sicnot

Perfil

Cultura

Tema da guerra colonial marca novo filme de animação de José Miguel Ribeiro

O realizador José Miguel Ribeiro está a finalizar uma curta-metragem de animação, intitulada "Estilhaços", que aborda a guerra colonial e os efeitos do stress pós-traumático no seio familiar.

LUSA

Produzido pela Praça Filmes, em Montemor-o-Novo, o filme combina imagem real, desenho animado e "stop motion", uma mistura justificada pela narrativa do filme, centrada na relação entre um pai e um filho, como explicou o realizador à agência Lusa.

"Falar de memórias de guerra é ainda um incómodo, dá ideia de que se quer que a guerra fique lá atrás e, na verdade, ainda está muito presente, sobretudo nos casos de stress pós-traumático. E era sobre isso que queria falar, sobre a contaminação desse stress numa família", disse José Miguel Ribeiro.

Entre ficção e documentário, "Estilhaços" cruza duas perspetivas sobre a guerra. A do pai, que a viveu, e a do filho, que cresceu a construir uma memória da guerra a partir dos relatos do progenitor.

Essas duas visões de guerra são alimentadas por técnicas diferentes de animação e pelo recurso a imagem real, ajudando a situar as conversas entre pai e filho numa sala de estar, nos momentos em que narra a experiência de guerra e noutros em que a ação recua ao próprio cenário de conflito.

O título "Estilhaços" remete não só para os fragmentos de um qualquer engenho de guerra, mas também tem a ver com a ideia de contaminação, de uma doença contagiante dentro de uma família, referiu o realizador.

José Miguel Ribeiro, 49 anos, tem a sua própria história familiar relacionada com a guerra colonial, mas esta serviu apenas de ponto de partida para a pesquisa sobre o tema, sobre o stress de guerra e sobre os efeitos no relacionamento entre ex-militares e a família.

"Fiz cerca de três meses de pesquisas, com leituras, falando com várias pessoas, entre as quais uma psicóloga e a Associação de ex-Combatentes para saber mais sobre estas histórias de stress, ansiedade, depressão, agressividade", disse o realizador.

"Estamos a falar de homens, alguns muito jovens, que foram chamados para uma guerra que não queriam, não tinham opção de dizer que não, e essa guerra entrou na vida deles", lamentou José Miguel Ribeiro.

"Estilhaços", que está em fase de finalização, terá 15 minutos de duração, conta com apoio do Instituto do Cinema e Audiovisual e da autarquia de Montemor-o-Novo.

José Miguel Ribeiro está ligado ao cinema de animação há cerca de 20 anos, sendo realizador de filmes como "A suspeita" - que soma mais de vinte prémios -, "Passeio de domingo", "Dodu, o rapaz de cartão", "Papel de Natal" e a série "As coisas lá de casa". A estes junta-se ainda o registo mais documental e biográfico "Viagem a Cabo Verde".

Foi um dos fundadores da produtora Sardinha em Lata, da qual se desvinculou para fundar, em 2012, a produtora Praça Filmes, em Montemor-o-Novo.

Lusa
  • Outros casos de fuga de prisões portuguesas
    2:58

    País

    Nos últimos cinco anos, 52 reclusos fugiram de cadeias portuguesas, mas foram todos recapturados. Entre 1999 e 2009, fugiram oito reclusos da prisão de Caxias. Em 2005, um homem condenado a 21 anos de prisão fugiu de Coimbra, viajando por França e pela Polónia. Manuel Simões acabou por ser detido no regresso a Portugal.

  • Portugal sem resposta de Moçambique sobre português desaparecido em Maputo
    1:25

    País

    Portugal tem tentado, sem sucesso, obter respostas das autoridades moçambicanas sobre o rapto de um empresário português há sete meses. De acordo com a notícia avançada este domingo pelo jornal Público, uma carta enviada há duas semanas pelo Presidente da República ao homólogo moçambicano não teve resposta. O Governo de Moçambique tem ignorado pedidos de informação das autoridades portuguesas.

  • Táxi capaz de sobrevoar filas de trânsito ainda este ano no Dubai

    Mundo

    É o sonho de muitos que passam horas intermináveis em filas de trânsito. Trata-se de um drone com capacidade para transportar pessoas. "Operações regulares" deste insólito aparelho terão início em julho, no Dubai. O anúncio foi feito pela entidade que gere os transportes da cidade. Apenas um passageiro, com o peso máximo de 100 kg, pode seguir viagem neste táxi revolucionário, capaz de sobrevoar vias congestionadas pelo trânsito.