sicnot

Perfil

Cultura

Christian Lacroix abre ciclo dedicado à alta costura no Museu da Moda

O criador francês Christian Lacroix conhecido pelo talento em reinventar modelos, abre na quinta-feira um ciclo de exposições sobre tesouros de alta-costura no Museu do Design e da Moda (MUDE), em Lisboa. 

Nascido em 1951 em Arles, França, Christian Lacroix é um dos estilistas mais influentes da moda na segunda metade da década de 1980, tendo estudado História de Arte para ser curador num museu, mas acabou por ser admitido como estilista na casa de costura Jean Patou. (Arquivo)

Nascido em 1951 em Arles, França, Christian Lacroix é um dos estilistas mais influentes da moda na segunda metade da década de 1980, tendo estudado História de Arte para ser curador num museu, mas acabou por ser admitido como estilista na casa de costura Jean Patou. (Arquivo)

© Charles Platiau / Reuters

De acordo com o museu, a exposição será inaugurada nesse dia às 19:00, e intitula-se "Caleidoscópio - A Alta-costura de Christian Lacroix", permanecendo patente até 30 de agosto.

Nascido em 1951 em Arles, França, Christian Lacroix é um dos estilistas mais influentes da moda na segunda metade da década de 1980, tendo estudado História de Arte para ser curador num museu, mas acabou por ser admitido como estilista na casa de costura Jean Patou.

Ficou conhecido pela sua capacidade de reinventar modelos, associar elementos ou materiais inesperados e explorar, de forma original, diversas referências históricas e culturais. 

Em 2013, após quatro anos ausentes das passarelas por problemas económicos, Lacroix, que tem hoje 64 anos, apresentou uma coleção em homenagem à lendária estilista italiana Elsa Schiaparelli.

O museu pretende, através do dezasseis modelos de alta-costura de várias coleções, realizadas entre 1989 e 2000, dar a conhecer ao público o que distinguiu o trabalho de moda de Christian Lacroix.

A exposição tem coordenação geral de Bárbara Coutinho, curadoria de Anabela Becho, design expositivo de Luís Miguel Saraiva e Raquel Santos, e design gráfico de Paula Guimarães. 

Segundo o MUDE, esta exposição inicia uma nova rubrica da programação do Museu do Design e da Moda, Coleção Francisco Capelo, intitulada "Tesouros da Coleção de Alta-costura".

"Queremos proporcionar a todos os visitantes um melhor entendimento do universo particular, fechado e requintado da alta-costura através dos criadores mais representados no espólio do MUDE. Em comum, todas as mostras vão dar a conhecer o acervo integral existente na Coleção Francisco Capelo de cada criador selecionado", indica o museu em comunicado.

"Tesouros da Coleção de alta-costura" vai desdobrar-se em mostras monográficas que prosseguem o trabalho que a entidade tem vindo a fazer, sobretudo desde 2009, de estudo, apresentação e divulgação da Coleção Francisco Capelo. 

Cada mostra, que ficará na sala dos cofres, será dedicada a um criador específico, como por exemplo, Madame Grès, Christian Dior, Balenciaga, Jean Paul Gaultier ou John Galliano.
Lusa
  • Eurogrupo dá luz verde ao Orçamento do Estado
    0:29

    Orçamento do Estado 2017

    O Orçamento português passou no Eurogrupo mas os ministros das Finanças alertam que podem ser precisas mais medidas para cumprir as metas e em março vão voltar a olhar para as contas. Para já, estão satisfeitos com o compromisso assumido por Mário Centeno e mais sete ministros da zona euro, cujos Orçamentos estão em risco de incumprimento.

  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados".Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade. A SIC esteve em Luanda e falou com o advogado Adolfo Campos e com os músicos Carbono Casimiro, Mona Dya Kidi e David Salei. Já todos estiveram presos. Já todos foram vítimas de violência policial. Defendem que "a geração anterior comprometeu o país" e acreditam que só a mudança política pode trazer um futuro melhor. Para estes jovens activistas, a guerra que arrasou o país, e com que o regime justifica tudo, não deixou heróis, apenas "vilões e vítimas".

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59