sicnot

Perfil

Cultura

Daniel Innerarity diz que sem cultura temos uma sociedade descompensada

O ensaísta espanhol Daniel Innerarity afirmou hoje, em Lisboa, que, "sem cultura, temos uma sociedade descompensada".

Centro Cultural de Belém. (Lusa/Arquivo)

Centro Cultural de Belém. (Lusa/Arquivo)

© Desmond Boylan / Reuters

O catedrático e investigador da Universidade do País Basco falava no fórum "O Lugar da Cultura, Modelos e Desafios", que se realiza até sexta-feira, no Centro Cultural de Belém (CCB), em Lisboa.

Na sua alocução, de cerca de dez minutos, à qual assistiram perto de uma centena de pessoas, o catedrático espanhol afirmou que "a cultura é a melhor educação para a cidadania".

Innerarity considerou que não é na tecnologia que as sociedades atuais vão encontrar as soluções para os problemas que enfrentam, pois é necessária a "superestrutura simbólica" que a cultura e as humanidades dão.

Segundo o ensaísta, "há um analfabetismo cívico" e considerou sem fundamento as crenças, "da direita à esquerda, na tecnologia para a revitalização da democracia".

Innerarity afirmou que se defende uma sociedade da informação com cada vez maiores armazenamentos de dados, mas à qual falta "uma inteligência interpretativa" que é dada pela cultura.

O catedrático basco considerou que nenhuma sociedade se desenvolve sem valores intuitivos, criativos e artísticos, "e estes não se podem reduzir às tecnologias disponíveis".

Antes de Innerarity, usou da palavra Jonathan Taplin, da Universidade da Califórnia do Sul, que advertiu que se corre o risco de perder a memória coletiva e afiançou que, "nos próximos 30 anos, os 'robots' vão tirar-nos os empregos e fazer tudo".

Daniel Innerarity, 55 anos, é professor catedrático de Filosofia Política e Social na Universidade de Saragoça, professor convidado na Sorbonne, em Paris, investigador na Universidade do País Basco e autor de "A Transformação da Política", prémio de Ensaio Miguel de Unamuno e Prémio Nacional de Literatura de Espanha, obra que o colocou a par do português José Gil, na lista dos "25 grandes pensadores do mundo" da Nouvel Observateur. 

"A Sociedade Invisível" e "O Novo Espaço Público" são outras obras premiadas de Innerarity.

O norte-americano Jonathan Taplin, 67 anos, escritor, produtor cinematográfico e académico, produziu a primeira longa-metragem de Martin Scorcese, "Mean Streets" ("Os Cavaleiros do Asfalto") e o seu filme "A Última Valsa", com o concerto de despedida dos The Band. Taplin fez parte da equipa que desenvolveu o sistema de video on demand.

É autor de "Outlaw Blues: Adventures in the Counter-Culture Wars" ("A balada dos fora da lei: aventuras nas guerras da contra cultura", em tradução livre).

O Fórum "O Lugar da Cultura" debate, desde hoje, no Centro Cultural de Belém (CCB), e durante três dias, o papel da cultura nos modelos de desenvolvimento das sociedades atuais. 

Na quinta-feira, o fórum, promovido pela Secretaria de Estado da Cultura, prossegue com o colóquio "Cultura e Desenvolvimento - Estudos Cultura 2020", no quadro europeu de financiamento 2014/2020, e, na sexta-feira, com mesas redondas sobre as políticas setoriais, com a participação dos principais responsáveis de organismos públicos desta área.

Lusa

  • "Serei o Presidente de todos os angolanos"
    2:06
  • Homens vítimas de violência doméstica
    31:17
  • Costa de Metro de Odivelas para Lisboa para relembrar corrida entre burro e Ferrari
    2:55

    Autárquicas 2017

    António Costa começou hoje o dia de campanha em Odivelas, para uma viagem de Metro até Lisboa, em que recordou a célebre corrida entre um burro e um Ferrari que protagonizou em 1993 quando foi canditado do PS à Câmara de Loures. Foi nesta cidade, onde ontem à noite, que desferiu um violento ataque a Pedro Passos Coelho, acusando-o de transformar o PSD num partido que não é digno de um Estado democrático.

  • O aeroporto de Beja, um "elefante branco" na planície alentejana
    4:33
  • Supervisão bancária origina novo diferendo entre Carlos Costa e Governo
    0:57

    Economia

    Reacendeu-se a guerra entre o Governo e o governador do Banco de Portugal. Em conferência na sede do banco, esta segunda-feira, Carlos Costa deixou uma crítica indireta ao novo modelo de supervisão bancária. O ministro das Finanças, Mário Centeno, não gostou e exigiu a Carlos Costa que se retratasse, mas o governador recusou-se.

  • Paciente há 15 anos em estado vegetativo consegue seguir objetos e mexer a cabeça

    Mundo

    Um homem de 35 anos, que ficou em estado vegetativo após um acidente de viação há 15 anos, deu sinais de consciência depois de lhe ter sido aplicada uma nova técnica de estimulação nervosa. Cirurgiões implantaram no paciente um pequeno aparelho que estimula o nervo vago, responsável pela ligação nervosa entre o cérebro e o resto do corpo. A intervenção aconteceu em França e a descoberta foi publicada na revista científica Current Biology.