sicnot

Perfil

Cultura

Festival de Vilar de Mouros não se realiza em 2015 por "incapacidade" da organização

O festival de Vilar de Mouros não se vai realizar este ano, tal como anunciado, por "incapacidade da organização", a cargo da Associação dos Amigos dos Autistas (AMA), disse hoje à Lusa o autarca daquela freguesia de Caminha.

"A AMA manifestou dificuldades em cumprir o protocolo assumido com o anterior e o atual executivo municipal, mostrou incapacidade e impreparação para levar a cabo um festival com esta dimensão", afirmou Carlos Alves.

A organização do festival, segundo protocolo assinado pouco antes das eleições autárquicas de 2013 pelo executivo social-democrata anterior, está a cargo da AMA, que, em conjunto com a Câmara de Caminha e com a Junta de Freguesia de Vilar de Mouros - proprietária dos terrenos -, deveria assumir essa função até 2017.

O socialista entretanto eleito para a presidência da autarquia, Miguel Alves, convocou para sexta-feira uma conferência de imprensa para falar sobre o assunto. Contactado pela Lusa, escusou-se a confirmar o cancelamento do festival e o fim do protocolo estabelecido com aquela associação.

A Lusa tentou ainda contactar o presidente da AMA, Marco Reis, mas sem sucesso.

No final da edição de 2014, que marcou o relançamento do evento após um interregno de oito anos, aquela Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS) tinha anunciado que, em 2015, o festival iria realizar-se nos dias 30, 31 de julho 01 agosto com um cartaz para "arrastar massas", até à mítica aldeia daquele concelho do distrito de Viana do Castelo.

O presidente da Junta, Carlos Alves explicou que uma das razões que conduziu ao fim da relação com a AMA prende-se com "o incumprimento de obrigações assumidas no protoloco que "o anterior executivo se apressou a realizar face à proximidade das eleições autárquicas de 2013".

"Na altura, em fazia parte da oposição na Junta de Freguesia, e contestei a forma precipitada como foi assumido aquele compromisso com uma instituição sem experiência para organizar um evento desta dimensão e grandeza", sustentou Carlos Alves.

O protocolo, entretanto reformulado pelo atual executivo camarário prevê, entre outros aspetos, "a duplicação" da compensação financeira a pagar pela AMA à Junta, que passou para 20.000 euros e que poderia "crescer" em função das receitas de bilheteira.

"A AMA não conseguiu cumprir essa cláusula e outras a que estava obrigada", afirmou Carlos Alves justificando o incumprimento com o "fracasso" da edição de 2014.

Na altura, o presidente da AMA admitiu à Lusa a falta de público que justificou com as "contrariedades" com que a organização se viu confrontada e que adiou o anúncio até três semanas antes do arranque do festival.

Apesar de lamentar o cancelamento da edição deste ano, "pela sua importância para a economia do concelho e da região", Carlos Alves manifestou-se confiante que em 2016 "o festival aparecerá com outras força e dinâmica".

"A Câmara e a Junta estão em perfeita sintonia e empenhadas em trazer para Vilar de Mouros uma organização com experiência e credibilidade, capaz de realizar um evento desta dimensão e de conseguir puxá-lo para o seio dos melhores festivais do país", frisou. 

A primeira edição daquele festival realizou-se em 1971 e contou com a presença do cantor Elton John e da banda Manfred Mann.

Em 2007, a um mês da sua realização, o festival foi cancelado por dificuldades de entendimento entre os vários parceiros envolvidos na organização e não voltou a ser retomado.

Lusa
  • Passos explica porque se irritou com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Luaty Beirão agredido em manifestação em Luanda
    1:27

    Mundo

    Luanda tem sido palco de várias manifestações contra a forma como está a decorrer o processo eleitoral em Angola. Esta sexta-feira, uma dessas manifestações acabou em confrontos com as autoridades. Entre os manifestantes estava o ativista Luaty Beirão.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.