sicnot

Perfil

Cultura

Dia Mundial da Liberdade de Imprensa comemora-se no domingo

O Dia Mundial da Liberdade de Imprensa comemora-se no domingo, num ano que fica marcado por um declínio global na garantia do exercício livre do direito-dever de informar, refere um comunicado do Sindicato de Jornalistas. 

Edgar Ascensão / SIC

No documento, que é também subscrito pela Associação Portuguesa de Imprensa, as duas organizações citam o relatório anual da organização de defesa de direitos humanos Freedom House, que concluiu que a liberdade de imprensa registou, em 2014, os piores resultados da última década.

E ainda que a Europa seja a região do mundo com melhores resultados, foi na Europa que se registou o pior declínio dos últimos dez anos ao nível da liberdade de imprensa, com Portugal a surgir em 25.º lugar da tabela, acrescentam.

O direito à diferença é o lema das comemorações do Dia Mundial da Liberdade de Imprensa - que se assinala desde 1993 -- com o objetivo de chamar a atenção de jornalistas, editores e proprietários de órgãos de comunicação social para a importância de preservarem a liberdade de imprensa no exercício das suas profissões.

Pretende-se também chamar a atenção dos cidadãos para as violações e ameaças à liberdade de imprensa, acrescenta o comunicado.

Nesse sentido, o Sindicato dos Jornalistas e a Associação Portuguesa de Imprensa (API) associam-se ao Dia da Diferença, organizado pela Plataforma de Bruxelas para o Jornalismo, juntando-se, entre outras, à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ) e à Associação Mundial de Jornais (WAN-IFRA).

"Quão perigosos são os cartoons?", "Uma editoria Europa em cada jornal", "Quão perigoso é o jornalismo" e "Pode o jornalismo de investigação mudar o mundo?" são alguns dos temas a debater, no domingo, em Bruxelas no âmbito do Dia da Diferença. 

"Deixem o Jornalismo prosperar! Rumo a uma melhor comunicação, à igualdade de género e à segurança mediática na era digital", por seu turno, é o lema da mensagem deste ano das Nações Unidas para o Dia da Diferença.

No domingo, a Associação Mundial de Jornais lança o sítio www.softcensorship.org, uma conta no Twitter - @softcensorship -- e a campanha #SoftCensorship, de modo a criarem uma plataforma de intervenção pela liberdade de imprensa.

No documento, o Sindicato dos Jornalistas chama ainda a atenção para a necessidade de dar relevo ao imperativo de igualdade, de tratamento e de oportunidades, entre homens e mulheres jornalistas, nomeadamente no que respeita aos cargos de chefia e de responsabilidade, já que cada vez mais mulheres exercem a profissão em Portugal.

Lusa
  • O papel da religião no quotidiano
    24:57
  • Jane Goodall iniciou palestra com sons semelhantes aos dos chimpanzés
    2:18

    País

    A investigadora Jane Goodall esteve esta quinta-feira em Lisboa para participar numa conferência da National Geographic. A primatóloga começou o seu discurso com sons semelhantes aos dos chimpanzés. Numa entrevista à SIC, Goodall falou sobre os chimpanzés e sobre o trabalho que continua a desenvolver em todo o mundo, em prol do ambiente, dos animais e das pessoas. 

  • NATO vai aumentar luta contra o terrorismo

    Mundo

    O secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, disse que os aliados da NATO concordaram esta quinta-feira em aumentar a luta contra o terrorismo e em "investir mais e melhor" na Aliança.

  • Trump empurra líder do Montenegro para ficar à frente na fotografia

    Mundo

    A reunião de líderes dos Estados-membros da NATO, que decorreu esta quinta-feira em Bruxelas, na Bélgica, ficou marcada por um momento insólito em que o Presidente norte-americano não quis abdicar de ficar no melhor plano possível nas fotografias de grupo. Nem que para isso tenha sido necessário empurar o líder de outro país.

  • O humor de John Kerry nas críticas a Trump
    0:40

    Mundo

    John Kerry criticou as ligações de Donald Trump com a Rússia durante um discurso de abertura, na Universidade de Harvard. O ex-secretário de Estado norte-americano disse, em tom de brincadeira, que se os jovens querem vingar na política, devem primeiro aprender a falar russo.