sicnot

Perfil

Cultura

Linguista diz que Novo Acordo Ortográfico causa mudanças mais significativas no português brasileiro

O novo Acordo Ortográfico (AO) causou mudanças mais significativas no português brasileiro do que no utilizado em Portugal, afirmou o doutor em linguística José Luiz Fiorin, professor da Universidade de São Paulo. 

O Acordo Ortográfico passou a ser aplicado a 1 de janeiro do ano passado nos documentos do Estado e no ano letivo 2011/2012 no sistema educativo

O Acordo Ortográfico passou a ser aplicado a 1 de janeiro do ano passado nos documentos do Estado e no ano letivo 2011/2012 no sistema educativo

"O português de Portugal vai deixar de usar o que chamamos de consoantes mudas. Porém, acho que as duas mudanças mais significativas para o português brasileiro representam perda maior, porque são ligadas à maneira com que os brasileiros pronunciam as palavras. É diferente do caso das consoantes mudas que não são pronunciadas", afirmou Fiorin à Lusa.

O doutor em linguística referiu-se ao fim do uso do trema, que indicava quando a letra u deveria ser pronunciada após as letras q e g, e a queda do acento da base aberta dos ditongos ei e oi em palavras paroxítonas, como em ideia (que, sem o novo acordo, no Brasil seria grafada como idéia). 

Fiorin realçou, no entanto, que as análises sobre o acordo não devem ser centradas em quem ganha mais ou quem perde mais, mas sim nos benefícios da unificação. 

"Unificar a ortografia significa mostrar a radical vontade de exibir para o mundo a unidade que deve existir entre os países lusófonos. Qualquer consideração entre quem ganha e quem perde está fora de contexto", disse. 

Segundo o professor, o acordo já "está completamente implantado no Brasil" porque os jornais, revistas e livros já utilizam a nova ortografia e "não havia nenhuma necessidade" de se prorrogar o início da obrigatoriedade de 2013, como antes era previsto, para 2016, quando irá começar oficialmente. 

As principais diferenças da antiga ortografia para a do novo acordo destacadas por brasileiros ouvidos pela Lusa são a mudança no uso do hífen e nas acentuações dos ditongos.

"Eu acho que, com o tempo, incorporamos, mas, no começo, assusta um pouco. Às vezes vou escrever uma palavra, e olha que estudo bastante, escrevo bastante, e mesmo assim atrapalho-me", afirmou o escritor Ivan Petrovich, 55 anos. 

A mudança antecipada dos livros e da imprensa, desde 2009, facilitou a memorização das regras, segundo o músico Pedro Henrique Dona, 24 anos. "Achei tranquilo. É mais difícil na hora de escrever. Mas, para ler, não", disse. 

O professor de geografia Sergei Alvarez, 40 anos, afirmou que já se sente adaptado, mas que ainda vê nos trabalhos dos seus alunos algumas regras antigas. 

A estudante de jornalismo Mariana Bastos, 25 anos, considerou que algumas mudanças deixaram a ortografia mais fácil, mas, no início, geraram confusão, tanto para escolher a opção correta, como para que o leitor considerasse o uso como adequado. 

Para a estudante, o período de transição ainda não foi suficiente para que o acordo fosse completamente incorporado.

Já a executiva Tatiane Bernardo, 36 anos, afirmou ter dificuldade em explicar a ortografia ao filho. "Tem o corretor no computador, mas, quando vou tentar explicar, complica", disse. 

O Acordo Ortográfico foi ratificado pela maioria dos países lusófonos, à exceção de Angola e Moçambique. Em Angola ainda nem foi aprovado pelo Governo e em Moçambique aguarda a ratificação pelo parlamento.

Portugal e Brasil estabeleceram moratórias para a aplicação do acordo, estando prevista a entrada em vigor efetiva a 13 de maio e a 1 de janeiro próximos, respetivamente.



Lusa
  • E agora?
    15:07

    Reportagem Especial

    Há uma semana, Portugal voltou a ser palco de uma tragédia que matou pelo menos 44 pessoas e deixou cerca de 70 feridas. Os incêndios destruíram mais de 800 casas, dezenas de empresas e explorações agropecuárias, mataram milhares de animais e consumiram uma gigantesca área de floresta. A reportagem da SIC andou pelo concelho de Tondela, onde três pessoas morreram e o levantamento de prejuízos ainda não está fechado.

  • "Sinto-me como quem leva uma sova monumental"
    0:30
  • Temperaturas vão subir até 4ª feira

    País

    As temperaturas vão subir até esta quarta-feira, prevendo-se máximas entre os 22 e os 29 graus na generalidade do território, valores acima do normal para a época do ano, adiantou hoje a meteorologista Maria João Frada.

  • "Não compreendi absolutamente nada a substituição do Casillas"
    1:58
    Play-Off

    Play-Off

    DOMINGO 22:00

    Os guarda-redes de FC Porto e Benfica estão neste momento em destaque depois de José Sá ter assumido a baliza dos dragões em detrimento de Iker Casillas. Nas águias, Svilar repetiu a titularidade frente ao Desportivo das Aves. Os comentadores do programa Play-Off Rodolfo Rei, Rui Santos, João Alves e Manuel Fernandes analisaram as duas situações.

  • Famílias afetadas pelos fogos começam a receber bens de primeira necessidade
    2:30
  • Equipa responsável por renovação da Proteção Civil ainda não é conhecida
    2:45

    País

    A constituição da unidade de missão que deverá entrar esta segunda-feira em funções para concretizar a reforma dos sistemas de prevenção e combate a incêndios ainda não é conhecida. A equipa de trabalho anunciada por António Costa será responsável por pôr de pé o novo sistema de Proteção Civil, aprovado no Conselho de Ministros extraordinário de sábado.

  • "Quero unir o PSD depois de o clarificar"
    1:17
  • Quem são os lesados do BES?
    4:52