sicnot

Perfil

Cultura

Dia Mundial da Liberdade de Imprensa comemora-se no domingo

O Dia Mundial da Liberdade de Imprensa comemora-se no domingo, num ano que fica marcado por um declínio global na garantia do exercício livre do direito-dever de informar, refere um comunicado do Sindicato de Jornalistas. 

Edgar Ascensão / SIC

No documento, que é também subscrito pela Associação Portuguesa de Imprensa, as duas organizações citam o relatório anual da organização de defesa de direitos humanos Freedom House, que concluiu que a liberdade de imprensa registou, em 2014, os piores resultados da última década.

E ainda que a Europa seja a região do mundo com melhores resultados, foi na Europa que se registou o pior declínio dos últimos dez anos ao nível da liberdade de imprensa, com Portugal a surgir em 25.º lugar da tabela, acrescentam.

O direito à diferença é o lema das comemorações do Dia Mundial da Liberdade de Imprensa - que se assinala desde 1993 -- com o objetivo de chamar a atenção de jornalistas, editores e proprietários de órgãos de comunicação social para a importância de preservarem a liberdade de imprensa no exercício das suas profissões.

Pretende-se também chamar a atenção dos cidadãos para as violações e ameaças à liberdade de imprensa, acrescenta o comunicado.

Nesse sentido, o Sindicato dos Jornalistas e a Associação Portuguesa de Imprensa (API) associam-se ao Dia da Diferença, organizado pela Plataforma de Bruxelas para o Jornalismo, juntando-se, entre outras, à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ) e à Associação Mundial de Jornais (WAN-IFRA).

"Quão perigosos são os cartoons?", "Uma editoria Europa em cada jornal", "Quão perigoso é o jornalismo" e "Pode o jornalismo de investigação mudar o mundo?" são alguns dos temas a debater, no domingo, em Bruxelas no âmbito do Dia da Diferença. 

"Deixem o Jornalismo prosperar! Rumo a uma melhor comunicação, à igualdade de género e à segurança mediática na era digital", por seu turno, é o lema da mensagem deste ano das Nações Unidas para o Dia da Diferença.

No domingo, a Associação Mundial de Jornais lança o sítio www.softcensorship.org, uma conta no Twitter - @softcensorship -- e a campanha #SoftCensorship, de modo a criarem uma plataforma de intervenção pela liberdade de imprensa.

No documento, o Sindicato dos Jornalistas chama ainda a atenção para a necessidade de dar relevo ao imperativo de igualdade, de tratamento e de oportunidades, entre homens e mulheres jornalistas, nomeadamente no que respeita aos cargos de chefia e de responsabilidade, já que cada vez mais mulheres exercem a profissão em Portugal.

Lusa
  • Passos acusa Governo de "sacudir água do capote"

    País

    O líder do PSD, Pedro Passos Coelho, acusou este sábado o Governo de "sacudir a água do capote" para não assumir a responsabilidade pelo que está a ser decidido, usando uma política de comunicação que considerou ser um "embuste".

  • Quase 200 polícias solidários com agentes acusados
    2:29

    País

    Perto de 200 polícias manifestaram-se este sábado na sede da PSP em Alfragide, em solidariedade com os 18 agentes acusados no processo Cova da Moura. O Sindicato Nacional de Polícia associou-se ao protesto e diz existir um aproveitamento político do caso.

  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.