sicnot

Perfil

Cultura

"Quando foram os anos 80?", ciclo de música, cinema e debate em Lisboa

Sessões de música comentada, uma maratona de programas de televisão, um passeio por Lisboa e um debate ajudam a mapear uma época histórica recente - a década de 1980 -, num ciclo que tem início na sexta-feira, em Lisboa.

whenwerethe1980s.com

"Quando foram os anos 80?" é o que pergunta o Instituto de História Contemporânea, organizador deste ciclo: "Trata-se de abordar um período histórico por via de uma série de iniciativas em que se procura tanto mapear o que neste campo tem vindo a ser feito, quanto abri-lo a estudos futuros".

 

É um tempo em que Aníbal Cavaco Silva foi primeiro-ministro, Portugal aderiu à Comunidade Económica Europeia, caiu o muro de Berlim, deu-se um novo impulso ao rock português - e em português -, Madonna cantava "Like a virgin" e Ana Salazar era sinónimo de vanguarda na moda portuguesa.

 

Os anos 1980 foram há 35 anos e, sendo um tempo recente, "é sempre difícil perceber quando já passou tempo suficiente para começar a fazer a história de um período". Tornam-se "num objeto simultaneamente problemático e desafiante para os historiadores", defende a organização.

 

O MUDE - Museu do Design e da Moda acolherá, nos dias 16 e 17, o colóquio central deste ciclo, que abre com o tema "Cavaquismo e Tatcherismo" e que abordará ainda, por exemplo, a política do livro e da leitura do Círculo de Leitores, a criação da primeira associação portuguesa de defesa dos direitos dos animais, a arquitetura e o urbanismo,

 

Para pensar sobre os anos 1980, sobretudo sobre o que se passou em Portugal, o ciclo contará ainda com uma sessão de música comentada - sobre tendências e movimentos daquela década -, esta sexta-feira, na Galeria Zé dos Bois, com a participação do guitarrista Tó Trips, da cantora Anabela Duarte, do crítico Rui Miguel Abreu e da radialista Ana Ferrão.

 

Haverá uma maratona dedicada às emissões de televisão nos anos 1980, no próximo fim de semana, no espaço Atelier Real (Poço dos Negros). No dia 19, o arquiteto Manuel Graça Dias fará um passeio arquitetónico por Lisboa, passando por alguns espaços emblemáticos que perduram desde os anos 1980.

 

No Museu do Fado é dada uma perspetiva internacional da década, sobretudo do ponto de vista cultural, com a participação da confederação de museus L'Internacionale.

 

O ciclo é uma iniciativa do Instituto de História Contemporânea, da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, da Universidade Nova de Lisboa, com comissão científica de Ana Bigotte Vieira, Érica Faleiro Rodrigues, Giulia Bonali, Luís Trindade, Marcos Cardão e Tiago Monteiro.

 

Toda a programação pode ser consultada em whenwerethe1980s.com.

 

 

Lusa

 

 

  • Cinco mil trabalhadores da PT manifestaram-se em Lisboa
    3:55

    Economia

    Perto de cinco mil trabalhadores da PT manifestaram-se esta sexta-feira, em Lisboa. Os números são avançados pelos sindicatos. Os trabalhadores contestam a transferência de funcionários para empresas parceiras da Altice e outras empresas do grupo, sem as mesmas garantias e direitos. A Altice garante que as transferências são legais mas alguns funcionários já levaram o caso a tribunal.

  • Uma viagem aérea pela Lagoa Negra
    1:02
  • Videovigilância regista impacto de sismo na Grécia

    Mundo

    Um sismo de magnitude 6.7 atingiu na quinta-feira o mar Egeu e causou pelo menos dois mortos e mais de 200 feridos. O momento e o impacto causado pelo abalo foram registados através de uma câmara de videovigilância de um café, na ilha grega de Kos, um dos locais mais afetados.

  • A sátira a Sean Spicer no Saturday Night Live
    1:36

    Mundo

    O estilo de Sean Spicer foi controverso desde o início. A relação conflituosa do ex-assessor da Casa Branca com os jornalistas foi muitas vezes satirizada na comunicação social. Um exemplo é um momento do Saturday Night Live, protagonizado pela atriz Meliissa McCarthy.

  • Músico indiano toca guitarra durante cirurgia ao cérebro

    Mundo

    Abhishek Prasad foi submetido a uma cirurgia ao cérebro esta quinta-feira, num hospital na cidade indiana de Bangalore, após anos e anos a sofrer de dolorosos espasmos nas mãos. O insólito do caso foi que o músico indiano teve de tocar guitarra para ajudar os médicos durante a intervenção cirúrgica.