sicnot

Perfil

Cultura

Romance duplo de Gonçalo M. Tavares finalista do prémio europeu Jean-Monnet

O romance duplo "Um homem: Klaus Klump e A máquina de Joseph Walser", de Gonçalo M. Tavares, está entre os finalistas do Prémio Jean-Monnet de Literatura Europeia, anunciou a sua editora.

unknown

O livro "Um homem Klaus Klump e A máquina de Joseph Walser" foi editado em França, no ano passado, pela Viviane Hamy, e em Portugal, em 2008, pela Caminho, e é um dos oito finalistas do Prémio Jean-Monnet de Literatura Europeia.

A obra, intitulada em francês "Un homme: Klaus Klump et la machine de Joseph Walser", foi traduzida por Dominique Nédellec.

"Um homem Klaus Klump e A máquina de Joseph Walser" é, segundo a Editorial Caminho, que chancela a obra em Portugal, uma "nova versão, com um novo final, de dois romances passados no mesmo período e na mesma paisagem que, lidos em paralelo e em conjunto, dão espaço para uma diferente e complementar leitura".

Entre os finalistas do Prémio Jean-Monnet de Literatura Europeia estão também o greco-francês Vassilis Alexakis, com "La Clarinette", o espanhol Rafael Chirbes, com o título "Sur le rivage", a alemã Ursula Krechel, com "Terminus Allemagne", e o norueguês Kim Leine, com a obra "Les prophètes du fjord de l'Eternité".

Completam a lista de finalistas a ucraniana Maria Natios, com o romance "Daroussia la douce", o austríaco Christoph Ransmayr, com "Atlas d'un homme inquiet", e o holandês Tommy Wieringa, com o título "Voici les noms".

O vencedor vai ser conhecido em finais de junho e o galardão será entregue no dia 21 de novembro, no Centro de Congressos La Salamandre, em Cognac, no noroeste de França.

O português Gonçalo M. Tavares, de 44 anos, natural de Luanda, já foi distinguido, entre outros, com os prémios Portugal Telecom de Literatura (2007) e José Saramago (2005).

O autor recebeu o Prémio Branquinho da Fonseca/Gulbenkian-Expresso, pelo livro "O senhor Valéry" (2002), o Prémio Revelação de Poesia da Associação Portuguesa de Escritores com "Investigações. Novalis" e o Grande Prémio de Conto da Associação Portuguesa de Escritores Camilo Castelo Branco", com "Água, cão, cavalo, cabeça" (2006). Em 2008 foi distinguido com o X Prémio Internacional Trieste, nordeste de Itália.

O romance "Jerusalém", distinguido com o LER/Millennium BCP em 2004, foi incluído na edição europeia de "1001 livros para ler antes de morrer -- um guia cronológico dos mais importantes romances de todos os tempos".

O romance "Uma viagem à Índia" (2010) valeu-lhe os prémios Fernando Namora/Estoril  Sol, Ler/Blogtailors Melhor Livro, Sociedade Portuguesa de Autores -Melhor Ficção Narrativa, e o Grande Prémio da Associação Portuguesa de Escritores.

Lusa
  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Mãe do guarda-redes da Chapecoense comove o Brasil
    1:37
  • Dezenas de mortos em bombardeamentos do Daesh em Mossul

    Daesh

    Dezenas de civis, entre os quais várias crianças, morreram e outros ficaram feridos em ataques de morteiro efetuados pelo grupo extremista Daesh em Mossul, disse à agência Efe o vice-comandante das forças antiterroristas iraquianas.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.

  • Tribunal chinês iliba jovem executado há 21 anos

    Mundo

    Nie Shubin foi fuzilado em 1995, na altura com 20 anos, depois de ter sido condenado por violação e assassinato de uma mulher, na cidade de Shijiazhuang. Agora, a justiça chinesa vem dizer que, afinal, o jovem era inocente, uma vez que não foram encontradas provas suficientes para o condenar.