sicnot

Perfil

Cultura

Gulbenkian rescinde de imediato com Pinto Ribeiro por "quebra de confiança"

O conselho de administração da Fundação Calouste Gulbenkian (FCG) anunciou hoje que rescindiu, com efeito imediato, a ligação a António Pinto Ribeiro, que na semana passada se tinha demitido do cargo de coordenador geral da entidade. 

De acordo com um  comunicado da Fundação, a decisão tem efeitos imediatos por "quebra de confiança institucional" depois das declarações anteriores do programador cultural para se demitir do cargo.

Numa resposta enviada à agência Lusa na última semana, Pinto Ribeiro justificava aquele pedido de demissão com "atitudes autoritárias do presidente da FCG, [Artur Santos Silva]", que considerava "inapropriadas numa sociedade livre e democrática".

Na altura, a Gulbenkian reagiu, declarando que o programador se tinha demitido a seu pedido, e que a saída tinha sido aceite pelo conselho de administração da entidade.

Hoje, a Gulbenkian justifica, por seu turno, esta rescisão imediata da ligação do programador è entidade por entender que "o teor das declarações configura, para o conselho de administração, uma quebra de confiança institucional que inviabiliza o prosseguimento da relação como coordenador do Programa Gulbenkian Próximo Futuro".

A 24 de abril, Pinto Ribeiro indicou, sobre a sua demissão, que tinha solicitado a data de [15 de setembro] para concluir a edição deste ano do Programa Gulbenkian Próximo Futuro, que será a última. 

No início de fevereiro deste ano, a fundação tinha anunciado a nomeação de Pinto Ribeiro, 59 anos, com o objetivo de "conseguir uma crescente articulação entre todas as iniciativas" para os diferentes públicos.

Além de apontar as "atitudes autoritárias" de Artur Santos Silva, avançava ainda razões relacionadas com o cargo de coordenador geral da FCG para qual tinha sido convidado: "Tratava-se apenas de uma figura de retórica, porque, na verdade, a programação continuou a ser feita até meados de junho de 2017 sem que eu dela tivesse conhecimento (pelos diretores dos outros serviços e aprovada pelo membro da administração responsável)".

Ainda segundo Pinto Ribeiro, "a orientação programática [da FCG} para os próximos anos não é a programação adequada para os tempos e o mundo em que hoje vivemos".

António Pinto Ribeiro era desde 2004 consultor cultural da Gulbenkian, onde criou o Programa Gulbenkian Criatividade e Criação Artística (2004-2008) e a partir de 2009 o Programa Gulbenkian Próximo Futuro, que, segundo a FCG, deverá terminar em 2016.

António Pinto Ribeiro, natural de Lisboa, tem formação académica nas áreas da Filosofia, Ciências da Comunicação e Estudos Culturais, nas quais tem desenvolvido trabalho de investigação e de produção teórica, que tem publicado em revistas da especialidade, tendo exercido as funções de diretor artístico da Culturgest, em Lisboa, desde a criação da instituição, em 1992, até abril de 2004.

 
Lusa

  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Mãe do guarda-redes da Chapecoense comove o Brasil
    1:37
  • Dezenas de mortos em bombardeamentos do Daesh em Mossul

    Daesh

    Dezenas de civis, entre os quais várias crianças, morreram e outros ficaram feridos em ataques de morteiro efetuados pelo grupo extremista Daesh em Mossul, disse à agência Efe o vice-comandante das forças antiterroristas iraquianas.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.

  • Tribunal chinês iliba jovem executado há 21 anos

    Mundo

    Nie Shubin foi fuzilado em 1995, na altura com 20 anos, depois de ter sido condenado por violação e assassinato de uma mulher, na cidade de Shijiazhuang. Agora, a justiça chinesa vem dizer que, afinal, o jovem era inocente, uma vez que não foram encontradas provas suficientes para o condenar.