sicnot

Perfil

Cultura

Gulbenkian rescinde de imediato com Pinto Ribeiro por "quebra de confiança"

O conselho de administração da Fundação Calouste Gulbenkian (FCG) anunciou hoje que rescindiu, com efeito imediato, a ligação a António Pinto Ribeiro, que na semana passada se tinha demitido do cargo de coordenador geral da entidade. 

De acordo com um  comunicado da Fundação, a decisão tem efeitos imediatos por "quebra de confiança institucional" depois das declarações anteriores do programador cultural para se demitir do cargo.

Numa resposta enviada à agência Lusa na última semana, Pinto Ribeiro justificava aquele pedido de demissão com "atitudes autoritárias do presidente da FCG, [Artur Santos Silva]", que considerava "inapropriadas numa sociedade livre e democrática".

Na altura, a Gulbenkian reagiu, declarando que o programador se tinha demitido a seu pedido, e que a saída tinha sido aceite pelo conselho de administração da entidade.

Hoje, a Gulbenkian justifica, por seu turno, esta rescisão imediata da ligação do programador è entidade por entender que "o teor das declarações configura, para o conselho de administração, uma quebra de confiança institucional que inviabiliza o prosseguimento da relação como coordenador do Programa Gulbenkian Próximo Futuro".

A 24 de abril, Pinto Ribeiro indicou, sobre a sua demissão, que tinha solicitado a data de [15 de setembro] para concluir a edição deste ano do Programa Gulbenkian Próximo Futuro, que será a última. 

No início de fevereiro deste ano, a fundação tinha anunciado a nomeação de Pinto Ribeiro, 59 anos, com o objetivo de "conseguir uma crescente articulação entre todas as iniciativas" para os diferentes públicos.

Além de apontar as "atitudes autoritárias" de Artur Santos Silva, avançava ainda razões relacionadas com o cargo de coordenador geral da FCG para qual tinha sido convidado: "Tratava-se apenas de uma figura de retórica, porque, na verdade, a programação continuou a ser feita até meados de junho de 2017 sem que eu dela tivesse conhecimento (pelos diretores dos outros serviços e aprovada pelo membro da administração responsável)".

Ainda segundo Pinto Ribeiro, "a orientação programática [da FCG} para os próximos anos não é a programação adequada para os tempos e o mundo em que hoje vivemos".

António Pinto Ribeiro era desde 2004 consultor cultural da Gulbenkian, onde criou o Programa Gulbenkian Criatividade e Criação Artística (2004-2008) e a partir de 2009 o Programa Gulbenkian Próximo Futuro, que, segundo a FCG, deverá terminar em 2016.

António Pinto Ribeiro, natural de Lisboa, tem formação académica nas áreas da Filosofia, Ciências da Comunicação e Estudos Culturais, nas quais tem desenvolvido trabalho de investigação e de produção teórica, que tem publicado em revistas da especialidade, tendo exercido as funções de diretor artístico da Culturgest, em Lisboa, desde a criação da instituição, em 1992, até abril de 2004.

 
Lusa

  • A estreia de Centeno como líder do Eurogrupo
    1:56
  • Puigdemont chegou à Dinamarca e não foi detido

    Mundo

    A Justiça espanhola pediu à Dinamarca para ativar a ordem de detenção europeia contra Carles Puigdemont, que ignorou as ameaças de detenção e decidiu deslocar-se a Copenhaga para participar numa conferência. Entretanto na Catalunha, o presidente do parlamento propôs Puigdemont para voltar a dirigir o Governo Regional.

  • Eleição de Rio "embaraça" PCP e BE
    0:34

    Opinião

    Luís Marques Mendes considera que a eleição de Rui Rio veio criar embaraço ao PCP e Bloco de Esquerda. O comentador da SIC considera que a promessa de que venha a haver pactos de regime entre PS e PSD é motivo de preocupação para os parceiros do Governo.

    Luís Marques Mendes

  • O caso Assange é "um problema" para o Equador

    Mundo

    O Presidente equatoriano, Lenin Moreno, declarou no domingo que o asilo atribuído ao fundador do WikiLeaks, Julian Assange, pela embaixada do Equador em Londres desde 2012 é "um problema herdado" que constitui "mais que um aborrecimento".