sicnot

Perfil

Cultura

Portugal avança com candidatura do azulejo a Património da Humanidade

Portugal avança com candidatura do azulejo a Património da Humanidade

Portugal vai avançar com a candidatura do azulejo português a Património da Humanidade da UNESCO. A candidatura vai ser preparada pela Direção-Geral do Património Cultural, em parceria com o Laboratório Nacional de Engenharia Civil e a Comissão Nacional da UNESCO, através do Ministério dos Negócios Estrangeiros. O azulejo português tem origem no século XVI e, nos últimos anos, tem vindo a ganhar destaque, a nível internacional. O anúncio a candidatura foi feito pelo secretário de Estado da Cultura, Jorge Barreto Xavier, na inauguração da sala D. Manuel, do Museu Nacional do Azulejo, em Lisboa, com um conjunto de azulejos do século XVIII, do pintor Manuel dos Santos.

  • Museu do Azulejo acolhe exposições de cerâmica ligadas ao Islão e ao mar
    2:02

    Cultura

    Há também duas novas exposições para ver no Museu Nacional do Azulejo em Lisboa, que está entre os três mais visitados no país. "Lugares onde estarei" e "Arte Submersa" recorrem à cerâmica para ilustrar diferentes temas e climas. A primeira é da autoria de Cristina Bolborea, ceramista romena que escolheu Portugal como anfitrião à sua obra por o considerar a capital da Cerâmica. Para Lisboa a artista trouxe mais de 100 peças em cerâmica, vidro e metal que nos envolvem no ambiente do Islão. Já o artista Sylvian Bongard inspirou a sua obra no mar. As peças expostas no museu do azulejo revelam a relação entre o homem e a natureza, sem esquecer as consequências. As novas exposições, podem ser vistas até 2 de novembro.

  • Reportagem Especial dá a voz aos despedidos da banca
    1:18
  • CEMGFA admite que várias armas roubadas estão em condições de ser usadas
    2:06

    Assalto em Tancos

    Afinal há várias armas roubadas em Tancos que estão em condições de ser utilizadas, sendo que apenas os lança-granadas-foguete estão obsoletos. Esta manhã, o general Pina Monteiro admitiu, no Parlamento, que a declaração que fez há duas semanas pode ter induzido em erro a opinião pública. O chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas (CEMGFA) diz, ainda, que se houvesse indícios sobre colaboração do Exército neste caso, os suspeitos estariam presos.

  • Pais de Charlie Gard querem que o bebé morra em casa

    Mundo

    Depois de terem renunciado à batalha judicial para manterem o filho com vida, os pais do bebé britânico Charlie Gard desejam agora levar a criança para morrer em casa. O desejo foi revelado pelo advogado de Chris Gard e Connie Yates, numa audiência esta tarde, no Supremo Tribunal de Londres. Contudo, o hospital responsável pelo caso admite que os cuidados a Charlie não podem ser feitos em casa.