sicnot

Perfil

Cultura

Artistas Unidos estreiam "Doce pássaro da juventude" de Tennessee Williams

Os Artistas Unidos levam à cena "Doce pássaro da juventude", de Tennessee Williams, com encenação de Jorge Silva Melo, no Teatro S. Luiz, em Lisboa, a partir de quinta-feira.

Esta é a segunda vez que Jorge Silva Melo encena um texto de Tennessee Williams (1911-1983). A primeira vez foi no ano passado, "Gata em telhado de zinco quente", com o mesmo grupo de atores, e projeta encenar "A noite da iguana", em 2017. (Arquivo)

Esta é a segunda vez que Jorge Silva Melo encena um texto de Tennessee Williams (1911-1983). A primeira vez foi no ano passado, "Gata em telhado de zinco quente", com o mesmo grupo de atores, e projeta encenar "A noite da iguana", em 2017. (Arquivo)

© Herwig Prammer / Reuters

"Esta peça - disse Silva Melo à Lusa - é sobre como o tempo e a sexualidade vão destruindo as relações e a pureza da juventude".

Tal como noutras peças do dramaturgo norte-americano, também em "Doce pássaro da juventude" está patente "aquela que é uma das suas grandes preocupações: o tempo inexorável, que passa por cima de todos nós", assinalou Silva Melo.

Esta é a segunda vez que Jorge Silva Melo encena um texto de Tennessee Williams (1911-1983). A primeira vez foi no ano passado, "Gata em telhado de zinco quente", com o mesmo grupo de atores, e projeta encenar "A noite da iguana", em 2017.

O elenco é constituído por Maria João Luís, Rúben Gomes, Américo Silva, Catarina Wallenstein, Isabel Muñoz Cardoso, Mauro Hermínio, Nuno Pardal, Pedro Carraca, Pedro Gabriel Marques, Rui Rebelo, Simon Frankel, Tiago Matias, Vânia Rodrigues, Eugeniu Ilco, Alexandra Pato, André Loubet, Francisco Lobo Faria, João Estima, Mia Tomé, Tiago Filipe e a participação de João Vaz.

A tradução é de José Agostinho Batista, a cenografia e figurinos, de Rita Lopes Alves, e a peça deverá também ser levada à cena no Porto, adiantou Silva Melo.

O pano de fundo da peça, que decorre no sul dos Estados Unidos, "xenófobo, racista e capitalista", é "uma sórdida manobra política".

"Uma actriz enfrenta o desastre de uma vida, longe dos doces anos da sua juventude, e Chance Wayne, papel desempenhado por Ruben Gomes, que regressa à terra de onde partiu há anos à conquista do mundo, desta vez vem à procura da namorada que deixou anos antes, e envolve-se entretanto com atriz Alessandra del Lago, papel desempenhado por Maria João Luís", explicou.

"O tempo é de Páscoa, mas não haverá ressurreição, mas todos procuram voltar a um passado que imaginaram feliz", acrescentou Silva Melo. 

"A intriga sentimental entre a atriz, o jovem Wayne e toda a cidade é uma intriga com fortes conotações políticas", disse o encenador à Lusa, tendo referido que Tenessee Williams "se mostrava muito inquieto sobre o sentido desta peça, daí ter refeito tantas vezes o segundo ato".

Silva Melo afirmou que é uma "peça muito desequilibrada, com um longuíssimo primeiro ato, de quase uma hora, só com duas personagens, um segundo, curto, com 19 personagens e um terceiro curtíssimo, em que voltam as duas primeiras personagens, Alexandra del Lago e o jovem Wayne", disse.

Silva Melo afirmou que Tennessee Williams "chumbaria hoje nos atuais cursos de escrita criativa, pois comete todos os erros que são atribuídos agora pela máquina industrial de escrever e, no entanto, o espetador fica preso. É impressionante a maneira que ele tem de agarrar pelo segredo, pelo inconfessado, o espetador - é um mestre nisso".

O encenador referiu-se ao dramaturgo norte-americano como "um gigante do século XX, não tanto pela perceção formal ou de propostas cénicas, mas de sensibilidade".

"Todos os seus textos tremem, estremecem, têm segredos, são recônditos, e permitem aos atores trabalhos absolutamente, notáveis, e foi isso que me atraiu, e procurei dar aos atores papéis cheios de riqueza, 'nuances', de contradições", afirmou.
Lusa
  • Drone inglês evita execução do Daesh na Síria
    2:08

    Mundo

    A Força Aérea britânica divulgou esta terça-feira um vídeo que mostra um drone a parar uma execução pública que estaria prestes a acontecer às mãos do Daesh, na Síria. As imagens, apesar de cortadas pelo Ministério da Defesa do Reino Unido, mostram várias pessoas na rua, uma explosão e, depois, a fuga.

  • Atrás das Câmaras em Fátima
    2:48
  • Como fazer negócios no mercado dos leilões
    7:15
  • PS quer reconquistar poder em Vila Viçosa
    2:06

    Autárquicas 2017

    Ana Catarina Mendes insistiu na ideia de que o PSD escolheu um modo perigoso de fazer campanha, ao insistir nas críticas à lei da imigração. Ana Catarina Mendes, secretária-geral adjunta do PS, esteve esta quarta-feira em campanha no distrito de Évora.

  • Troca de argumentos entre Medina e Cristas marca campanha em Lisboa
    2:34

    Autárquicas 2017

    Esta quarta-feira o dia de campanha em Lisboa ficou marcado por uma troca de argumentos entre Fernando Medina e Assunção Cristas. O atual presidente da Câmara acusa a candidata do CDS de não respeitar os lisboetas por admitir que pode não exercer o cargo de vereadora até ao fim do mandato. Já Assunção Cristas garante que se for eleita cumpre o mandato até ao fim.

  • "Não toleramos ameaças de ninguém"
    2:13
  • Número de tartarugas marinhas está a aumentar

    Mundo

    O número de tartarugas marinhas está a crescer, levando investigadores a considerar que os esforços para salvar estes animais são uma "história de sucesso da conservação global", indica um estudo divulgado esta quarta-feira.

  • Tubarões vivem mais tempo do que se pensava

    Mundo

    Uma revisão de dados sobre avaliação da idade dos tubarões revela que muitas espécies têm maior longevidade do que se pensava, o que poderá obrigar a uma revisão dos planos de conservação das mais ameaçadas.

  • Como mudar um templo com 135 anos e 2 mil toneladas... de lugar

    Mundo

    Um templo budista do século XIX é um dos mais populares em Xangai, na China. Visitado diariamente por milhares de pessoas, precisava de ser relocalizado para evitar que uma tragédia acontecesse. E mesmo pesando cerca de duas mil toneladas, a missão acabou por se provar possível.

  • Casal morre com horas de diferença depois de 75 anos de casamento

    Mundo

    George e Jean Spear morreram no passado dia 15 de setembro, no hospital de Queensway Carleton, em Ottawa (Canadá), depois de terem celebrado 75 anos de casamento em agosto. A britânica de 94 anos conheceu o candaniano em 1941, num salão de bailes, em Londres. George Spear servia as Forças Armadas durante a Segunda Guerra Mundial.

    SIC