sicnot

Perfil

Cultura

Festival de Vilar de Mouros não se realiza em 2015 por "incapacidade" da organização

O festival de Vilar de Mouros não se vai realizar este ano, tal como anunciado, por "incapacidade da organização", a cargo da Associação dos Amigos dos Autistas (AMA), disse hoje à Lusa o autarca daquela freguesia de Caminha.

"A AMA manifestou dificuldades em cumprir o protocolo assumido com o anterior e o atual executivo municipal, mostrou incapacidade e impreparação para levar a cabo um festival com esta dimensão", afirmou Carlos Alves.

A organização do festival, segundo protocolo assinado pouco antes das eleições autárquicas de 2013 pelo executivo social-democrata anterior, está a cargo da AMA, que, em conjunto com a Câmara de Caminha e com a Junta de Freguesia de Vilar de Mouros - proprietária dos terrenos -, deveria assumir essa função até 2017.

O socialista entretanto eleito para a presidência da autarquia, Miguel Alves, convocou para sexta-feira uma conferência de imprensa para falar sobre o assunto. Contactado pela Lusa, escusou-se a confirmar o cancelamento do festival e o fim do protocolo estabelecido com aquela associação.

A Lusa tentou ainda contactar o presidente da AMA, Marco Reis, mas sem sucesso.

No final da edição de 2014, que marcou o relançamento do evento após um interregno de oito anos, aquela Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS) tinha anunciado que, em 2015, o festival iria realizar-se nos dias 30, 31 de julho 01 agosto com um cartaz para "arrastar massas", até à mítica aldeia daquele concelho do distrito de Viana do Castelo.

O presidente da Junta, Carlos Alves explicou que uma das razões que conduziu ao fim da relação com a AMA prende-se com "o incumprimento de obrigações assumidas no protoloco que "o anterior executivo se apressou a realizar face à proximidade das eleições autárquicas de 2013".

"Na altura, em fazia parte da oposição na Junta de Freguesia, e contestei a forma precipitada como foi assumido aquele compromisso com uma instituição sem experiência para organizar um evento desta dimensão e grandeza", sustentou Carlos Alves.

O protocolo, entretanto reformulado pelo atual executivo camarário prevê, entre outros aspetos, "a duplicação" da compensação financeira a pagar pela AMA à Junta, que passou para 20.000 euros e que poderia "crescer" em função das receitas de bilheteira.

"A AMA não conseguiu cumprir essa cláusula e outras a que estava obrigada", afirmou Carlos Alves justificando o incumprimento com o "fracasso" da edição de 2014.

Na altura, o presidente da AMA admitiu à Lusa a falta de público que justificou com as "contrariedades" com que a organização se viu confrontada e que adiou o anúncio até três semanas antes do arranque do festival.

Apesar de lamentar o cancelamento da edição deste ano, "pela sua importância para a economia do concelho e da região", Carlos Alves manifestou-se confiante que em 2016 "o festival aparecerá com outras força e dinâmica".

"A Câmara e a Junta estão em perfeita sintonia e empenhadas em trazer para Vilar de Mouros uma organização com experiência e credibilidade, capaz de realizar um evento desta dimensão e de conseguir puxá-lo para o seio dos melhores festivais do país", frisou. 

A primeira edição daquele festival realizou-se em 1971 e contou com a presença do cantor Elton John e da banda Manfred Mann.

Em 2007, a um mês da sua realização, o festival foi cancelado por dificuldades de entendimento entre os vários parceiros envolvidos na organização e não voltou a ser retomado.

Lusa
  • DJ Avicii morre aos 28 anos

    Cultura

    Tim Bergling, conhecido por Avicii e um dos mais famosos DJ's do mundo, morreu aos 28 anos. A notícia foi avançada pelo site TMZ, que adianta que o DJ e produtor sueco foi encontrado morto esta sexta-feira em Muscat, em Omã, e os detalhes da morte ainda não são conhecidos.

    SIC

  • ERSE concluiu que estavam a ser pagos 165 milhões euros a mais à EDP
    0:53

    País

    José Gomes Ferreira afirmou esta sexta-feira que a ERSE -Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos concluiu que estavam a ser pagos 165 milhões de euros a mais do que o necessário à EDP. Contratos que foram postos em prática em 2007 por Manuel Pinho, na altura ministro da Economia.

  • "Não andámos a tomar calmantes, nem a dar abracinhos"
    0:52

    Desporto

    Rui Vitória recusa atirar a toalha ao chão. O treinador do Benfica acredita que ainda muito pode acontecer e revela a motivação da equipa depois da derrota com o FC Porto na Luz, que levou à perda da liderança a quatro jornadas do fim.

  • Porque erram os árbitros?
    2:03

    Desporto

    Num momento em que a polémica em redor da arbitragem está acesa e que nem o videoárbitro parece ter contribuído para a pacificar o futebol, em Leiria juntaram-se treinadores e homens do apito para se entender porque erram os árbitros.

  • "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos"

    Mundo

    "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos", esta foi apenas uma das declarações de Karl Lagerfeld sobre as denúncias de abuso sexual, que estão a marcar o mundo do cinema, da música e da moda. Numa entrevista, o diretor criativo da Chanel e da Fendi declarou mesmo que estava farto do #MeToo, o movimento usado para denunciar estes casos de abusos por todo o mundo.

    SIC

  • Viagem de balão para ver as cerejeiras em flor
    14:27
  • Niassa foi o 4.º lince-ibérico libertado a ser atropelado em Portugal
    1:33

    País

    Uma fêmea de lince-ibérico foi encontrada morta com sinais de atropelamento na A22, próximo de Olhão. A fêmea, criada em cativeiro, tinha sido libertada no Vale do Guadiana em fevereiro de 2017. É o quarto lince-ibérico, que tinha sido libertado na natureza, que morre atropelado em Portugal.

  • "Há uma aceitação do lince no território"
    3:33

    País

    Apesar de já se terem registado em Portugal quatro atropelamentos de linces libertados na natureza, em entrevista à SIC, Pedro Rocha, do Departamento do Alentejo do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), disse que o programa de reintrodução "tem corrido bastante bem", não só devido às condições do habitat e disponibilidade de alimento, mas também porque "há uma aceitação do lince no território". Desde 2015, foram libertados no Vale do Guadiana 33 linces e 16 já nasceram em estado selvagem.

  • EUA acusam Síria de tentar apagar provas de alegado ataque químico em Douma
    1:28
  • Já pode escolher uma morte amiga do ambiente

    Mundo

    Preocupa-se com o ambiente? Recicla? Prefere andar a pé ou partilhar transportes? Então saiba que a partir de agora a morte também pode ser amiga do ambiente. Desde caixões degradáveis de vime a cremação líquida, já é possível diminuir o impacto ambiental da morte.

    SIC

  • O "anjo" que quer ensinar raparigas a programar
    2:59