sicnot

Perfil

Cultura

José Pena do Amaral eleito presidente da Casa da Música

O vice-presidente da Fundação Casa da Música, José Pena do Amaral, foi hoje eleito sucessor de Dias da Fonseca, na presidência do conselho de administração desta entidade.

ASSOCIATED PRESS

Em comunicado, a Casa da Música anunciou que "José Pena do Amaral foi hoje eleito presidente do conselho de administração da Fundação Casa da Música, para o mandato 2015-2017", por voto secreto.

Para vice-presidentes foram eleitos Rita Domingues e Jorge Castro Ribeiro, dois nomes que também foram reconduzidos do anterior conselho de administração.

António Lobo Xavier, que substituiu o nome de Dias da Fonseca na administração da Casa da Música, fica como vogal, a par de Teresa da Moura, Rosário Gamboa e António-Pedro Lopes Cardoso. 

Em termos legais, os cargos de presidente e dos dois vice-presidentes são "eleitos pelo próprio conselho de entre os seus membros, por voto secreto e por maioria absoluta dos seus membros, em reunião expressamente convocada para o efeito".

Com Lusa

  • 10 Minutos com Eurico Reis
    11:20

    10 Minutos

    Há quatro meses que Portugal é um dos poucos países europeus onde é possível recorrer à gestação de substituição. E há já um casal que teve luz verde para começar os tratamentos. Para um balanço, foi nosso convidado Eurico Reis, juiz desembargador e presidente do Conselho Nacional de Procriação Medicamente Assistida, a entidade que autoriza os processos de gestação de substituição.

    Entrevista completa

  • Parlamento discute utilização de animais no circo
    2:01
  • A inédita entrevista do príncipe Harry a Barack Obama
    0:47

    Mundo

    Foi divulgado um vídeo pouco habitual em que aparece o príncipe Harry a entrevistar Barack Obama para um programa de rádio. A conversa foi gravada em setembro, durante um evento desportivo para militares com deficiência, e será transmitida na íntegra no dia 27 de dezembro.

  • Seis meses depois da tragédia de Pedrógão Grande
    5:55

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Assinalou-se este domingo meio ano desde que o país ficou em choque com o rasto de morte e destruição causado pelos incêndios florestais na região centro. A tragédia de Pedrogão Grande foi há precisamente seis meses. Enquanto segue a reconstrução no tempo possível e com o Natal à porta, a vida prossegue, mas não voltará a ser mesma.