sicnot

Perfil

Cultura

"Quando foram os anos 80?", ciclo de música, cinema e debate em Lisboa

Sessões de música comentada, uma maratona de programas de televisão, um passeio por Lisboa e um debate ajudam a mapear uma época histórica recente - a década de 1980 -, num ciclo que tem início na sexta-feira, em Lisboa.

whenwerethe1980s.com

"Quando foram os anos 80?" é o que pergunta o Instituto de História Contemporânea, organizador deste ciclo: "Trata-se de abordar um período histórico por via de uma série de iniciativas em que se procura tanto mapear o que neste campo tem vindo a ser feito, quanto abri-lo a estudos futuros".

 

É um tempo em que Aníbal Cavaco Silva foi primeiro-ministro, Portugal aderiu à Comunidade Económica Europeia, caiu o muro de Berlim, deu-se um novo impulso ao rock português - e em português -, Madonna cantava "Like a virgin" e Ana Salazar era sinónimo de vanguarda na moda portuguesa.

 

Os anos 1980 foram há 35 anos e, sendo um tempo recente, "é sempre difícil perceber quando já passou tempo suficiente para começar a fazer a história de um período". Tornam-se "num objeto simultaneamente problemático e desafiante para os historiadores", defende a organização.

 

O MUDE - Museu do Design e da Moda acolherá, nos dias 16 e 17, o colóquio central deste ciclo, que abre com o tema "Cavaquismo e Tatcherismo" e que abordará ainda, por exemplo, a política do livro e da leitura do Círculo de Leitores, a criação da primeira associação portuguesa de defesa dos direitos dos animais, a arquitetura e o urbanismo,

 

Para pensar sobre os anos 1980, sobretudo sobre o que se passou em Portugal, o ciclo contará ainda com uma sessão de música comentada - sobre tendências e movimentos daquela década -, esta sexta-feira, na Galeria Zé dos Bois, com a participação do guitarrista Tó Trips, da cantora Anabela Duarte, do crítico Rui Miguel Abreu e da radialista Ana Ferrão.

 

Haverá uma maratona dedicada às emissões de televisão nos anos 1980, no próximo fim de semana, no espaço Atelier Real (Poço dos Negros). No dia 19, o arquiteto Manuel Graça Dias fará um passeio arquitetónico por Lisboa, passando por alguns espaços emblemáticos que perduram desde os anos 1980.

 

No Museu do Fado é dada uma perspetiva internacional da década, sobretudo do ponto de vista cultural, com a participação da confederação de museus L'Internacionale.

 

O ciclo é uma iniciativa do Instituto de História Contemporânea, da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, da Universidade Nova de Lisboa, com comissão científica de Ana Bigotte Vieira, Érica Faleiro Rodrigues, Giulia Bonali, Luís Trindade, Marcos Cardão e Tiago Monteiro.

 

Toda a programação pode ser consultada em whenwerethe1980s.com.

 

 

Lusa

 

 

  • Rui Patrício confirmado no Wolverhampton

    Desporto

    O Wolverhampton anunciou esta segunda-feira a contratação do guarda-redes Rui Patrício, depois da rescisão com o Sporting. O guarda-redes da seleção nacional assinou contrato com o clube inglês por quatro épocas.

    SIC

  • Novo treinador do Sporting diz que mulheres não estão preparadas para falar de futebol
    1:23
  • Salto de Cristiano Ronaldo inspira dança afro-beat

    Desporto

    Uma música humorística afro-beat, publicada nas redes sociais e inspirada nos saltos de Cristiano Ronaldo quando marca golos, está a ser replicada na internet com dezenas de coreografias filmadas, muitas das quais em França.

  • Ronaldo no País dos Sovietes: As religiões praticadas na Rússia
    1:55
  • Merkel tem duas semanas para negociar solução para crise migratória

    Mundo

    A chanceler alemã tem duas semanas para negociar com os parceiros europeus uma solução para a questão migratória e assim evitar uma crise política. O ultimato foi dado pelo CSU, o partido da Baviera que integra a coligação governamental. Ao contrário de Angela Merkel, defende uma política para os refugiados mais estrita.

  • Pai de Meghan Markle lamenta ser "nota de rodapé" no casamento real
    2:03
  • Quando as crianças fazem das suas... os pais é que pagam

    Mundo

    Quando as crianças fazem das suas, restam os pais para as castigar ou, em alguns casos, para sofrer as consequências desses atos. Quem o pode dizer é um casal norte-americano, que recebeu uma fatura de 132 mil dólares (cerca de 114 mil euros), depois de o filho ter derrubado uma estátua num centro comunitário.

    SIC