sicnot

Perfil

Cultura

Castiçais gigantes de Joana Vasconcelos na antiga casa senhorial dos Rothschild

Um par de castiçais gigantes, que a artista Joana Vasconcelos concebeu a partir de garrafas de vidro, vão estar, a partir de hoje, à entrada de Waddesdon Manor, uma casa senhorial inglesa que pertenceu à família Rothschild. 

As peças, que se intitulam apropriadamente "Lafite", fazem parte da série "Castiçais" que Joana Vasconcelos iniciou em 2006 e que fazem referência à obra de Marchel Duchamp "Porte-Bouteilles"

As peças, que se intitulam apropriadamente "Lafite", fazem parte da série "Castiçais" que Joana Vasconcelos iniciou em 2006 e que fazem referência à obra de Marchel Duchamp "Porte-Bouteilles"

joanavasconcelos.com

As duas esculturas são uma encomenda da Fundação Rothschild, que as adquiriu para as colocar na propriedade, atualmente na posse da National Trust, uma entidade britânica que gere e conserva edifícios e locais de interesse histórico.

Uma estrutura de ferro com sete metros de altura suporta 256 garrafas "magnum" [1,5 litros] de vinho Château Lafite Rothschild, produzido em Bordéus, num dos vinhedos da família, que fez fortuna na banca. 

As peças, que se intitulam apropriadamente "Lafite", fazem parte da série "Castiçais" que Joana Vasconcelos iniciou em 2006 e que fazem referência à obra de Marchel Duchamp "Porte-Bouteilles". 

A artista plástica portuguesa é conhecida pela criação de peças de grandes dimensões para serem colocadas no exterior, a partir de objetos do quotidiano.

"As duas estruturas monumentais subvertem a escala doméstica dos objetos referenciados - castiçais ou porta garrafas - adquirindo forma e dimensão arquitetónicas próximas da verticalidade do gótico flamejante", esclareceu o ateliê de Vasconcelos.  

A curadora do projeto, Pippa Shirley, disse à agência Lusa que, além da relação com os Rothschild e o vinho, as esculturas "permitem uma ligação a outros objetos do acervo ligados à gastronomia e serviço de mesa refinado".

A comissão a Joana Vasconcelos aconteceu na sequência da exposição da portuguesa no palácio de Versalhes, em 2012, onde apresentou "Blue Champagne", um dos cinco trabalhos da série "Castiçais", que inclui "Pop Champagne", Néctar" e "Message in a Bottle". 

Os "castiçais" são colocados junto à entrada principal do edifício icónico, que começou a ser construído em 1874 pelo Barão Ferdinand de Rothschild, num estilo de "château" francês. 

As esculturas têm autorização dos responsáveis pelo património histórico para ficar no local durante cinco anos e vão juntar-se a outras dos artistas contemporâneos Stephen Cox, Xavier Veilhan, Michael Craig-Martin, Richard Long, Angus Fairhurst e Sarah Lucas.

Waddesdon Manor está situada cerca de 80 quilómetros a noroeste de Londres, no condado de Buckinghamshire. 

Ao longo dos anos foi recebendo um grande número de obras de arte que incluem tapeçarias, cerâmicas ou quadros de grandes pintores ingleses e mestres holandeses. 

A propriedade e conteúdo foram doados em 1957, à National Trust, e recebem anualmente perto de 400 mil visitantes e o apoio financeiro da Fundação Rothschild.  

Joana Vasconcelos, 42 anos, nascida em Paris, mas a residir em Lisboa e com ateliê na capital portuguesa, tornou-se na primeira mulher e mais jovem criadora a expor algumas das suas obras no Palácio de Versailles, em Paris, em 2012, onde acabou por bater recordes de público.

Representou oficialmente Portugal na Bienal de Arte de Veneza 2013, num projeto comissariado por Miguel Amado, que levou um cacilheiro transformado em obra de arte ao recinto principal da mostra internacional contemporânea.

Lusa
  • Primeiro-ministro hoje na cidade da Praia 

    País

    O primeiro-ministro, António Costa, está hoje em Cabo Verde para a a IV cimeira bilateral entre Portugal e aquele país africano, aproveitando a passagem pela cidade da Praia para inaugurar a escola portuguesa.

  • Portugal sem resposta de Moçambique sobre português desaparecido em Maputo
    1:25

    País

    Portugal tem tentado, sem sucesso, obter respostas das autoridades moçambicanas sobre o rapto de um empresário português há sete meses. De acordo com a notícia avançada este domingo pelo jornal Público, uma carta enviada há duas semanas pelo Presidente da República ao homólogo moçambicano não teve resposta. O Governo de Moçambique tem ignorado pedidos de informação das autoridades portuguesas.

  • Táxi capaz de sobrevoar filas de trânsito ainda este ano no Dubai

    Mundo

    É o sonho de muitos que passam horas intermináveis em filas de trânsito. Trata-se de um drone com capacidade para transportar pessoas. "Operações regulares" deste insólito aparelho terão início em julho, no Dubai. O anúncio foi feito pela entidade que gere os transportes da cidade. Apenas um passageiro, com o peso máximo de 100 kg, pode seguir viagem neste táxi revolucionário, capaz de sobrevoar vias congestionadas pelo trânsito.