sicnot

Perfil

Cultura

Portugal consegue "feito" de colocar três jovens bailarinos entre os melhores do mundo

Mesmo sem tradição no ballet, Portugal "conseguiu um feito que quase ninguém consegue", colocando três jovens bailarinos entre milhares no top dos melhores do mundo, no âmbito de um concurso que decorreu em Nova Iorque, nos Estados Unidos.

© Carlo Allegri / Reuters

Diogo de Oliveira, de 16, Frederico Loureiro, de 14, ambos alunos da Escola Domus Dança, no Porto, e António Casalinho, de 11 anos, da Anarella Academia de Ballet e Dança, em Leiria, deram cartas ao longo de uma semana na 16.ª edição do Youth America Grand Prix (YAGP), chegando agora a casa com prémios e/ou bolsas de ensino e formação.

"É um salto de gigante", classificou à Lusa Diogo de Oliveira, que vai a partir de setembro finalizar os seus estudos na prestigiada escola da Ópera de Paris, depois de ter sido convidado a ingressar naquela companhia de dança pela "própria diretora".

E apesar de ter recebido também nesta competição, considerada a maior de escolas a nível mundial, uma bolsa/convite da Dutch National Ballet (companhia Junior), em Amesterdão, e uma bolsa para escola do English Nacional Ballet, a sua decisão já foi tomada e a sua ideia passa por "ficar" pela Opera de Paris.

"Não é muito comum" a Opera de Paris atribuir assim bolsas para a finalização dos estudos, porque "nesta escola é muito difícil entrar", afirmou o jovem, que se classificou no top seis de solistas do escalão Sénior.

Diogo Oliveira disse que este prémio "é fruto de muito trabalho desenvolvido na escola", onde passa quase todo o seu tempo livre.

Já António Casalinho, de Leiria, agora galardoado como o melhor 'Hope Award' nesta 16.ª edição do YAGP, ingressou no ballet por "curiosidade".

"O interesse começou quando umas amigas minhas já andavam no ballet. Já tinha visto algumas coisas e queria experimentar", contou este aluno da Anarrella Academia de Ballet e Dança, da bailarina cubana com o mesmo nome que em 1996 se instalou em Leiria.

Aos 8 anos, António, que frequenta o Colégio Conciliar Maria Imaculada, em Leiria, onde vive, inscreveu-se naquela academia e hoje dedica cerca de 25 horas semanais para atingir o seu sonho.

"Um dia poder ser um grande bailarino profissional numa grande companhia e poder, quando for mais velho, criar uma escola de ballet da corrente cubana", são aspirações do jovem, para quem o objetivo agora é "ainda atingir mais, chegar mais longe".

Para António Casalinho, filho de um professor do Orfeão de Leiria -- Conservatório de Artes e de uma profissional de seguros, "o ballet é uma forma diferente de nos expressarmos".

"E até faz com que consigamos aprender muito mais culturas e muito mais coisas", afirmou, declarando-se "muito contente por ter conseguido ganhar este prémio".

Frederico Loureiro, também da Escola do Porto, "não estava à espera de passar à final" no YAGP, mas não só o conseguiu como ficou no Top 6 enquanto solista Junior, sendo o único europeu a alcançar esta marca.

"Senti que reconheceram o trabalho que a escola e os professores fazem", disse, congratulando-se por trazer para casa, em Vila do Conde, uma nova bolsa para um programa da Academia Bolshoi, outra bolsa para Dresden e um convite para novo concurso internacional.

Questionado se aos 14 anos não sente falta de passar mais tempo com os amigos, uma vez que o ballet lhe ocupa a vida, Frederico não tem dúvidas em afirmar que "sim", que "há dias em que isso acontece", mas depois como o que gosta verdadeiramente de fazer é dançar até se esquece.

É imbuído nesta arte que o professor Alexandre Oliveira, da Domus Dança, lamentou que Portugal "nada tenha feito para custear as despesas de representação" destes jovens talentos.

"Em Portugal, patrocínios [para o ballet] são uma miragem e não realidade", desabafou, especialmente quando Diogo, por exemplo, "é comparado com o Ronaldo".

À agência Lusa, também o pai do bailarino de Leiria, Luís Casalinho, referiu que as despesas para estas iniciativas como a que decorreu agora em Nova Iorque são suportadas pelos pais, o que, no seu caso, tem sido "com muito sacrifício".

"É pena que a cultura do nosso país esteja dependente da capacidade dos pais e gostaria de apelar a empresas e ao Governo para que pudessem apoiar este tipo de iniciativas", concluiu.

Lusa
  • Governo prepara projeto para suavizar transição para a reforma
    1:38

    Economia

    O Governo quer suavizar a transição do trabalho para a reforma. A ideia é que essa passagem seja feita gradualmente e não de um dia para o outro, o que pode ser mais traumático. O projeto prevê a possilidade de o trabalhador cumprir meio horário e acumular com meia pensão.

  • Portugal pode perder parte dos fundos comunitários
    2:21

    Economia

    Portugal arrisca-se a perder parte dos fundos comunitários atribuídos ao país, se não acelerar a execução dos programas que têm comparticipação de Bruxelas. A notícia é avançada pelo jornal Público, que revela que o país ainda está longe de cumprir as metas mínimas. O Executivo desdramatiza e acredita que serão cumpridas até ao final do ano. O Governo diz mesmo que Portugal deverá ser um dos países com melhores taxas de execução.

  • Proteína tóxica que se acumula no cérebro pode ser uma das causas do Alzheimer
    2:33

    País

    Uma proteína tóxica que se acumula no cérebro pode ser uma das causadoras do Alzheimer. A revelação, feita pelo prémio Nobel da Medicina de 2014, será discutida no terceiro dia da cimeira mundial sobre doenças neurodegenerativas na Fundação Champalimaud, em Lisboa. A partir de hoje, serão apresentadas novidade nas investigações científicas sobre a epidemia silenciosa, que atinge 50 milhões de pessoas em todo o mundo.

  • Primeiro discurso de Costa na ONU alinhado com o de Guterres

    País

    O primeiro-ministro, António Costa, proferirá hoje o seu primeiro discurso na Assembleia Geral das Nações Unidas, devendo estar muito alinhado com a agenda política apresentada na terça-feira pelo secretário-geral da ONU, António Guterres, valorizando o multilateralismo.

  • Habitantes da favela da Rocinha temem novo episódio violento
    2:54

    Mundo

    Localizada no Rio de Janeiro, a Rocinha, maior favela do Brasil, foi palco de um tiroteio entre traficantes, no último fim de semana. Agora, pelo terceiro dia consecutivo, a polícia do Rio de Janeiro está a fazer um cerco em algumas favelas cariocas à procura de traficantes. A comunidade está assustada e receia que episódios violentos como este se repitam.