sicnot

Perfil

Cultura

Clã recuperam "Disco Voador" para os mais novos em concertos em Lisboa

O álbum "Disco voador", que os portugueses Clã editaram em 2011 a pensar no público mais novo, serve de mote para dois concertos em julho, no Teatro Municipal São Luiz, em Lisboa.

Clã - Ana Luandina -2014

Clã - Ana Luandina -2014

De acordo com o teatro municipal, o grupo estará nos dias 4 e 5 de julho no Jardim de Inverno com "uma versão instrumental mais minimal" do "Disco Voador".

Embora o repertório dos Clã convoque também espectadores mais novos, foi com "Disco Voador" que entraram pela primeira vez no universo da infância e juventude, a partir de letras da escritora Regina Guimarães.

Foi uma entrada quase inevitável neste universo dos "supernovos", como disse a vocalista dos Clã, Manuela Azevedo, quando o álbum saiu, em consequência de uma encomenda do projeto "Estaleiro" de Vila do Conde,

"Musicalmente não íamos fazer música mais simples ou mais leve só porque era para miúdos. Tínhamos que os levar a sério como ouvintes, por isso íamos dar-lhes tudo o que sabemos", disse a cantora.

Regina Guimarães, que escreveu sobre a amizade, os amores, os sonhos, a independência, chocolates e aventuras, "não é nada maternalista, leva-os a sério, desafia-os com conceitos esquisitos, com histórias estranhas e personagens que viram tudo do avesso. Não tem medo das palavras e das ideias", sublinhou.

Há canções que são "puro divertimento", como "Curta-metragem", outras que são um "exercício fonético divertido", como o "Chocolatando", e ainda outras que celebram "os amores", como "Embeiçados", elencou Manuela Azevedo.

"Disco Voador" já foi apresentado ao vivo no Centro Cultural de Belém e na Casa da Música e alguns dos temas foram integrados no repertório dos concertos dos Clã.

"Este disco deixou-nos livres para fazer muitas coisas, recorrer a diferentes de instrumentos, formas de compor e de arranjar. Libertou-nos para descobrir outras coisas sobre o que é fazer canções. Foi um voo interessante de descoberta", disse Manuela Azevedo.

Os Clã formaram-se em 1992 e editaram o primeiro álbum, "LusoQualquerCoisa" em 1996, há quase vinte anos. O mais recente disco, "Corrente", é de 2014.

Dos Clã fazem parte Hélder Gonçalves (baixo) Miguel Ferreira (teclados), Pedro Biscaia (teclados), Pedro Rito (baixo), Fernando Gonçalves (bateria) e Manuela Azevedo (voz).

Lusa

  • "Não se reconstroem serviços públicos em dois anos"
    0:53

    País

    O Ministro da Saúde diz que os problemas do Serviço Nacional de Saúde não se resolvem em dois anos nem se consegue reverter a trajetória de desinvestimento e delapidação dos serviços públicos até 2019, ou até ao final da legislatura. Em entrevista ao jornal Público e à rádio Renascença, Adalberto Campos Fernandes admitiu ainda que é contra a eutanásia, mas garante que o SNS estará pronto a aplicar a lei, se assim for decidido pelo Parlamento.

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte I)
    35:45

    Operação Marquês

    A acusação da Operação Marquês diz que, em 5 anos, foram pagos quase 36 milhões de euros de luvas a José Sócrates. A maior fatia veio do Grupo Espírito Santo. O Ministério Público fala em pagamentos por decisões políticas sobre negócios da PT, alegadamente em benefício de Ricardo Salgado. Além de Sócrates, também Zeinal Bava e Henrique Granadeiro terão recebido dezenas de milhões de euros do ex-banqueiro. Nesta primeira parte da reportagem "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês", começamos a seguir do rasto desse dinheiro, conduzidos pelas pistas deixadas à investigação, nos registos secretos de um director do Grupo Espírito Santo.

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte II)
    24:59

    Operação Marquês

    O Ministério Público estima que, em apenas 8 anos, a ES Enterprises movimentou mais de três mil milhões de euros. E sempre à margem de qualquer controlo. Na tese da Operação Marquês, foi desta empresa fantasma que saiu a maior parte das luvas alegadamente pagas por Ricardo Salgado a José Sócrates, Zeinal Bava, Henrique Granadeiro e Hélder Bataglia, por causa dos negócio da PT. Na primeira parte da grande reportagem "Oui, Monsieur - o saco azul do marquês" vimos como o chumbo da OPA da SONAE à PT terá sido o primeiro desses negócios.Agora, olhamos para outros pagamentos milionários e procuramos perceber o que está atrás desse alegado saco azul. A investigação concluiu que era financiado através de operações financeiras complexas, por vezes com dinheiro dos clientes do BES.