sicnot

Perfil

Cultura

Dia Mundial da Liberdade de Imprensa comemora-se no domingo

O Dia Mundial da Liberdade de Imprensa comemora-se no domingo, num ano que fica marcado por um declínio global na garantia do exercício livre do direito-dever de informar, refere um comunicado do Sindicato de Jornalistas. 

Edgar Ascensão / SIC

No documento, que é também subscrito pela Associação Portuguesa de Imprensa, as duas organizações citam o relatório anual da organização de defesa de direitos humanos Freedom House, que concluiu que a liberdade de imprensa registou, em 2014, os piores resultados da última década.

E ainda que a Europa seja a região do mundo com melhores resultados, foi na Europa que se registou o pior declínio dos últimos dez anos ao nível da liberdade de imprensa, com Portugal a surgir em 25.º lugar da tabela, acrescentam.

O direito à diferença é o lema das comemorações do Dia Mundial da Liberdade de Imprensa - que se assinala desde 1993 -- com o objetivo de chamar a atenção de jornalistas, editores e proprietários de órgãos de comunicação social para a importância de preservarem a liberdade de imprensa no exercício das suas profissões.

Pretende-se também chamar a atenção dos cidadãos para as violações e ameaças à liberdade de imprensa, acrescenta o comunicado.

Nesse sentido, o Sindicato dos Jornalistas e a Associação Portuguesa de Imprensa (API) associam-se ao Dia da Diferença, organizado pela Plataforma de Bruxelas para o Jornalismo, juntando-se, entre outras, à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ) e à Associação Mundial de Jornais (WAN-IFRA).

"Quão perigosos são os cartoons?", "Uma editoria Europa em cada jornal", "Quão perigoso é o jornalismo" e "Pode o jornalismo de investigação mudar o mundo?" são alguns dos temas a debater, no domingo, em Bruxelas no âmbito do Dia da Diferença. 

"Deixem o Jornalismo prosperar! Rumo a uma melhor comunicação, à igualdade de género e à segurança mediática na era digital", por seu turno, é o lema da mensagem deste ano das Nações Unidas para o Dia da Diferença.

No domingo, a Associação Mundial de Jornais lança o sítio www.softcensorship.org, uma conta no Twitter - @softcensorship -- e a campanha #SoftCensorship, de modo a criarem uma plataforma de intervenção pela liberdade de imprensa.

No documento, o Sindicato dos Jornalistas chama ainda a atenção para a necessidade de dar relevo ao imperativo de igualdade, de tratamento e de oportunidades, entre homens e mulheres jornalistas, nomeadamente no que respeita aos cargos de chefia e de responsabilidade, já que cada vez mais mulheres exercem a profissão em Portugal.

Lusa
  • O resgate dos passageiros do naufrágio em Cascais
    1:48
  • É importante que "as pessoas não tenham medo" de denunciar o tráfico humano
    0:48

    País

    Manuel Albano, relator nacional para o tráfico de pessoas, concorda com a ideia de que é necessário continuar a investir na inspeção e na fiscalização para travar o tráfico de seres humanos, mas rejeita a denúncia do sindicato dos trabalhadores do SEF, que esta quinta-feira alertou para a "falta de controlo".

  • Trocar a economia pela dança
    7:21
  • Salas de consumo assistido previstas na lei há 17 anos
    3:01
  • O que faz um guaxinim às duas da manhã num quartel de bombeiros?

    Mundo

    Os animais são muitas vezes os protagonistas de histórias incríveis ou até insólitas. Desde o cão mais pequeno ao urso mais assustador. Desta vez, o principal interveniente é um guaxinim, que foi levado até um quartel de bombeiros por uma dona muito preocupada. Porquê? O animal estava sob o efeito de drogas.

    SIC

  • "Por vezes até as princesas da Disney ficam apavoradas"

    Mundo

    A atriz norte-americana Patti Murin foi esta semana elogiada nas redes sociais por se preocupar com a sua saúde mental e não ter problemas em falar sobre o assunto. A artista faltou a um espetáculo da Disney, onde ia atuar, devido a um ataque de ansiedade.

    SIC

  • Presidente do Uganda quer proibir sexo oral

    Mundo

    O Presidente do Uganda emitiu um aviso público durante um conferência de imprensa anunciando que vai banir a prática de sexo oral no país. Yoweri Museveni justifica o ato, explicando que "a boca serve para comer".

    SIC