sicnot

Perfil

Cultura

Museu do Chiado exibe tesouros da fotografia portuguesa do século XIX

Uma exposição que reúne, pela primeira vez, fotografias de coleções públicas e privadas da História da fotografia portuguesa, é inaugura no dia 29 de abril, no Museu Nacional de Arte Contemporânea - Museu do Chiado, em Lisboa.  

(museuartecontemporanea.pt) Emilio Biel, Ponte D. Luís. Tabuleiro central em construção, 1881-1886, Palácio Nacional da Ajuda

(museuartecontemporanea.pt) Emilio Biel, Ponte D. Luís. Tabuleiro central em construção, 1881-1886, Palácio Nacional da Ajuda

De acordo com o museu, a exposição, intitulada "Tesouros da Fotografia Portuguesa do Século XIX", com curadoria de Emília Tavares e Margarida Medeiros, abre ao público no dia 30 de abril e ficará patente até 28 de junho.

A mostra vai colocar em diálogo "acervos fotográficos de diversas instituições públicas que têm como missão a salvaguarda do património fotográfico nacional, realçando a necessidade e a premência de abordagens integradas no acesso, estudo e divulgação da fotografia portuguesa". 

Segundo um texto do museu sobre o projeto, grande parte das coleções de fotografia, reunidas nesta mostra, manteve-se inédita, até agora.

Além de revelar obras e autores ao público, o objetivo do projeto é fazer "um primeiro contributo para uma moderna historiografia da fotografia portuguesa".

Percorrendo o legado fotográfico produzido em Portugal, entre meados de 1840 e 1900, o projeto pretende "entender como se elaborou esta nova cultura visual no país, contribuindo para a compreensão de uma sociedade em profunda transformação", indica um texto das curadoras. 

A fotografia, no século XIX, "encontra-se numa encruzilhada entre indústria, ciência, comércio e arte, constituindo uma das marcas da entrada da cultura oitocentista na Modernidade e abalando profundamente as formas de representação artística e não artística", caracterizam.

A partir do lançamento público em França, em 1839, "a fotografia foi prontamente integrada no contexto científico, artístico e comercial da sociedade portuguesa de oitocentos, constituindo-se como um património valioso, que cruza diversas áreas do conhecimento e estabelece um retrato inovador da sociedade e da cultura", acrescentam Emília Tavares e Margarida Medeiros. 

Devido à vastidão do conjunto, o projeto foi desdobrado em duas exposições: a primeira será inaugurada no próximo dia 29, às 19:00, no Museu do Chiado, em Lisboa; a segunda ficará patente na Galeria Municipal Almeida Garrett, no Porto, de 30 de maio a 16 de agosto deste ano, em parceria com a Câmara Municipal.

Lusa
  • BE diz que é urgente preparar o país para a saída do euro
    1:10

    País

    Catarina Martins diz que é urgente preparar o país para o cenário de saída do euro. No final da reunião da mesa nacional do Bloco de Esquerda, a coordenadora do partido criticou o encontro de líderes europeus em Roma e disse ainda que a Europa da convergência chegou ao fim.

  • "Mais UE não significa mais Europa"
    0:50

    País

    O secretário-geral do PCP insiste nas críticas à União Europeia. Um dia depois da comemoração dos 60 anos do Tratado de Roma, Jerónimo de Sousa defendeu, no Seixal, que o modelo europeu está esgotado e prejudica vários países, incluindo Portugal.

  • Aplicação WhatsApp acusada de permitir conversas secretas entre terroristas
    1:45
  • "Um Lugar ao Sol"
    17:05
    Perdidos e Achados

    Perdidos e Achados

    SÁBADO NO JORNAL DA NOITE

    O Perdidos e Achados foi conhecer como eram as férias de outros tempos. Quando o Estado Novo controlava o lazer dos trabalhadores e criava a ilusão de um país exemplar. Na Costa de Caparica, onde é hoje o complexo do INATEL estava instalada a maior colónia de férias do país, chamava-se "Um Lugar ao Sol".