sicnot

Perfil

Cultura

Linguista diz que Novo Acordo Ortográfico causa mudanças mais significativas no português brasileiro

O novo Acordo Ortográfico (AO) causou mudanças mais significativas no português brasileiro do que no utilizado em Portugal, afirmou o doutor em linguística José Luiz Fiorin, professor da Universidade de São Paulo. 

O Acordo Ortográfico passou a ser aplicado a 1 de janeiro do ano passado nos documentos do Estado e no ano letivo 2011/2012 no sistema educativo

O Acordo Ortográfico passou a ser aplicado a 1 de janeiro do ano passado nos documentos do Estado e no ano letivo 2011/2012 no sistema educativo

"O português de Portugal vai deixar de usar o que chamamos de consoantes mudas. Porém, acho que as duas mudanças mais significativas para o português brasileiro representam perda maior, porque são ligadas à maneira com que os brasileiros pronunciam as palavras. É diferente do caso das consoantes mudas que não são pronunciadas", afirmou Fiorin à Lusa.

O doutor em linguística referiu-se ao fim do uso do trema, que indicava quando a letra u deveria ser pronunciada após as letras q e g, e a queda do acento da base aberta dos ditongos ei e oi em palavras paroxítonas, como em ideia (que, sem o novo acordo, no Brasil seria grafada como idéia). 

Fiorin realçou, no entanto, que as análises sobre o acordo não devem ser centradas em quem ganha mais ou quem perde mais, mas sim nos benefícios da unificação. 

"Unificar a ortografia significa mostrar a radical vontade de exibir para o mundo a unidade que deve existir entre os países lusófonos. Qualquer consideração entre quem ganha e quem perde está fora de contexto", disse. 

Segundo o professor, o acordo já "está completamente implantado no Brasil" porque os jornais, revistas e livros já utilizam a nova ortografia e "não havia nenhuma necessidade" de se prorrogar o início da obrigatoriedade de 2013, como antes era previsto, para 2016, quando irá começar oficialmente. 

As principais diferenças da antiga ortografia para a do novo acordo destacadas por brasileiros ouvidos pela Lusa são a mudança no uso do hífen e nas acentuações dos ditongos.

"Eu acho que, com o tempo, incorporamos, mas, no começo, assusta um pouco. Às vezes vou escrever uma palavra, e olha que estudo bastante, escrevo bastante, e mesmo assim atrapalho-me", afirmou o escritor Ivan Petrovich, 55 anos. 

A mudança antecipada dos livros e da imprensa, desde 2009, facilitou a memorização das regras, segundo o músico Pedro Henrique Dona, 24 anos. "Achei tranquilo. É mais difícil na hora de escrever. Mas, para ler, não", disse. 

O professor de geografia Sergei Alvarez, 40 anos, afirmou que já se sente adaptado, mas que ainda vê nos trabalhos dos seus alunos algumas regras antigas. 

A estudante de jornalismo Mariana Bastos, 25 anos, considerou que algumas mudanças deixaram a ortografia mais fácil, mas, no início, geraram confusão, tanto para escolher a opção correta, como para que o leitor considerasse o uso como adequado. 

Para a estudante, o período de transição ainda não foi suficiente para que o acordo fosse completamente incorporado.

Já a executiva Tatiane Bernardo, 36 anos, afirmou ter dificuldade em explicar a ortografia ao filho. "Tem o corretor no computador, mas, quando vou tentar explicar, complica", disse. 

O Acordo Ortográfico foi ratificado pela maioria dos países lusófonos, à exceção de Angola e Moçambique. Em Angola ainda nem foi aprovado pelo Governo e em Moçambique aguarda a ratificação pelo parlamento.

Portugal e Brasil estabeleceram moratórias para a aplicação do acordo, estando prevista a entrada em vigor efetiva a 13 de maio e a 1 de janeiro próximos, respetivamente.



Lusa
  • "É mais um notável tiro no pé de Passos Coelho"
    4:04

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no Jornal da Noite, a polémica em torno de Pedro Passos Coelho, depois do presidente do PSD ter pedido desculpas por ter "usado informação não confirmada", ao falar na existência de suicídios, depois desmentidos, como consequência da falta de apoio psicológico na tragédia de Pedrógão Grande. Sousa Tavares considera que Passos Coelho deu "mais um tiro no pé" e defende que o líder da oposição "está notoriamente desgastado" e "caminha para uma tragédia eleitoral autárquica".

    Miguel Sousa Tavares

  • Este texto é sobre o bom senso. O bom senso que faltou a Passos Coelho quando, esta manhã, depois de uma visita pelas áreas ardidas de Pedrógão Grande, decidiu falar em suicídios. Passos não se referiu a tentativas, mas sim a atos consumados. Deu certezas. Disse que tinha conhecimento de “pessoas que puseram termo à vida” porque “que não receberam o apoio psicológico que deviam.”

    Bernardo Ferrão

  • Simplex+2017 promete simplificar burocracia
    1:08

    País

    Já está online o novo Simplex+2017, que vai simplificar a vida dos cidadãos, empresas e administração pública. Pagar impostos com cartão de crédito e ter o cartão de cidadão ou a carta de condução no telemóvel são alguns exemplos do que está previsto.

  • Homem fala ao telefone com o filho que pensava estar morto

    Mundo

    Um norte-americano que tinha estado presente no funeral do filho recebeu, 11 dias depois, uma chamada telefónica de um homem que o pôs em contacto... com o filho que havia enterrado semana e meia antes. Tudo por causa de um erro do gabinete de medicina legal.