sicnot

Perfil

Cultura

Dia Mundial da Liberdade de Imprensa comemora-se no domingo

O Dia Mundial da Liberdade de Imprensa comemora-se no domingo, num ano que fica marcado por um declínio global na garantia do exercício livre do direito-dever de informar, refere um comunicado do Sindicato de Jornalistas. 

Edgar Ascensão / SIC

No documento, que é também subscrito pela Associação Portuguesa de Imprensa, as duas organizações citam o relatório anual da organização de defesa de direitos humanos Freedom House, que concluiu que a liberdade de imprensa registou, em 2014, os piores resultados da última década.

E ainda que a Europa seja a região do mundo com melhores resultados, foi na Europa que se registou o pior declínio dos últimos dez anos ao nível da liberdade de imprensa, com Portugal a surgir em 25.º lugar da tabela, acrescentam.

O direito à diferença é o lema das comemorações do Dia Mundial da Liberdade de Imprensa - que se assinala desde 1993 -- com o objetivo de chamar a atenção de jornalistas, editores e proprietários de órgãos de comunicação social para a importância de preservarem a liberdade de imprensa no exercício das suas profissões.

Pretende-se também chamar a atenção dos cidadãos para as violações e ameaças à liberdade de imprensa, acrescenta o comunicado.

Nesse sentido, o Sindicato dos Jornalistas e a Associação Portuguesa de Imprensa (API) associam-se ao Dia da Diferença, organizado pela Plataforma de Bruxelas para o Jornalismo, juntando-se, entre outras, à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ) e à Associação Mundial de Jornais (WAN-IFRA).

"Quão perigosos são os cartoons?", "Uma editoria Europa em cada jornal", "Quão perigoso é o jornalismo" e "Pode o jornalismo de investigação mudar o mundo?" são alguns dos temas a debater, no domingo, em Bruxelas no âmbito do Dia da Diferença. 

"Deixem o Jornalismo prosperar! Rumo a uma melhor comunicação, à igualdade de género e à segurança mediática na era digital", por seu turno, é o lema da mensagem deste ano das Nações Unidas para o Dia da Diferença.

No domingo, a Associação Mundial de Jornais lança o sítio www.softcensorship.org, uma conta no Twitter - @softcensorship -- e a campanha #SoftCensorship, de modo a criarem uma plataforma de intervenção pela liberdade de imprensa.

No documento, o Sindicato dos Jornalistas chama ainda a atenção para a necessidade de dar relevo ao imperativo de igualdade, de tratamento e de oportunidades, entre homens e mulheres jornalistas, nomeadamente no que respeita aos cargos de chefia e de responsabilidade, já que cada vez mais mulheres exercem a profissão em Portugal.

Lusa
  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.