sicnot

Perfil

Cultura

Museu sobre Partido Nazi abre portas em Munique

A cidade alemã de Munique inaugura hoje um museu documental no local onde ficava a antiga sede do Partido Nazi, enfrentando assim o difícil legado como "casa do movimento" de Hitler. 

Tobias Hase


A inauguração coincide com o 70.º aniversário da "libertação" de Munique pelas tropas norte-americanas no final da II Guerra Mundial e do suicídio de Adolf Hitler, no mesmo dia, num 'bunker' em Berlim.

Veteranos norte-americanos e sobreviventes do Holocausto vão juntar-se a líderes políticos para uma cerimónia solene no novo museu, um moderno cubo branco construído entre os poucos edifícios neoclássicos sobreviventes, naquele que era o centro organizacional dos Nazis.

O diretor do museu, Winfried Nerdinger, admitiu que Munique levou muito tempo a enfrentar o tóxico legado de ter sido o local de nascimento do partido de Hitler.

"Munique tem mais dificuldades com isto do que qualquer outra cidade alemã porque ficou também mais manchada que qualquer outra cidade", disse.

Nerdinger explicou que o objetivo do "Centro de Documentação da História do Nacional-Socialismo" é perceber como Munique, que se orgulhava de ser um centro de tolerância, com um ambiente artístico em ebulição, pôde assistir a uma tal perversão do seu espírito cívico.

O museu de quarto andares oferece textos explicativos em inglês e alemão, fotografias de época, vídeos que documentam marchas militares e a destruição da cidade após o bombardeamento dos Aliados.

Nerdinger frisou que foi evitada a exibição de uniformes ou enormes bandeiras com suásticas, já que não tinha qualquer desejo de promover a "estética" nazi.

Os visitantes podem, em vez disso, encontrar artefactos como um soneto rabiscado à mão pelo membro da resistência Albrecht Haushofer, que foi executado pouco antes de a guerra acabar - as manchas de sangue ainda são visíveis no papel.



  • O primeiro dia de Donald Trump na Casa Branca
    3:05
  • Advogados de Sócrates queixam-se de bullying processual e mediático
    2:13

    Operação Marquês

    Os advogados de José Sócrates queixam-se de bullying processual e mediático e garantem que o antigo primeiro-ministro nunca favoreceu Ricardo Salgado ou o Grupo Espirito Santo. Segundo o Expresso, o presidente da Escom, Helder Bataglia, terá admitido que Ricardo Salgado utilizou uma conta bancária do empresário, na Suíça, para passar 12 milhões de euros a Carlos Santos Silva, alegadamente para o amigo José Sócrates.

  • Marine Le Pen diz que Brexit terá efeito dominó na UE
    0:39

    Brexit

    Marine Le Pen diz que o Brexit vai ter um efeito dominó na União Europeia. Durante um congresso da extrema-direita, a líder da Frente Nacional francesa afirmou que a Europa vai despertar este ano em que estão marcadas eleições em vários países, como a Alemanha e a Holanda.