sicnot

Perfil

Cultura

Porto prova que é "capital nacional do rock" com concertos até ao dia 25 de abril

O Rivoli, no Porto, vai acolher o ciclo "Foco Rock" entre terça-feira e sábado, conciliando documentários com bandas do centro comercial Stop, para mostrar por que é a "capital nacional do rock, disse hoje o vereador da Cultura.

© Juan Medina / Reuters

Em conferência de imprensa na sala de cinema do Stop, o vereador da Cultura da Câmara Municipal do Porto, Paulo Cunha e Silva, classificou aquele centro comercial, que há anos está repleto de salas de ensaio para bandas da cidade, como um dos "ecossistemas culturais mais interessantes" da cidade.

O ciclo "Foco Rock" foi curado por Zé Pedro, dos Xutos & Pontapés, que escolheu quatro documentários sobre bandas como os The Clash, Pearl Jam, Foo Fighters e LCD Soundsystem, que vão anteceder concertos das bandas Black House of Wolves, Meu General & os Delatores, Pulha Seltzer e Holy Nothing.

No sábado, para assinalar o 25 de Abril, vai ter lugar o concerto "A Liberdade do Som", no Grande Auditório do Rivoli, em que músicos como Manel Cruz, os Osso Vaidoso, Mesa, Torto e Os Príncipes vão tocar canções suas e versões de "temas conhecidos de autores da cidade do Porto" como os GNR, Taxi, Trabalhadores do Comércio, entre outros.

O músico Manel Cruz, que se apresentou como "apenas um cidadão nesta comunidade" que é o Stop, ainda que definido como uma "figura mítica" da música do Porto -, frisou a importância daquele espaço e dos músicos que o compõem e sublinhou que "o grande esforço aqui é o som".

O músico de projetos como os Ornatos Violeta ou Foge Foge Bandido declarou que "o que os músicos querem é condições para trabalhar".

O "Foco Rock" vai realizar também encontros com grupos de alunos do Ensino Secundário ao longo da semana e vai exibir gratuitamente o documentário de Ana Branco, às 16:00 de sábado, sobre o Stop, com o título "Stop don't stop".

Lusa

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.