sicnot

Perfil

Cultura

Tema da guerra colonial marca novo filme de animação de José Miguel Ribeiro

O realizador José Miguel Ribeiro está a finalizar uma curta-metragem de animação, intitulada "Estilhaços", que aborda a guerra colonial e os efeitos do stress pós-traumático no seio familiar.

LUSA

Produzido pela Praça Filmes, em Montemor-o-Novo, o filme combina imagem real, desenho animado e "stop motion", uma mistura justificada pela narrativa do filme, centrada na relação entre um pai e um filho, como explicou o realizador à agência Lusa.

"Falar de memórias de guerra é ainda um incómodo, dá ideia de que se quer que a guerra fique lá atrás e, na verdade, ainda está muito presente, sobretudo nos casos de stress pós-traumático. E era sobre isso que queria falar, sobre a contaminação desse stress numa família", disse José Miguel Ribeiro.

Entre ficção e documentário, "Estilhaços" cruza duas perspetivas sobre a guerra. A do pai, que a viveu, e a do filho, que cresceu a construir uma memória da guerra a partir dos relatos do progenitor.

Essas duas visões de guerra são alimentadas por técnicas diferentes de animação e pelo recurso a imagem real, ajudando a situar as conversas entre pai e filho numa sala de estar, nos momentos em que narra a experiência de guerra e noutros em que a ação recua ao próprio cenário de conflito.

O título "Estilhaços" remete não só para os fragmentos de um qualquer engenho de guerra, mas também tem a ver com a ideia de contaminação, de uma doença contagiante dentro de uma família, referiu o realizador.

José Miguel Ribeiro, 49 anos, tem a sua própria história familiar relacionada com a guerra colonial, mas esta serviu apenas de ponto de partida para a pesquisa sobre o tema, sobre o stress de guerra e sobre os efeitos no relacionamento entre ex-militares e a família.

"Fiz cerca de três meses de pesquisas, com leituras, falando com várias pessoas, entre as quais uma psicóloga e a Associação de ex-Combatentes para saber mais sobre estas histórias de stress, ansiedade, depressão, agressividade", disse o realizador.

"Estamos a falar de homens, alguns muito jovens, que foram chamados para uma guerra que não queriam, não tinham opção de dizer que não, e essa guerra entrou na vida deles", lamentou José Miguel Ribeiro.

"Estilhaços", que está em fase de finalização, terá 15 minutos de duração, conta com apoio do Instituto do Cinema e Audiovisual e da autarquia de Montemor-o-Novo.

José Miguel Ribeiro está ligado ao cinema de animação há cerca de 20 anos, sendo realizador de filmes como "A suspeita" - que soma mais de vinte prémios -, "Passeio de domingo", "Dodu, o rapaz de cartão", "Papel de Natal" e a série "As coisas lá de casa". A estes junta-se ainda o registo mais documental e biográfico "Viagem a Cabo Verde".

Foi um dos fundadores da produtora Sardinha em Lata, da qual se desvinculou para fundar, em 2012, a produtora Praça Filmes, em Montemor-o-Novo.

Lusa
  • "Se me pergunta se estou de consciência tranquila, estou"
    2:13

    País

    O ministro Vieira da Silva assegura que aguarda com tranquilidade que a investigação em curso esclareça as alegadas irregularidades na associação Raríssimas. Alguns mecenas estão já a suspender o apoio, na sequência do escândalo que já levou a duas demissões. 

  • Novo regime dos recibos verdes "acaba com as injustiças dos escalões"
    1:10
  • Brinquedos tecnológicos para oferecer no Natal
    5:33
  • Aniversário de Marcelo passado nas comemorações dos 700 anos da Marinha
    1:45

    País

    O Presidente da República defende que é preciso continuar a investir na Armada, nas pessoas, nas capacidades e no apoio de retaguarda. No dia em que fez 69 anos, Marcelo Rebelo de Sousa esteve nas comemorações dos 700 da Marinha, onde sublinhou os sete séculos de conquistas e de combates navais.

  • Costa anuncia reunião sobre neutralidade carbónica em fevereiro
    2:03

    País

    O Presidente francês defende que é preciso ir mais longe e mais rápido na luta contra as alteração climáticas, numa resposta à decisão de Donald Trump de retirar os EUA do Acordo de Paris. Em fevereiro, será a vez de Portugal organizar uma reunião sobre energia e transportes.