sicnot

Perfil

Cultura

"Quando foram os anos 80?", ciclo de música, cinema e debate em Lisboa

Sessões de música comentada, uma maratona de programas de televisão, um passeio por Lisboa e um debate ajudam a mapear uma época histórica recente - a década de 1980 -, num ciclo que tem início na sexta-feira, em Lisboa.

whenwerethe1980s.com

"Quando foram os anos 80?" é o que pergunta o Instituto de História Contemporânea, organizador deste ciclo: "Trata-se de abordar um período histórico por via de uma série de iniciativas em que se procura tanto mapear o que neste campo tem vindo a ser feito, quanto abri-lo a estudos futuros".

 

É um tempo em que Aníbal Cavaco Silva foi primeiro-ministro, Portugal aderiu à Comunidade Económica Europeia, caiu o muro de Berlim, deu-se um novo impulso ao rock português - e em português -, Madonna cantava "Like a virgin" e Ana Salazar era sinónimo de vanguarda na moda portuguesa.

 

Os anos 1980 foram há 35 anos e, sendo um tempo recente, "é sempre difícil perceber quando já passou tempo suficiente para começar a fazer a história de um período". Tornam-se "num objeto simultaneamente problemático e desafiante para os historiadores", defende a organização.

 

O MUDE - Museu do Design e da Moda acolherá, nos dias 16 e 17, o colóquio central deste ciclo, que abre com o tema "Cavaquismo e Tatcherismo" e que abordará ainda, por exemplo, a política do livro e da leitura do Círculo de Leitores, a criação da primeira associação portuguesa de defesa dos direitos dos animais, a arquitetura e o urbanismo,

 

Para pensar sobre os anos 1980, sobretudo sobre o que se passou em Portugal, o ciclo contará ainda com uma sessão de música comentada - sobre tendências e movimentos daquela década -, esta sexta-feira, na Galeria Zé dos Bois, com a participação do guitarrista Tó Trips, da cantora Anabela Duarte, do crítico Rui Miguel Abreu e da radialista Ana Ferrão.

 

Haverá uma maratona dedicada às emissões de televisão nos anos 1980, no próximo fim de semana, no espaço Atelier Real (Poço dos Negros). No dia 19, o arquiteto Manuel Graça Dias fará um passeio arquitetónico por Lisboa, passando por alguns espaços emblemáticos que perduram desde os anos 1980.

 

No Museu do Fado é dada uma perspetiva internacional da década, sobretudo do ponto de vista cultural, com a participação da confederação de museus L'Internacionale.

 

O ciclo é uma iniciativa do Instituto de História Contemporânea, da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, da Universidade Nova de Lisboa, com comissão científica de Ana Bigotte Vieira, Érica Faleiro Rodrigues, Giulia Bonali, Luís Trindade, Marcos Cardão e Tiago Monteiro.

 

Toda a programação pode ser consultada em whenwerethe1980s.com.

 

 

Lusa

 

 

  • PSD está a "perder terreno" na escolha de candidato a Lisboa
    1:46

    País

    Quem o diz é Luís Marques Mendes: o PSD perde na demora da escolha de um candidato para a Câmara de Lisboa. O líder Passos Coelho rejeita apoiar a candidatura de Assunção Cristas e garante que o partido vai ter um candidato próprio. Segundo o comentador da SIC, o último convite foi dirigido a José Eduardo Moniz.

  • Trump não escreve todos os tweets, mas dita-os

    Mundo

    O Presidente eleito dos EUA não escreve todos os tweets que são publicados na sua conta desta rede social, mas dita-os aos seus funcionários. Numa entrevista a um ex-secretário de Estado britânico, Donald Trump explica como usa a sua conta e garante que depois de ser investido Presidente, vai continuar a usar o Twitter para defender-se da "imprensa desonesta".

  • Depressão pode ser mais prejudicial para o coração do que a hipertensão

    Mundo

    Um estudo recente estabelece uma nova ligação entre depressão e distúrbios cardíacos. De acordo com a investigação publicada na revista Atheroscleroses, o risco de vir a sofrer de uma doença cardíaca grave é quase tão elevado para os homens que sofram de depressão, do que para os que tenham colesterol elevado ou obesidade, e pode mesmo ser maior do que para os que sofram de hipertensão.