sicnot

Perfil

Cultura

Música, exposições e cortes de cabelo nos 100 anos do Theatro Circo em Braga

A 21 de abril o Theatro Circo, em Braga, celebra 100 anos de portas abertas, feito que será festejado sob o lema "100 anos não são 100 dias" com música, exposições, cinema, poesia e até cortes de cabelo.

Theatro Circo

Por aquela que é apelidada a "mais bonita" sala de espetáculos do Minho vão passar referências nacionais, internacionais e bracarenses como Rodrigo Leão, Camané, Cati Freitas, Jay-Jay Johnason, Sara Braga Simões, entre outros.

Apresentada hoje a programação que vai celebrar o centenário do Theatro Circo, o destaque foi, além do vasto e "eclético" cartaz, para o "grande feito" de reunir um grupo de mecenas, representativo do tecido empresarial bracarense, que no total contribuiu com cerca de 100 mil euros para a festa.

"Pensamos convidar pessoas com ligação a Braga, que fossem criadores de Braga e tivemos a preocupação de que a programação ocupasse todos os espaços do Theatro Circo", explicou o programador do espaço, Paulo Brandão.

É neste contexto que se enquadra um dos momentos mais originais da programação, transformar a Sala de Fumo do Theatro numa "barbearia vintage", por uma tarde.

"Convidámos o cabeleireiro bracarense, e também músico, Pedro Remy a fazer "O Corte do século", a representar a arte de cortar cabelos. Remy vai, gratuitamente, cortar cabelos, "àqueles que se atreverem", a 24 de abril.

Para contar a história do Theatro Circo, a exposição "O Século do Theatro", a inaugurar a 21 de abril, que irá "reconstruir alguns mitos à volta" do edifício.

"A Amália Rodrigues foi, por exemplo, uma figura que esteve muitas vezes nesta casa e, em exposição vamos ter a notícia que salienta o facto de ela estar prestes a partir para os EUA, isto em 1955, em plena ditadura, pelo que seria uma oportunidade única de verem a Amália antes que ela fugisse para os EUA", exemplificou Paulo Brandão.  

Assim, além das tesouradas de Remy e da exposição sobre a história do Theatro, a programação oferece, a abrir as festividades, Rodrigo Leão (21 de abril), que contará em palco com a bracarense Dora Rodrigues, um momento de ópera, a cargo de Sara Braga Simões (25 de abril) e ainda um espetáculo dos bracarenses 'At Freddy's House' (sexta-feira, 24 de abril), entre outros nomes e momentos.

E porque a cultura, e a festa, precisam de ser financiadas, na apresentação das festividades do centenário da "sala de espetáculos" do Minho, foi ainda salientado a importância do mecenato, "votos de confiança", na construção do cartaz do Thatro Circo, assumido por seis empresas bracarenses.

"Um importante contributo para a programação deste ano de comemoração do Theatro Circo e para aquilo que queremos que seja a atividade desta casa neste e nos próximos anos", apontou a administradora do TC, Cláudia Leite.

"O Theatro Circo entende que tem uma responsabilidade para com a cidade e para com as empresas que com ele trabalham. Julgamos que estão criadas as condições para continuarmos a trabalhar com qualidade, a investir em inovação, projetar a imagem da cidade, fazendo do Theatro Circo um embaixador de Braga que contribuía para o desenvolvimento económico, turístico e cultural da Região", explanou.

Com exceção dos concertos noturnos, os momentos de programação, que podem ser consultados no site do Theatro Circo, são gratuitos.

Os 100 anos do Theatro Circo vão ser ainda assinalados com um "novo" site.

Lusa

  • Não houve negligência médica no caso do jovem em São José
    2:33

    País

    Afinal, não houve negligência médica no caso do jovem que morreu há cerca de um ano no Hospital de São José, vítima de um aneurisma. Esta é a conclusão da Ordem dos Médicos e dos peritos do Instituto de Medicina Legal. Segundo o jornal Expresso, todos os relatórios relatórios pedidos pelo Ministério Público e pelo Centro Hospitalar de Lisboa Central dizem que o corpo clínico do hospital não teve responsabilidades na morte de David Duarte.

  • Jovens estariam de fones e poderão não ter ouvido comboio a aproximar-se
    1:47

    País

    As adolescentes, de 13 e 14 anos, encontradas mortas junto à linha do norte perto de Coimbra podem não ter ouvido a aproximação do comboio, uma vez que estariam de auriculares. Os corpos só foram descobertos 36 horas depois do desaparecimento das jovens, aparentemente vítimas de um descuido fatal.

  • "Nobel é um incentivo para toda uma nação"
    1:19