sicnot

Perfil

Cultura

Crianças vão poder "Acampar com Histórias" na Feira do Livro de Lisboa

As crianças entre os oito e os dez anos vão poder participar na iniciativa "Acampar com Histórias", durante a 85.ª Feira do Livro de Lisboa, que regressa à capital de 28 de maio a 14 de junho, no Parque Eduardo VII.

MANUEL DE ALMEIDA

Realizada pela Associação Portuguesa de Editores e Livreiros, em parceria com as Bibliotecas Municipais de Lisboa, a iniciativa vai convidar as crianças a acampar no parque nas noites de sexta-feira e sábado para várias atividades literárias.

"Acampar com Histórias" vai decorrer a 29 e 30 de maio, 05, 06, 12 e 13 de junho, com atividades no mundo literário, na companhia de autores, ilustradores e contadores de histórias. 

O programa incluirá sessões de leitura com autores infantis, sessões de ilustração e momentos de conto, culminando com um acampamento na Estufa Fria de Lisboa. 

A Feira do Livro de Lisboa é organizada pela Associação Portuguesa de Editores e Livreiros (APEL) e conta com o apoio da Câmara Municipal de Lisboa, entidade responsável pelo desenvolvimento da programação cultural.

No certame vai ser criado um espaço infantil para iniciativas destinadas ao público infantil e às famílias. 

Lusa

  • Número de mortos nos incêndios sobe para 44

    País

    Os incêndios florestais que deflagraram no domingo em várias zonas do país provocaram 44 mortos, disse esta sexta-feira a adjunta do comando nacional da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC), Patrícia Gaspar.

  • Atividade económica regista crescimento

    Economia

    A atividade económica portuguesa está a crescer ao maior ritmo dos últimos 17 anos. O crescimento registado em setembro é o mais elevado desde janeiro de 2000. Já o consumo privado registou uma diminuição face a agosto.

    SIC

  • Aberta nova frente de guerra no Iraque
    1:20

    Mundo

    Uma nova frente de guerra no Iraque está aberta. O exército de Bagdade combate as forças curdas e luta pelo controlo da província petrolífera de Kirkuk. Na origem da ofensiva está o referendo não reconhecido à independência do Curdistão.