sicnot

Perfil

Cultura

O cinema de Paulo Rocha regressa às salas de cinema

"Se eu fosse ladrão... roubava", o último filme do realizador Paulo Rocha, no qual recorda 50 anos dedicados ao cinema, chega hoje ao circuito comercial e a estreia é acompanhada por duas outras obras do cineasta, agora restauradas.

"Se eu fosse ladrão... roubava", imagem do último filme de Paulo Rocha.

"Se eu fosse ladrão... roubava", imagem do último filme de Paulo Rocha.

DR

Paulo Rocha, uma das referências da nova vaga do cinema português, a partir dos anos 1960, morreu em dezembro de 2012, numa altura em que finalizava a longa-metragem "Se eu fosse ladrão... roubava".

Com Luís Miguel Cintra, Isabel Ruth e Márcia Breia no elenco, o filme articula uma ficção baseada nas memórias da vida do pai de Paulo Rocha, com imagens que o realizador retirou de vários filmes seus, dando-lhes uma nova interpretação.

Em 2012, Paulo Rocha preparava ainda o restauro e digitalização dos seus dois primeiros filmes, "Os Verdes anos" (1963) e "Mudar de vida" (1966), sob a supervisão de Pedro Costa, tendo o processo sido concluído pela Cinemateca - instituição à qual o reaizador deixou, em testamento, toda a sua obra e património cinematográfico - e pela Midas Filmes.

Aqueles dois filmes regressam agora aos cinemas, acompanhando a estreia de "Se eu fosse ladrão... roubava", e são editados em DVD.

Paulo Rocha estudou Direito em Lisboa e Cinema em França, foi assistente de realização de Jean Renoir e de Manoel de Oliveira e assinou outras obras como "A Ilha dos Amores" (1982), "O Desejado" (1988), "O Rio do Ouro" (1998), "A Raiz do Coração" (2000) e "Vanitas" (2004).

Nasceu no Porto, em 1935, e morreu em Vila Nova de Gaia, em dezembro de 2012.


Lusa
  • Porque erram os árbitros?
    2:03

    Desporto

    Num momento em que a polémica em redor da arbitragem está acesa e que nem o videoárbitro parece ter contribuído para a pacificar o futebol, em Leiria juntaram-se treinadores e homens do apito para se entender porque erram os árbitros.

  • "Não andámos a tomar calmantes, nem a dar abracinhos"
    0:52

    Desporto

    Rui Vitória recusa atirar a toalha ao chão. O treinador do Benfica acredita que ainda muito pode acontecer e revela a motivação da equipa depois da derrota com o FC Porto na Luz, que levou à perda da liderança a quatro jornadas do fim.

  • "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos"

    Mundo

    "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos", esta foi apenas uma das declarações de Karl Lagerfeld sobre as denúncias de abuso sexual, que estão a marcar o mundo do cinema, da música e da moda. Numa entrevista, o diretor criativo da Chanel e da Fendi declarou mesmo que estava farto do #MeToo, o movimento usado para denunciar estes casos de abusos por todo o mundo.

    SIC

  • Viagem de balão para ver as cerejeiras em flor
    14:27
  • Niassa foi o 4.º lince-ibérico libertado a ser atropelado em Portugal
    1:33

    País

    Uma fêmea de lince-ibérico foi encontrada morta com sinais de atropelamento na A22, próximo de Olhão. A fêmea, criada em cativeiro, tinha sido libertada no Vale do Guadiana em fevereiro de 2017. É o quarto lince-ibérico, que tinha sido libertado na natureza, que morre atropelado em Portugal.

  • "Há uma aceitação do lince no território"
    3:33

    País

    Apesar de já se terem registado em Portugal quatro atropelamentos de linces libertados na natureza, em entrevista à SIC, Pedro Rocha, do Departamento do Alentejo do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), disse que o programa de reintrodução "tem corrido bastante bem", não só devido às condições do habitat e disponibilidade de alimento, mas também porque "há uma aceitação do lince no território". Desde 2015, foram libertados no Vale do Guadiana 33 linces e 16 já nasceram em estado selvagem.

  • EUA acusam Síria de tentar apagar provas de alegado ataque químico em Douma
    1:28
  • Já pode escolher uma morte amiga do ambiente

    Mundo

    Preocupa-se com o ambiente? Recicla? Prefere andar a pé ou partilhar transportes? Então saiba que a partir de agora a morte também pode ser amiga do ambiente. Desde caixões degradáveis de vime a cremação líquida, já é possível diminuir o impacto ambiental da morte.

    SIC

  • O "anjo" que quer ensinar raparigas a programar
    2:59