sicnot

Perfil

Cultura

Portugal consegue "feito" de colocar três jovens bailarinos entre os melhores do mundo

Mesmo sem tradição no ballet, Portugal "conseguiu um feito que quase ninguém consegue", colocando três jovens bailarinos entre milhares no top dos melhores do mundo, no âmbito de um concurso que decorreu em Nova Iorque, nos Estados Unidos.

© Carlo Allegri / Reuters

Diogo de Oliveira, de 16, Frederico Loureiro, de 14, ambos alunos da Escola Domus Dança, no Porto, e António Casalinho, de 11 anos, da Anarella Academia de Ballet e Dança, em Leiria, deram cartas ao longo de uma semana na 16.ª edição do Youth America Grand Prix (YAGP), chegando agora a casa com prémios e/ou bolsas de ensino e formação.

"É um salto de gigante", classificou à Lusa Diogo de Oliveira, que vai a partir de setembro finalizar os seus estudos na prestigiada escola da Ópera de Paris, depois de ter sido convidado a ingressar naquela companhia de dança pela "própria diretora".

E apesar de ter recebido também nesta competição, considerada a maior de escolas a nível mundial, uma bolsa/convite da Dutch National Ballet (companhia Junior), em Amesterdão, e uma bolsa para escola do English Nacional Ballet, a sua decisão já foi tomada e a sua ideia passa por "ficar" pela Opera de Paris.

"Não é muito comum" a Opera de Paris atribuir assim bolsas para a finalização dos estudos, porque "nesta escola é muito difícil entrar", afirmou o jovem, que se classificou no top seis de solistas do escalão Sénior.

Diogo Oliveira disse que este prémio "é fruto de muito trabalho desenvolvido na escola", onde passa quase todo o seu tempo livre.

Já António Casalinho, de Leiria, agora galardoado como o melhor 'Hope Award' nesta 16.ª edição do YAGP, ingressou no ballet por "curiosidade".

"O interesse começou quando umas amigas minhas já andavam no ballet. Já tinha visto algumas coisas e queria experimentar", contou este aluno da Anarrella Academia de Ballet e Dança, da bailarina cubana com o mesmo nome que em 1996 se instalou em Leiria.

Aos 8 anos, António, que frequenta o Colégio Conciliar Maria Imaculada, em Leiria, onde vive, inscreveu-se naquela academia e hoje dedica cerca de 25 horas semanais para atingir o seu sonho.

"Um dia poder ser um grande bailarino profissional numa grande companhia e poder, quando for mais velho, criar uma escola de ballet da corrente cubana", são aspirações do jovem, para quem o objetivo agora é "ainda atingir mais, chegar mais longe".

Para António Casalinho, filho de um professor do Orfeão de Leiria -- Conservatório de Artes e de uma profissional de seguros, "o ballet é uma forma diferente de nos expressarmos".

"E até faz com que consigamos aprender muito mais culturas e muito mais coisas", afirmou, declarando-se "muito contente por ter conseguido ganhar este prémio".

Frederico Loureiro, também da Escola do Porto, "não estava à espera de passar à final" no YAGP, mas não só o conseguiu como ficou no Top 6 enquanto solista Junior, sendo o único europeu a alcançar esta marca.

"Senti que reconheceram o trabalho que a escola e os professores fazem", disse, congratulando-se por trazer para casa, em Vila do Conde, uma nova bolsa para um programa da Academia Bolshoi, outra bolsa para Dresden e um convite para novo concurso internacional.

Questionado se aos 14 anos não sente falta de passar mais tempo com os amigos, uma vez que o ballet lhe ocupa a vida, Frederico não tem dúvidas em afirmar que "sim", que "há dias em que isso acontece", mas depois como o que gosta verdadeiramente de fazer é dançar até se esquece.

É imbuído nesta arte que o professor Alexandre Oliveira, da Domus Dança, lamentou que Portugal "nada tenha feito para custear as despesas de representação" destes jovens talentos.

"Em Portugal, patrocínios [para o ballet] são uma miragem e não realidade", desabafou, especialmente quando Diogo, por exemplo, "é comparado com o Ronaldo".

À agência Lusa, também o pai do bailarino de Leiria, Luís Casalinho, referiu que as despesas para estas iniciativas como a que decorreu agora em Nova Iorque são suportadas pelos pais, o que, no seu caso, tem sido "com muito sacrifício".

"É pena que a cultura do nosso país esteja dependente da capacidade dos pais e gostaria de apelar a empresas e ao Governo para que pudessem apoiar este tipo de iniciativas", concluiu.

Lusa
  • Primeiro-ministro holandês liga a Costa para explicar palavras de Dijsselbloem
    2:23

    País

    António Costa pediu que Djisselbloem desaparecesse da Presidência do Eurogrupo. Após esta tomada de posição, o primeiro-ministro holandês ligou para Costa na semana passada a dar explicações. Contudo, o primeiro-ministro português não recua e volta a dizer que Dijsselbloem não tem condições para continuar, na sequência das declarações sobre copos e mulheres. Os eurodeputados do Partido Popular Europeu reforçaram também esta terça-feira o pedido de demissão.

  • Surto de hepatite A em Portugal
    2:45

    País

    Há um surto de hepatite A em Portugal. Desde janeiro, 105 pessoas foram diagnosticadas na região de Lisboa e Vale do Tejo, um número superior aos casos contabilizados em todo o país nos últimos 40 anos. O surto terá começado na Holanda e está a atingir quase toda a Europa. A Direção-Geral de Saúde vai divulgar ainda esta terça-feira as normas de orientação clínica para que os médicos possam lidar da melhor maneira com este surto.

  • Abertura da lagoa de Santo André atrai surfistas e bodyboarders
    4:15
  • Kennedy acreditava que Hitler estava vivo

    Mundo

    Um diário de John F. Kennedy vai a leilão em Boston, nos Estados Unidos da América. O diário foi escrito durante a sua breve carreira como jornalista, depois da 2.ª Guerra Mundial. No livro, foram expostas algumas teorias do antigo Presidente norte-americano, como a possibilidade de Hitler estar vivo.

    Ana Rute Carvalho