sicnot

Perfil

Cultura

Dia Mundial da Liberdade de Imprensa comemora-se no domingo

O Dia Mundial da Liberdade de Imprensa comemora-se no domingo, num ano que fica marcado por um declínio global na garantia do exercício livre do direito-dever de informar, refere um comunicado do Sindicato de Jornalistas. 

Edgar Ascensão / SIC

No documento, que é também subscrito pela Associação Portuguesa de Imprensa, as duas organizações citam o relatório anual da organização de defesa de direitos humanos Freedom House, que concluiu que a liberdade de imprensa registou, em 2014, os piores resultados da última década.

E ainda que a Europa seja a região do mundo com melhores resultados, foi na Europa que se registou o pior declínio dos últimos dez anos ao nível da liberdade de imprensa, com Portugal a surgir em 25.º lugar da tabela, acrescentam.

O direito à diferença é o lema das comemorações do Dia Mundial da Liberdade de Imprensa - que se assinala desde 1993 -- com o objetivo de chamar a atenção de jornalistas, editores e proprietários de órgãos de comunicação social para a importância de preservarem a liberdade de imprensa no exercício das suas profissões.

Pretende-se também chamar a atenção dos cidadãos para as violações e ameaças à liberdade de imprensa, acrescenta o comunicado.

Nesse sentido, o Sindicato dos Jornalistas e a Associação Portuguesa de Imprensa (API) associam-se ao Dia da Diferença, organizado pela Plataforma de Bruxelas para o Jornalismo, juntando-se, entre outras, à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ) e à Associação Mundial de Jornais (WAN-IFRA).

"Quão perigosos são os cartoons?", "Uma editoria Europa em cada jornal", "Quão perigoso é o jornalismo" e "Pode o jornalismo de investigação mudar o mundo?" são alguns dos temas a debater, no domingo, em Bruxelas no âmbito do Dia da Diferença. 

"Deixem o Jornalismo prosperar! Rumo a uma melhor comunicação, à igualdade de género e à segurança mediática na era digital", por seu turno, é o lema da mensagem deste ano das Nações Unidas para o Dia da Diferença.

No domingo, a Associação Mundial de Jornais lança o sítio www.softcensorship.org, uma conta no Twitter - @softcensorship -- e a campanha #SoftCensorship, de modo a criarem uma plataforma de intervenção pela liberdade de imprensa.

No documento, o Sindicato dos Jornalistas chama ainda a atenção para a necessidade de dar relevo ao imperativo de igualdade, de tratamento e de oportunidades, entre homens e mulheres jornalistas, nomeadamente no que respeita aos cargos de chefia e de responsabilidade, já que cada vez mais mulheres exercem a profissão em Portugal.

Lusa
  • Paulo Macedo pede calma para o bem do banco
    1:45

    Caso CGD

    Paulo Macedo falou pela primeira vez desde que foi eleito o novo Presidente da Caixa Geral de Depósitos e, para o bem do banco público, pediu calma a todos. Passos Coelho veio dizer que a recapitalização da Caixa pode ter de ser feita no verão do próximo ano para salvaguardar o défice deste ano. Já António Costa preferiu não comentar as declarações de Passos e diz que o banco público há muito que precisava de ser recapitalizado.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59
  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados". Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade.