sicnot

Perfil

Cultura

Castiçais gigantes de Joana Vasconcelos na antiga casa senhorial dos Rothschild

Um par de castiçais gigantes, que a artista Joana Vasconcelos concebeu a partir de garrafas de vidro, vão estar, a partir de hoje, à entrada de Waddesdon Manor, uma casa senhorial inglesa que pertenceu à família Rothschild. 

As peças, que se intitulam apropriadamente "Lafite", fazem parte da série "Castiçais" que Joana Vasconcelos iniciou em 2006 e que fazem referência à obra de Marchel Duchamp "Porte-Bouteilles"

As peças, que se intitulam apropriadamente "Lafite", fazem parte da série "Castiçais" que Joana Vasconcelos iniciou em 2006 e que fazem referência à obra de Marchel Duchamp "Porte-Bouteilles"

joanavasconcelos.com

As duas esculturas são uma encomenda da Fundação Rothschild, que as adquiriu para as colocar na propriedade, atualmente na posse da National Trust, uma entidade britânica que gere e conserva edifícios e locais de interesse histórico.

Uma estrutura de ferro com sete metros de altura suporta 256 garrafas "magnum" [1,5 litros] de vinho Château Lafite Rothschild, produzido em Bordéus, num dos vinhedos da família, que fez fortuna na banca. 

As peças, que se intitulam apropriadamente "Lafite", fazem parte da série "Castiçais" que Joana Vasconcelos iniciou em 2006 e que fazem referência à obra de Marchel Duchamp "Porte-Bouteilles". 

A artista plástica portuguesa é conhecida pela criação de peças de grandes dimensões para serem colocadas no exterior, a partir de objetos do quotidiano.

"As duas estruturas monumentais subvertem a escala doméstica dos objetos referenciados - castiçais ou porta garrafas - adquirindo forma e dimensão arquitetónicas próximas da verticalidade do gótico flamejante", esclareceu o ateliê de Vasconcelos.  

A curadora do projeto, Pippa Shirley, disse à agência Lusa que, além da relação com os Rothschild e o vinho, as esculturas "permitem uma ligação a outros objetos do acervo ligados à gastronomia e serviço de mesa refinado".

A comissão a Joana Vasconcelos aconteceu na sequência da exposição da portuguesa no palácio de Versalhes, em 2012, onde apresentou "Blue Champagne", um dos cinco trabalhos da série "Castiçais", que inclui "Pop Champagne", Néctar" e "Message in a Bottle". 

Os "castiçais" são colocados junto à entrada principal do edifício icónico, que começou a ser construído em 1874 pelo Barão Ferdinand de Rothschild, num estilo de "château" francês. 

As esculturas têm autorização dos responsáveis pelo património histórico para ficar no local durante cinco anos e vão juntar-se a outras dos artistas contemporâneos Stephen Cox, Xavier Veilhan, Michael Craig-Martin, Richard Long, Angus Fairhurst e Sarah Lucas.

Waddesdon Manor está situada cerca de 80 quilómetros a noroeste de Londres, no condado de Buckinghamshire. 

Ao longo dos anos foi recebendo um grande número de obras de arte que incluem tapeçarias, cerâmicas ou quadros de grandes pintores ingleses e mestres holandeses. 

A propriedade e conteúdo foram doados em 1957, à National Trust, e recebem anualmente perto de 400 mil visitantes e o apoio financeiro da Fundação Rothschild.  

Joana Vasconcelos, 42 anos, nascida em Paris, mas a residir em Lisboa e com ateliê na capital portuguesa, tornou-se na primeira mulher e mais jovem criadora a expor algumas das suas obras no Palácio de Versailles, em Paris, em 2012, onde acabou por bater recordes de público.

Representou oficialmente Portugal na Bienal de Arte de Veneza 2013, num projeto comissariado por Miguel Amado, que levou um cacilheiro transformado em obra de arte ao recinto principal da mostra internacional contemporânea.

Lusa
  • "Há uma grande diferença em relação à anterior liderança do PSD"
    14:29

    País

    O ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, esteve esta quarta-feira na Edição da Noite da SIC Notícias. As novas relações com o PSD e a reprogramação do Portugal 2020 foram alguns dos temas de conversa. Pedro Marques defende que existe "uma grande diferença" entre as lideranças de Passos Coelho e Rui Rio no PSD.

    Entrevista SIC Notícias

  • Dia de homenagens e muito futebol para Marcelo em São Tomé
    3:01

    País

    No segundo dia da visita de Estado a São Tomé e Príncipe, o Presidente da República prestou homenagem às vítimas do massacre de Batepá, em 1953. Marcelo Rebelo de Sousa não pediu desculpa pela história, mas lembrou que é preciso assumir as coisas menos boas do passado. O dia terminou com o Presidente a mostrar que ainda está em forma.

    Enviados SIC

  • Patinadora enfrenta "pesadelo" nos Olímpicos

    Desporto

    A patinadora Gabriella Papadakis enfrentou na segunda-feira um dos "piores pesadelos" da sua vida, durante a estreia nos Jogos Olímpicos de Inverno, em Pyeongchang, na Coreia do Sul. Durante a apresentação, a parte de cima do vestido da francesa saiu do lugar e revelou parte do seu seio. Mas este não foi o único caso de incidentes com figurinos. Também a sul-coreana Yura Min quase ficou despida durante a sua apresentação.

    SIC

  • Casal mantinha filhos trancados sem comida

    Mundo

    Se pensava que só existia uma casa dos horrores, a da família Turpin, desengane-se. A polícia de Tucson, no estado norte-americano do Arizona, deteve na terça-feira um casal que mantinha os quatro filhos adotivos trancados em quartos separados.

    SIC

  • Pigcasso, a porca pintora que tem uma galeria de arte

    Mundo

    O nome sugere o talento da artista que vive na Cidade do Cabo, na África do Sul. Pigcasso estava prestes a morrer, quando foi resgatada por uma ativista que a ajudou a enveredar pelo caminho da pintura. Desde pequena começou a pegar em pincéis e agora é o primeiro animal do mundo com uma galeria de arte, onde já lançou a sua primeira exposição intitulada 'Oink!'.