sicnot

Perfil

Cultura

O cinema de Paulo Rocha regressa às salas de cinema

"Se eu fosse ladrão... roubava", o último filme do realizador Paulo Rocha, no qual recorda 50 anos dedicados ao cinema, chega hoje ao circuito comercial e a estreia é acompanhada por duas outras obras do cineasta, agora restauradas.

"Se eu fosse ladrão... roubava", imagem do último filme de Paulo Rocha.

"Se eu fosse ladrão... roubava", imagem do último filme de Paulo Rocha.

DR

Paulo Rocha, uma das referências da nova vaga do cinema português, a partir dos anos 1960, morreu em dezembro de 2012, numa altura em que finalizava a longa-metragem "Se eu fosse ladrão... roubava".

Com Luís Miguel Cintra, Isabel Ruth e Márcia Breia no elenco, o filme articula uma ficção baseada nas memórias da vida do pai de Paulo Rocha, com imagens que o realizador retirou de vários filmes seus, dando-lhes uma nova interpretação.

Em 2012, Paulo Rocha preparava ainda o restauro e digitalização dos seus dois primeiros filmes, "Os Verdes anos" (1963) e "Mudar de vida" (1966), sob a supervisão de Pedro Costa, tendo o processo sido concluído pela Cinemateca - instituição à qual o reaizador deixou, em testamento, toda a sua obra e património cinematográfico - e pela Midas Filmes.

Aqueles dois filmes regressam agora aos cinemas, acompanhando a estreia de "Se eu fosse ladrão... roubava", e são editados em DVD.

Paulo Rocha estudou Direito em Lisboa e Cinema em França, foi assistente de realização de Jean Renoir e de Manoel de Oliveira e assinou outras obras como "A Ilha dos Amores" (1982), "O Desejado" (1988), "O Rio do Ouro" (1998), "A Raiz do Coração" (2000) e "Vanitas" (2004).

Nasceu no Porto, em 1935, e morreu em Vila Nova de Gaia, em dezembro de 2012.


Lusa
  • As primeiras decisões do Presidente Trump
    1:39
  • "Há sobretudo um fosso entre o discurso que Trump faz e os de Obama"
    6:13

    Opinião

    Cândida Pinto e Ricardo Costa analisaram a tomada de posse de Donald Trump. O diretor de informação da SIC disse que o discurso de Trump "mexe com a sua base de apoio" e defende que "a grande questão não vai ser a relação com a Rússia, mas sim com a China". Já a Editora de internacional disse que o discurso foi "voltado para dentro, nacionalista, partidarista, com ataque à elite de Washington".

    Ricardo Costa e Cândida Pinto

  • Celebridades protestam contra Trump
    3:00

    Mundo

    Tem sido assim desde a campanha e continua. Grande parte da comunidade de artistas não está nada contente com o Presidente eleito. Vários artistas aproveitaram o dia da tomada de posse para se reunirem em Nova Iorque e protestarem contra Donald Trump.

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Encontrados dez sobreviventes no hotel engolido por avalanche em Itália
    1:44
  • Cantora brasileira conhecida pela "Lambada" terá sido assassinada
    1:25

    Mundo

    Terá sido assassinada a cantora brasileira conhecida em Portugal pela "lambada", um ritmo que marcou o fim dos anos 90. Foi encontrada carbonizada dentro do próprio carro depois de assaltada em casa. Três suspeitos suspeitos do homicídio da cantora Loalwa Braz foram já detidos.