiorca, no dia 6 em Marbelha e, no dia 8, em Peralada.

Hodgson abre a digressão no dia 19 de junho, em Weinheim, no dia seguinte toca em Hinwi, na Suíça, e, no dia 21, em Clam, na Áustria.

Ainda em junho, o músico tem atuações previstas em Munique, na Alemanha, em Steinkje, na Noruega, e em Nantes, em França. No dia 1 de julho, Roger Hodgson toca em Paris, um concerto, que segundo a produtora está já "esgotado".

Este não é aliás, o único concerto antecipadamente esgotado, o que se realiza em Amesterdão, no dia 2 de setembro, está também esgotado.

Hodgson fez parte dos Supertramp, de 1969 até 1983, quando decidiu abandonar a banda, que se tornou conhecida com canções como "Give a litle bit", "The logical song", "Breakfast in America" e "It's raining again", tendo vendido mais de 60 milhões de álbuns.

O álbum "In the eye of the storm" deu início à sua carreira a solo, e incluiu canções como "Had a Dream (Sleeping with the Enemy)" e "In Jeopardy". Hodgson apresentou-se neste trabalho como multi-instrumentista, - tocou todos os instrumentos - compôs e escreveu todas as canções e produziu o álbum.

Em 1987, editou o segundo álbum, "Hai Hai", tendo ficado posteriormente ferido num acidente doméstico e voltado aos estúdios de gravação em 1997, com o álbum "Rites of passage" e, no ano seguinte, fez a sua primeira digressão mundial a solo, sendo acompanhado por uma banda que inclui o saxofonista dos Supertramp, John Helliwell,

Seguiram-se os álbuns "Excalibur: La legende des celtes" (1999) e "Open the door" (2000), e encetou várias colaborações, nomeadamente com Carlos Núñez, Trevor Rabin e Ringo Starr.

O músico tem atuado em vários festivais e, em 2006, foi homenageado pela sociedade norte-americana de Compositores, Autores e Editores, pela autoria da música "Give a little bit", uma das canções mais tocadas do acervo daquela sociedade.

Da digressão, hoje anunciada, entre outras datas, refira-se ainda a atuação em julho, em Heerlen, na Holanda, no dia 11, um dia antes da apresentação em Oxfordshire, no Reino Unido, e, no dia 15, em Veszprén, na Hungria.

Em agosto, o músico abre a série de concertos em Carcassone, em França, no dia 1, e atua ainda, entre outras cidades, em Merkers, na Alemanha, no dia 29, e em Hemer, também na Alemanha, no dia seguinte.

Em setembro, além do concerto na capital holandesa, Hogdosn atua nas cidades alemãs de Colónia e Berlim.

Em novembro desloca-se ao Canadá, onde permanecerá até dezembro, com atuações, entre outras cidades, em Calgary, Montreal, Quebeque, Halifax e Vancouver

Para 2016, além de Portugal, "com data a anunciar", o músico tem já agendadas, em abril, atuações em Amesterdão e em Londres.

Lusa

  • Debate quinzenal com o primeiro-ministro

    País

    A situação económica e financeira foi o tema escolhido pelo Governo, mas a polémica da descida da Taxa Social Única dominará certamente a discussão na Assembleia da República. Veja aqui em direto e participe no Minuto a Minuto Parlamento Global/SIC.

    Direto

  • MIT quer humanos a ajudar máquinas a decidir (quem morre)

    Mundo

    A "Máquina Moral" é uma plataforma online que recolhe a perspetiva humana em decisões que terão de ser tomadas por uma máquina. Por exemplo, quando um carro sem condutor se depara com o dilema do mal menor: em quem acertar - para evitar outros - num acidente de viação.

  • Daesh transforma drones em bombardeiros 

    Daesh

    As estratégias de combate do Daesh têm vindo a sofrer alterações, bem como a capacidade das forças militares iraquianas para confrontar e derrotar o inimigo. De acordo com o responsável do Exército dos EUA Brett Sylvia, comandante militar no Iraque, a tática mais recente desenvolvida pelo Daesh consiste em usar drones de uso comercial em pequenos bombardeiros, capazes de transportar e lançar granadas.