sicnot

Perfil

Cultura

"Cahiers du Cinéma" homenageiam Manoel de Oliveira

A revista francesa Cahiers du Cinéma faz uma "homenagem" de 36 páginas, na edição de maio, ao cineasta português Manoel de Oliveira, que morreu a 02 de abril, com 106 anos.

© Tobias Schwarz / Reuters

"O cinema de Oliveira é visionário e messiânico, instintivo e oculto, monumental e íntimo", escreveu o chefe de redação adjunto dos Cahiers du Cinéma, Jean-Philippe Tessé, num artigo intitulado "O homem e a circunstância", incluído na edição que hoje chegou às bancas francesas.

"A obra é de uma grande sabedoria e de uma grande loucura. Árida em aparência, intimidante pela erudição monumental, desconcertante pelas audácias radicais que a aproximam, por vezes, do cinema experimental. Por mais árida, intimidante e desconcertante que seja, ela criou uma ligação particular com o seu público, nomeadamente aqui em França (e nos Cahiers)", considerou o crítico de cinema.

A ligação com a revista é invocada no editorial, intitulado "O Espelho Mágico", em que o chefe de redação Stéphane Delorme relembra a visita de André Bazin [fundador da revista] a Portugal, em 1957, quando foi guiado, no Porto, por um cineasta "quase desconhecido", Manoel de Oliveira.

O sociólogo Jacques Lemière, especialista na obra de Oliveira, apresenta "o belo projeto de uma Casa Oliveira no Porto" e recorda a homenagem que o povo portuense lhe fez, no dia do funeral, a que ele próprio assistiu.

A "homenagem" neste número dos Cahiers conta, ainda, com textos dos atores Leonor Silveira, Luís Miguel Cintra e Diogo Dória, artigos de especialistas do cinema português e uma entrevista a Manoel de Oliveira, realizada pelos críticos de cinema Raymond Bellour e Serge Daney, na altura em que o cineasta estreara "Non ou a vã glória de mandar" e preparava "A divina comédia".

O ensaísta Raymond Bellour admitiu não se lembrar "exatamente" quando foi feita a entrevista, indicando apenas que, durante "uma passagem por Paris, Oliveira disse a Serge Daney que gostaria de se encontrar com [o filósofo] Gilles Deleuze para falar do tempo".

"O cinema é a câmara que colocamos como uma pistola ao ombro para ir à caça. Se gostamos de qualquer coisa, disparamos(...) Mais tarde, recomeçamos. Caçamos num espaço que, para nós, é também o tempo, o tempo da descoberta. Ao olhar ou ao caminhar neste espaço histórico, agarramos coisas que são imediatamente presentes e que, por isso mesmo, já são passado. Daí a importância da memória e do livro, e de tudo o que resistiu", respondia Oliveira.

 A entrevista, publicada originalmente no n.º 14 da revista fundada por Gilles Deleuze - a Chimères -, no inverno de 1991/92, acabaria por ganhar lugar na bibliografia sobre o cineasta, sob o título "O céu é histórico".

Oliveira termina, dizendo a Daney e Bellour: "Peço desculpa pela fraqueza das minhas respostas. Prefiro realizar filmes."

Lusa
  • As mulheres na clandestinidade durante o Estado Novo
    7:32

    País

    Não se sabe quantas mulheres portuguesas viveram na clandestinidade durante o Estado Novo, mas estiveram sempre lado a lado com os homens que trabalhavam para o Partido Comunista na luta contra a ditadura. Aceitavam serem separadas dos filhos e mudarem de identidade várias vezes ao longo dos anos. A história de algumas destas mulheres estão agora reunidas num livro que acaba de ser lançado.