sicnot

Perfil

Cultura

Obras fecham Castelo de Guimarães dois dias por semana até fim de maio

O Castelo de Guimarães vai estar fechado dois dias por semana até finais de maio por questões de segurança devido às obras para dotar o monumento de melhores condições de acessibilidade e segurança.

Castelo de Guimarães

Castelo de Guimarães

Em comunicado enviado à agência Lusa, a autarquia explica que aquele que foi o monumento mais visitado a Norte de Portugal em 2014 estará de portas fechadas nos dias 22 e 23 (uma quarta e uma quinta-feira), e às segundas e terças-feiras até final de maio (dias 27 e 28 de abril e 04, 05, 11, 12, 18 e 19 de maio). Acresce que na última semana de maio, o castelo encerará quatro dias: segunda, 25, quarta, 27, quinta, 28, e sexta-feira, 29.

Além de dotar o castelo de melhores condições de acessibilidade e segurança, a intervenção, a cargo da Direção Regional de Cultura do Norte e financiada pelo QREN, no âmbito do ON.2 - O Novo Norte, vai ainda instalar "uma nova área de receção aos visitantes, estando, de igual modo, a ser concebida e produzida uma nova exposição permanente a colocar na imponente torre de menagem", adianta a autarquia.

A intervenção naquele monumento nacional representa um investimento global de 430 mil euros, sendo esta a primeira fase de uma projeto mais amplo a realizar até junho.

A construção daquele castelo remonta ao século X, sob ordem da Condessa Mumadona, para defesa do mosteiro de Guimarães, tendo sido alvo de várias intervenções e diferentes épocas.

O aspeto atual do monumento foi fortemente marcado pelas obras de recuperação feitas nos anos 40 do século XX, levadas a cabo no ambiente das comemorações do "Duplo Centenário da Formação da Nacionalidade e da Restauração (1140-1640-1940)".

  • Younes Abouyaaqoub, o homem mais procurado de Espanha
    1:53
  • Vila de Gavião viu-se cercada pelas chamas
    2:17
  • Telemóveis pessoais foram alternativa ao SIRESP no Sardoal
    1:20

    País

    O presidente da Câmara Municipal do Sardoal disse hoje que a rede SIRESP voltou a falhar durante os últimos cinco dias. Miguel Borges acrescentou que os operacionais no terreno recorreram várias vezes aos seus telemóveis particulares para comunicar.

  • Costa desafia PSD para pacto depois das autárquicas
    1:14