sicnot

Perfil

Cultura

Festival de Vilar de Mouros não se realiza em 2015 por "incapacidade" da organização

O festival de Vilar de Mouros não se vai realizar este ano, tal como anunciado, por "incapacidade da organização", a cargo da Associação dos Amigos dos Autistas (AMA), disse hoje à Lusa o autarca daquela freguesia de Caminha.

"A AMA manifestou dificuldades em cumprir o protocolo assumido com o anterior e o atual executivo municipal, mostrou incapacidade e impreparação para levar a cabo um festival com esta dimensão", afirmou Carlos Alves.

A organização do festival, segundo protocolo assinado pouco antes das eleições autárquicas de 2013 pelo executivo social-democrata anterior, está a cargo da AMA, que, em conjunto com a Câmara de Caminha e com a Junta de Freguesia de Vilar de Mouros - proprietária dos terrenos -, deveria assumir essa função até 2017.

O socialista entretanto eleito para a presidência da autarquia, Miguel Alves, convocou para sexta-feira uma conferência de imprensa para falar sobre o assunto. Contactado pela Lusa, escusou-se a confirmar o cancelamento do festival e o fim do protocolo estabelecido com aquela associação.

A Lusa tentou ainda contactar o presidente da AMA, Marco Reis, mas sem sucesso.

No final da edição de 2014, que marcou o relançamento do evento após um interregno de oito anos, aquela Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS) tinha anunciado que, em 2015, o festival iria realizar-se nos dias 30, 31 de julho 01 agosto com um cartaz para "arrastar massas", até à mítica aldeia daquele concelho do distrito de Viana do Castelo.

O presidente da Junta, Carlos Alves explicou que uma das razões que conduziu ao fim da relação com a AMA prende-se com "o incumprimento de obrigações assumidas no protoloco que "o anterior executivo se apressou a realizar face à proximidade das eleições autárquicas de 2013".

"Na altura, em fazia parte da oposição na Junta de Freguesia, e contestei a forma precipitada como foi assumido aquele compromisso com uma instituição sem experiência para organizar um evento desta dimensão e grandeza", sustentou Carlos Alves.

O protocolo, entretanto reformulado pelo atual executivo camarário prevê, entre outros aspetos, "a duplicação" da compensação financeira a pagar pela AMA à Junta, que passou para 20.000 euros e que poderia "crescer" em função das receitas de bilheteira.

"A AMA não conseguiu cumprir essa cláusula e outras a que estava obrigada", afirmou Carlos Alves justificando o incumprimento com o "fracasso" da edição de 2014.

Na altura, o presidente da AMA admitiu à Lusa a falta de público que justificou com as "contrariedades" com que a organização se viu confrontada e que adiou o anúncio até três semanas antes do arranque do festival.

Apesar de lamentar o cancelamento da edição deste ano, "pela sua importância para a economia do concelho e da região", Carlos Alves manifestou-se confiante que em 2016 "o festival aparecerá com outras força e dinâmica".

"A Câmara e a Junta estão em perfeita sintonia e empenhadas em trazer para Vilar de Mouros uma organização com experiência e credibilidade, capaz de realizar um evento desta dimensão e de conseguir puxá-lo para o seio dos melhores festivais do país", frisou. 

A primeira edição daquele festival realizou-se em 1971 e contou com a presença do cantor Elton John e da banda Manfred Mann.

Em 2007, a um mês da sua realização, o festival foi cancelado por dificuldades de entendimento entre os vários parceiros envolvidos na organização e não voltou a ser retomado.

Lusa
  • A menina síria que relata a guerra no Twitter está bem, diz o pai

    Mundo

    Bana Alabed, a menina síria de 7 anos que conta no Twitter a luta pela sobrevivência e os horrores da guerra em Alepo, teve de abandonar a sua casa que foi bombardeada mas está bem, disse hoje o seu pai à Agência France Press. A conta esteve fechada domingo, mas foi entretanto reativada e tem hoje uma nova publicação de Bana.

  • Parkinson pode ter início nos intestinos

    Mundo

    Um novo estudo científico vem revelar que a doença de Parkinson pode não estar apenas no cérebro. A doença pode ter início nos intestinos e mais tarde migrar para o cérebro.