sicnot

Perfil

Cultura

"O papiro de César", nova BD com Astérix e Obélix, sai em outubro

O novo álbum de banda desenhada da série protagonizada pelos gauleses Astérix e Obélix chama-se "O papiro de César" e sairá a 22 de outubro em simultâneo em vários países, incluindo Portugal, foi hoje anunciado.

"Astérix chez les Pictes" será o 35º álbum, o primeiro escrito e desenhado por novos autores / Reuters

"Astérix chez les Pictes" será o 35º álbum, o primeiro escrito e desenhado por novos autores / Reuters

© Yves Herman / Reuters

O título, anunciado esta terça feira na Feira do Livro Infantil de Bolonha, Itália, é o 36º volume de uma série de sucesso internacional criada por René Goscinny e Albert Uderzo, mas a história e o desenho da nova história são de Jean-Yves Ferri e Didier Conrad, respetivamente.

A dupla de autores é a mesma que em 2013 assinou o volume anterior, "Astérix entre os Pictos", o primeiro no qual Uderzo não participou e em que as personagens - os irredutíveis gauleses - rumam à Escócia.

De acordo com a editora Éditions Albert René, Jean-Yves Ferri e Didier Conrad "respeitaram todas as tradições de Astérix estabelecidas pelos seus criadores", numa história "complexa e palpitante", que se passa em terra de gauleses, remete para a atualidade, na qual não faltam novas personagens, lutas e, claro, a poção mágica.

No anúncio feito em Bolonha, onde decorre a mais importante feira de negócios do livro para crianças e jovens, participaram ainda, por videoconferência a partir de Paris, Albert Uderzo e Anne Goscinny, filha de René Goscinny. 

Uderzo e Goscinny revelaram Astérix na revista Pilote em 1959. Astérix é um pequeno gaulês de bigode farfalhudo que tem como grande amigo Obélix, personagem desajeitada e com uma força desmesurada, que carrega menires e adora comer javalis.

Ambos são habitantes de uma invencível aldeia que teimosamente resiste às investidas militares dos romanos por conta de uma famosa poção mágica inventada pelo druida Panoramix.

O primeiro livro, "Astérix, o gaulês", só saiu em 1961, dando início a uma das mais bem sucedidas séries de banda desenhada, com mais de 350 milhões de livros vendidos em todo o mundo e traduzidos para mais de uma centena de idiomas, incluindo o português e o mirandês.

A parceria entre Uderzo e Goscinny terminou em 1977 com a morte do argumentista, mas o nome de ambos foi sempre mantido na assinatura das histórias.

Albert Uderzo, de 87 anos, retirou-se da série em 2011 alegando cansaço.     

De acordo com a Éditions Albert René, "Astérix entre os Pictos" vendeu cerca de 5,4 milhões de exemplares em todo o mundo.

Lusa

  • Marcelo Rebelo de Sousa avisou que depois das autárquicas viria um novo ciclo. A lógica levou-nos a assumir que estava a falar do PSD, mas hoje, olhando para a situação política, devemos também incluir nessa previsão a “geringonça” e os seus equilíbrios. Não acredito que as coisas mudem até às legislativas, mas as contas só se fazem depois dos votos das autárquicas. Até lá, o tom de voz das esquerdas vai engrossar.

    Bernardo Ferrão

  • Milhares na cidade da justiça de Barcelona
    1:44
  • Detido 5º suspeito do atentado de Barcelona

    Mundo

    As autoridades espanholas detiveram hoje na região de Valência um cidadão marroquino de 24 anos, residente em Espanha, por alegada colaboração com o grupo islâmico responsável "pelos atentados terroristas" em Barcelona, em agosto.

  • A corrida ao iPhone 8 no Japão, China e Austrália
    2:04
  • Presidente das Filipinas pede que matem o filho se estiver envolvido nas drogas

    Mundo

    O Presidente das Filipinas pediu que matassem o seu filho se as acusações de que traficava droga fossem provadas. Rodrigo Duterte destacou ainda que, caso fosse verdade, iria proteger as autoridades que executassem Paolo Duterte. Em causa está a acusação de que o filho do Presidente filipino faria parte da máfia chinesa, que contrabandeia drogas, vindas da China para dentro do país.

    SIC

  • Espanhola tenta provar há sete anos que está viva

    Mundo

    Uma mulher de 53 anos está há sete anos a tentar provar que está viva. Segundo o Estado espanhol, Juana Escudero Lezcano morreu a 13 de maio de 2010, mas na realidade quem morreu foi uma mulher com o mesmo nome e data de nascimento.

    SIC