sicnot

Perfil

Cultura

"Cahiers du Cinéma" homenageiam Manoel de Oliveira

A revista francesa Cahiers du Cinéma faz uma "homenagem" de 36 páginas, na edição de maio, ao cineasta português Manoel de Oliveira, que morreu a 02 de abril, com 106 anos.

© Tobias Schwarz / Reuters

"O cinema de Oliveira é visionário e messiânico, instintivo e oculto, monumental e íntimo", escreveu o chefe de redação adjunto dos Cahiers du Cinéma, Jean-Philippe Tessé, num artigo intitulado "O homem e a circunstância", incluído na edição que hoje chegou às bancas francesas.

"A obra é de uma grande sabedoria e de uma grande loucura. Árida em aparência, intimidante pela erudição monumental, desconcertante pelas audácias radicais que a aproximam, por vezes, do cinema experimental. Por mais árida, intimidante e desconcertante que seja, ela criou uma ligação particular com o seu público, nomeadamente aqui em França (e nos Cahiers)", considerou o crítico de cinema.

A ligação com a revista é invocada no editorial, intitulado "O Espelho Mágico", em que o chefe de redação Stéphane Delorme relembra a visita de André Bazin [fundador da revista] a Portugal, em 1957, quando foi guiado, no Porto, por um cineasta "quase desconhecido", Manoel de Oliveira.

O sociólogo Jacques Lemière, especialista na obra de Oliveira, apresenta "o belo projeto de uma Casa Oliveira no Porto" e recorda a homenagem que o povo portuense lhe fez, no dia do funeral, a que ele próprio assistiu.

A "homenagem" neste número dos Cahiers conta, ainda, com textos dos atores Leonor Silveira, Luís Miguel Cintra e Diogo Dória, artigos de especialistas do cinema português e uma entrevista a Manoel de Oliveira, realizada pelos críticos de cinema Raymond Bellour e Serge Daney, na altura em que o cineasta estreara "Non ou a vã glória de mandar" e preparava "A divina comédia".

O ensaísta Raymond Bellour admitiu não se lembrar "exatamente" quando foi feita a entrevista, indicando apenas que, durante "uma passagem por Paris, Oliveira disse a Serge Daney que gostaria de se encontrar com [o filósofo] Gilles Deleuze para falar do tempo".

"O cinema é a câmara que colocamos como uma pistola ao ombro para ir à caça. Se gostamos de qualquer coisa, disparamos(...) Mais tarde, recomeçamos. Caçamos num espaço que, para nós, é também o tempo, o tempo da descoberta. Ao olhar ou ao caminhar neste espaço histórico, agarramos coisas que são imediatamente presentes e que, por isso mesmo, já são passado. Daí a importância da memória e do livro, e de tudo o que resistiu", respondia Oliveira.

 A entrevista, publicada originalmente no n.º 14 da revista fundada por Gilles Deleuze - a Chimères -, no inverno de 1991/92, acabaria por ganhar lugar na bibliografia sobre o cineasta, sob o título "O céu é histórico".

Oliveira termina, dizendo a Daney e Bellour: "Peço desculpa pela fraqueza das minhas respostas. Prefiro realizar filmes."

Lusa
  • Jovens adoptados e filha do líder da IURD com versões diferentes dos acontecimentos
    4:06

    País

    Os jovens adoptados e a filha do bispo Edir Macedo, que alegadamente os adoptou, têm versões diferentes sobre o que aconteceu. Vera e Luís Katz garantem que foram adoptados por uma família norte-americana, com que viveram até aos 20 anos. Viviane Freitas, filha do líder da Igreja Universal do Reino de Deus, conta que foi mãe das crianças durante três anos, apesar de lhe ter sido negada a adopção.

  • Cabecilha da seita Verdade Celestial é "mentiroso, egocêntrico e psicótico"
    2:22

    País

    O cabecilha da seita "Verdade Celestial" foi condenado a 23 anos de pena de prisão por abusos sexuais de crianças e adolescentes. O juiz diz que o cabecilha do grupo era mentiroso patológico, egocêntrico, impulsivo e com personalidade psicótica. Dos oito acusados, duas mulheres foram absolvidas e seis arguidos foram condenados a penas efectivas. A rede de abusadores foi desmantelada há dois anos, numa quinta de Palmela.

  • Mau tempo obriga ao cancelamento de centenas de voos na Europa
    1:21