sicnot

Perfil

Cultura

Camané regressa ao Mosteiro da Batalha no dia 25 de abril

O fadista Camané atua no dia 25 de abril no Mosteiro da Batalha, num concerto onde vai cantar alguns dos temas mais relevantes da sua carreira, mas também do novo disco, a lançar em maio.

iac/www.camane.com

"Vou cantar alguns temas que penso serem os mais relevantes da minha carreira e também vou incluir neste espetáculo, pela primeira vez, ao vivo, um ou dois temas do meu novo álbum, que vai sair no dia 4 de maio", afirmou à agência Lusa Camané.

O fadista disse esperar que "seja uma noite memorável" num monumento onde atuou noutras ocasiões.

"Espero que seja uma noite fantástica como foi das outras vezes. O público é sempre ótimo", declarou.

Camané realçou ainda "uma série de contextos fantásticos" que se juntam no concerto, a realizar num monumento Património da Humanidade, onde se vai cantar fado, que integra a lista do Património Cultural Imaterial da Humanidade, e no dia 25, quando passam 41 anos sobre a Revolução de Abril.

O presidente da Câmara da Batalha, no distrito de Leiria, entidade organizadora do concerto, salientou igualmente esta "conjugação muito feliz", o espetáculo decorrer num monumento classificado pela UNESCO - Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura, entidade que elevou o fado a Património Cultural Imaterial da Humanidade, que será cantado por uma das "suas vozes mais expressivas" e que tem temas "também associados à liberdade".

Paulo Batista dos Santos adiantou que, pela adesão já registada, com "50% dos bilhetes vendidos", espera ter "casa cheia".

O concerto decorre no Claustro do Mosteiro da Batalha, a partir das 21:30.

Este mês, Camané atua, ainda, no sábado, no Teatro Micaelense, em Ponta Delgada, Açores, e, no dia 24, na Praça do Município, no Funchal, Madeira, de acordo com a página oficial do fadista na Internet.

Lusa
  • Governo quer reduzir gastos com papel na função pública
    1:08

    Economia

    O Governo proibiu a livre utilização das impressoras pelos funcionários públicos. O ministro das Finanças quer assim reduzir em 20% a despesa em consumo de papel e, ao mesmo tempo, minimizar a perigosidades dos resíduos produzidos com as impressoras, no Estado.