sicnot

Perfil

Cultura

Obras fecham Castelo de Guimarães dois dias por semana até fim de maio

O Castelo de Guimarães vai estar fechado dois dias por semana até finais de maio por questões de segurança devido às obras para dotar o monumento de melhores condições de acessibilidade e segurança.

Castelo de Guimarães

Castelo de Guimarães

Em comunicado enviado à agência Lusa, a autarquia explica que aquele que foi o monumento mais visitado a Norte de Portugal em 2014 estará de portas fechadas nos dias 22 e 23 (uma quarta e uma quinta-feira), e às segundas e terças-feiras até final de maio (dias 27 e 28 de abril e 04, 05, 11, 12, 18 e 19 de maio). Acresce que na última semana de maio, o castelo encerará quatro dias: segunda, 25, quarta, 27, quinta, 28, e sexta-feira, 29.

Além de dotar o castelo de melhores condições de acessibilidade e segurança, a intervenção, a cargo da Direção Regional de Cultura do Norte e financiada pelo QREN, no âmbito do ON.2 - O Novo Norte, vai ainda instalar "uma nova área de receção aos visitantes, estando, de igual modo, a ser concebida e produzida uma nova exposição permanente a colocar na imponente torre de menagem", adianta a autarquia.

A intervenção naquele monumento nacional representa um investimento global de 430 mil euros, sendo esta a primeira fase de uma projeto mais amplo a realizar até junho.

A construção daquele castelo remonta ao século X, sob ordem da Condessa Mumadona, para defesa do mosteiro de Guimarães, tendo sido alvo de várias intervenções e diferentes épocas.

O aspeto atual do monumento foi fortemente marcado pelas obras de recuperação feitas nos anos 40 do século XX, levadas a cabo no ambiente das comemorações do "Duplo Centenário da Formação da Nacionalidade e da Restauração (1140-1640-1940)".

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.