sicnot

Perfil

Cultura

Porto prova que é "capital nacional do rock" com concertos até ao dia 25 de abril

O Rivoli, no Porto, vai acolher o ciclo "Foco Rock" entre terça-feira e sábado, conciliando documentários com bandas do centro comercial Stop, para mostrar por que é a "capital nacional do rock, disse hoje o vereador da Cultura.

© Juan Medina / Reuters

Em conferência de imprensa na sala de cinema do Stop, o vereador da Cultura da Câmara Municipal do Porto, Paulo Cunha e Silva, classificou aquele centro comercial, que há anos está repleto de salas de ensaio para bandas da cidade, como um dos "ecossistemas culturais mais interessantes" da cidade.

O ciclo "Foco Rock" foi curado por Zé Pedro, dos Xutos & Pontapés, que escolheu quatro documentários sobre bandas como os The Clash, Pearl Jam, Foo Fighters e LCD Soundsystem, que vão anteceder concertos das bandas Black House of Wolves, Meu General & os Delatores, Pulha Seltzer e Holy Nothing.

No sábado, para assinalar o 25 de Abril, vai ter lugar o concerto "A Liberdade do Som", no Grande Auditório do Rivoli, em que músicos como Manel Cruz, os Osso Vaidoso, Mesa, Torto e Os Príncipes vão tocar canções suas e versões de "temas conhecidos de autores da cidade do Porto" como os GNR, Taxi, Trabalhadores do Comércio, entre outros.

O músico Manel Cruz, que se apresentou como "apenas um cidadão nesta comunidade" que é o Stop, ainda que definido como uma "figura mítica" da música do Porto -, frisou a importância daquele espaço e dos músicos que o compõem e sublinhou que "o grande esforço aqui é o som".

O músico de projetos como os Ornatos Violeta ou Foge Foge Bandido declarou que "o que os músicos querem é condições para trabalhar".

O "Foco Rock" vai realizar também encontros com grupos de alunos do Ensino Secundário ao longo da semana e vai exibir gratuitamente o documentário de Ana Branco, às 16:00 de sábado, sobre o Stop, com o título "Stop don't stop".

Lusa

  • Bataglia deixou passar 12 milhões pela sua conta a pedido de Salgado
    2:05

    Operação Marquês

    O presidente da Escom e arguido na Operação Marquês Helder Bataglia terá admitido que Ricardo Salgado utilizou uma conta bancária do empresário, na Suíça, para passar 12 milhões de euros a Carlos Santos Silva, amigo de José Sócrates. O amigo de Sócrates e Bataglia terão combinado várias formas de não levantar suspeitas. A notícia é avançada pelo jornal Expresso na edição deste sábado.

  • Patrões não aceitam alterações ao acordo de concertação social
    2:25

    Economia

    As confederações patronais foram esta sexta-feira ao Palácio de Belém dizer ao Presidente da República que não aceitam que o Parlamento faça alterações ao acordo de concertação social. Os patrões dizem ainda ter esperança que o Parlamento não chumbe o decreto-lei que reduz a TSU das empresas com salários mínimos.

  • Dirigente derrotado da Gâmbia concorda em ceder poder

    Mundo

    O ex-presidente e candidato derrotado das eleições na Gâmbia, Yahya Jammeh, concordou em ceder o poder ao novo Presidente do país, empossado na quinta-feira, indicou esta sexta-feira um responsável governamental senegalês.