sicnot

Perfil

Cultura

Rui Veloso diz que aprendeu a gostar de "blues" com B.B King

O músico Rui Veloso afirmou-se hoje muito triste com a morte, ainda que esperada, de B.B. King, com quem, disse, aprendeu a gostar de "blues".

© Pablo Sanchez / Reuters

O músico norte-americano B.B. King, considerado o "rei dos blues" e que entrou para o "Rock and Roll Hall of Fame" em 1987, morreu na quinta-feira, em Las Vegas, EUA, aos 89 anos, revelou hoje o seu advogado.

Rui Veloso tocou seis vezes com B.B. King, quando de concertos do músico em Portugal, quatro vezes em 1990 (duas no Estoril e duas no Porto), uma em 1996, em Lisboa (Coliseu) e, depois, de novo em Lisboa em 1998 (Expo-98).

Admirador confesso de B.B. King, Rui Veloso lembrou à Lusa esses momentos e a grande alegria que teve quando o músico norte-americano lhe disse, em 1998, que o nome dele chegou a ser falado para tocar num disco que acabara de gravar.

"Nem nos meus sonhos passava tocar com o B.B.King, era uma coisa tão inatingível (...) como é que um 'gajo' da freguesia do Lordelo vai tocar com o B.B. King? Ninguém pensa nisso", disse à Lusa.

E sendo certo que o mundo da música ficou mais pobre, disse Rui Veloso que a música não tem fim e que, se B.B. King morreu, como Freddie ou Albert King morreram, "felizmente fica alguma coisa".

"Fica a obra, [ficam] os discos, fica o espírito que eles transmitiram e que me transmitiram a mim. Tenho a esperança de que eu passe um bocadinho, para que haja pessoas que tenham momentos de felicidade, como eu tive. Não a tocar com o B.B. King pessoalmente, que foi uma coisa incrível, mas aqueles momentos de intimidade, quando punha um disco do B.B. King e pegava na guitarra e tocava por cima da música", disse à Lusa.

E concluiu: "Foi assim que aprendi a gostar de blues. O B.B. King foi uma pessoa muito importante para mim, um músico muito importante".

Considerado um dos artistas mais influentes de todos os tempos, B.B. King ganhou 16 prémios 'Grammy' e gravou mais de 50 discos em quase 60 anos de carreira. Para a história ficam temas como "Three O'Clock Blues", "The Thrill Is Gone" e "When Love Comes to Town", em colaboração com os irlandeses U2. 







Lusa
  • As primeiras decisões do Presidente Trump
    1:39
  • "Há sobretudo um fosso entre o discurso que Trump faz e os de Obama"
    6:13

    Opinião

    Cândida Pinto e Ricardo Costa analisaram a tomada de posse de Donald Trump. O diretor de informação da SIC disse que o discurso de Trump "mexe com a sua base de apoio" e defende que "a grande questão não vai ser a relação com a Rússia, mas sim com a China". Já a Editora de internacional disse que o discurso foi "voltado para dentro, nacionalista, partidarista, com ataque à elite de Washington".

    Ricardo Costa e Cândida Pinto

  • Celebridades protestam contra Trump
    3:00

    Mundo

    Tem sido assim desde a campanha e continua. Grande parte da comunidade de artistas não está nada contente com o Presidente eleito. Vários artistas aproveitaram o dia da tomada de posse para se reunirem em Nova Iorque e protestarem contra Donald Trump.

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Cantora brasileira conhecida pela "Lambada" terá sido assassinada
    1:25

    Mundo

    Terá sido assassinada a cantora brasileira conhecida em Portugal pela "lambada", um ritmo que marcou o fim dos anos 90. Foi encontrada carbonizada dentro do próprio carro depois de assaltada em casa. Três suspeitos suspeitos do homicídio da cantora Loalwa Braz foram já detidos.