sicnot

Perfil

Cultura

Música, exposições e cortes de cabelo nos 100 anos do Theatro Circo em Braga

A 21 de abril o Theatro Circo, em Braga, celebra 100 anos de portas abertas, feito que será festejado sob o lema "100 anos não são 100 dias" com música, exposições, cinema, poesia e até cortes de cabelo.

Theatro Circo

Por aquela que é apelidada a "mais bonita" sala de espetáculos do Minho vão passar referências nacionais, internacionais e bracarenses como Rodrigo Leão, Camané, Cati Freitas, Jay-Jay Johnason, Sara Braga Simões, entre outros.

Apresentada hoje a programação que vai celebrar o centenário do Theatro Circo, o destaque foi, além do vasto e "eclético" cartaz, para o "grande feito" de reunir um grupo de mecenas, representativo do tecido empresarial bracarense, que no total contribuiu com cerca de 100 mil euros para a festa.

"Pensamos convidar pessoas com ligação a Braga, que fossem criadores de Braga e tivemos a preocupação de que a programação ocupasse todos os espaços do Theatro Circo", explicou o programador do espaço, Paulo Brandão.

É neste contexto que se enquadra um dos momentos mais originais da programação, transformar a Sala de Fumo do Theatro numa "barbearia vintage", por uma tarde.

"Convidámos o cabeleireiro bracarense, e também músico, Pedro Remy a fazer "O Corte do século", a representar a arte de cortar cabelos. Remy vai, gratuitamente, cortar cabelos, "àqueles que se atreverem", a 24 de abril.

Para contar a história do Theatro Circo, a exposição "O Século do Theatro", a inaugurar a 21 de abril, que irá "reconstruir alguns mitos à volta" do edifício.

"A Amália Rodrigues foi, por exemplo, uma figura que esteve muitas vezes nesta casa e, em exposição vamos ter a notícia que salienta o facto de ela estar prestes a partir para os EUA, isto em 1955, em plena ditadura, pelo que seria uma oportunidade única de verem a Amália antes que ela fugisse para os EUA", exemplificou Paulo Brandão.  

Assim, além das tesouradas de Remy e da exposição sobre a história do Theatro, a programação oferece, a abrir as festividades, Rodrigo Leão (21 de abril), que contará em palco com a bracarense Dora Rodrigues, um momento de ópera, a cargo de Sara Braga Simões (25 de abril) e ainda um espetáculo dos bracarenses 'At Freddy's House' (sexta-feira, 24 de abril), entre outros nomes e momentos.

E porque a cultura, e a festa, precisam de ser financiadas, na apresentação das festividades do centenário da "sala de espetáculos" do Minho, foi ainda salientado a importância do mecenato, "votos de confiança", na construção do cartaz do Thatro Circo, assumido por seis empresas bracarenses.

"Um importante contributo para a programação deste ano de comemoração do Theatro Circo e para aquilo que queremos que seja a atividade desta casa neste e nos próximos anos", apontou a administradora do TC, Cláudia Leite.

"O Theatro Circo entende que tem uma responsabilidade para com a cidade e para com as empresas que com ele trabalham. Julgamos que estão criadas as condições para continuarmos a trabalhar com qualidade, a investir em inovação, projetar a imagem da cidade, fazendo do Theatro Circo um embaixador de Braga que contribuía para o desenvolvimento económico, turístico e cultural da Região", explanou.

Com exceção dos concertos noturnos, os momentos de programação, que podem ser consultados no site do Theatro Circo, são gratuitos.

Os 100 anos do Theatro Circo vão ser ainda assinalados com um "novo" site.

Lusa

  • As primeiras decisões do Presidente Trump
    1:39
  • "Há sobretudo um fosso entre o discurso que Trump faz e os de Obama"
    6:13

    Opinião

    Cândida Pinto e Ricardo Costa analisaram a tomada de posse de Donald Trump. O diretor de informação da SIC disse que o discurso de Trump "mexe com a sua base de apoio" e defende que "a grande questão não vai ser a relação com a Rússia, mas sim com a China". Já a Editora de internacional disse que o discurso foi "voltado para dentro, nacionalista, partidarista, com ataque à elite de Washington".

    Ricardo Costa e Cândida Pinto

  • Celebridades protestam contra Trump
    3:00

    Mundo

    Tem sido assim desde a campanha e continua. Grande parte da comunidade de artistas não está nada contente com o Presidente eleito. Vários artistas aproveitaram o dia da tomada de posse para se reunirem em Nova Iorque e protestarem contra Donald Trump.

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Cantora brasileira conhecida pela "Lambada" terá sido assassinada
    1:25

    Mundo

    Terá sido assassinada a cantora brasileira conhecida em Portugal pela "lambada", um ritmo que marcou o fim dos anos 90. Foi encontrada carbonizada dentro do próprio carro depois de assaltada em casa. Três suspeitos suspeitos do homicídio da cantora Loalwa Braz foram já detidos.