sicnot

Perfil

Cultura

Historiador diz ter descoberto único retrato de Shakespeare feito em vida

Um historiador de Botânica britânico afirmou esta terça-feira ter descoberto o único retrato conhecido feito em vida do mais célebre dos dramaturgos ingleses, William Shakespeare (1564-1616), uma tese recebida com ceticismo por alguns especialistas.

Mark Griffiths sustenta ter encontrado o retrato na gravura que ornamenta a capa da primeira edição de um famoso livro de Botânica do século XVI, "The Herbal", uma obra com 1484 páginas do botânico John Gerard (1545-1612). (Arquivo)

Mark Griffiths sustenta ter encontrado o retrato na gravura que ornamenta a capa da primeira edição de um famoso livro de Botânica do século XVI, "The Herbal", uma obra com 1484 páginas do botânico John Gerard (1545-1612). (Arquivo)

© Toby Melville / Reuters

Mark Griffiths sustenta ter encontrado o retrato na gravura que ornamenta a capa da primeira edição de um famoso livro de Botânica do século XVI, "The Herbal", uma obra com 1484 páginas do botânico John Gerard (1545-1612).

"É a primeira vez que temos um retrato identificado como sendo [o de Shakespeare] e feito durante a sua vida. Os únicos dois outros retratos autênticos de Shakespeare são póstumos", explicou à agência de notícias francesa, AFP, Mark Hedges, chefe de redação da revista Country Life, na qual o artigo de Griffiths será publicado na quarta-feira.

"É William Shakespeare, com 33 anos, no apogeu da sua carreira", acrescentou Hedges, descrevendo-o como um "jovem incrivelmente belo".

A aparência jovem patente nesta estampa contrasta com os retratos até agora conhecidos dele, em que é mais velho.

A gravura tem quatro figuras principais nos quatro cantos, anteriormente consideradas imaginárias mas agora identificadas como pessoas reais por Griffiths, graças aos motivos florais que as rodeiam e a diversos códigos e charadas de que os contemporâneos da rainha Elizabeth I gostavam.

O historiador botânico afirmou ter identificado William Shakespeare graças à sua indumentária de poeta, à fritilária que ele segura (uma flor intimamente ligada, segundo o investigador, ao poema de sua autoria "Vénus e Adónis"), bem como uma charada que, uma vez descodificada, ostenta o nome do eminente dramaturgo.

As outras figuras foram identificadas como sendo o autor do livro, o célebre botânico flamengo Rembert Dodoens e o tesoureiro da rainha, Lord Burghley.

"Estou profundamente cético. Não vi os argumentos em pormenor, mas a Country Life não é, com certeza, a primeira publicação a fazer este tipo de afirmação", observou Michael Dobson, diretor do Instituto Shakespeare na Universidade de Birmingham. Outros especialistas manifestaram também dúvidas. 

Griffiths defende-se, dizendo: "Fiz esta descoberta pela primeira vez há cinco anos e tentei incessantemente refutá-la desde então. O mesmo fez uma equipa de especialistas vindos de universidades como Oxford ou Heidelberg".

"Tudo o que afirmo assenta em provas documentais, históricas e científicas", garante, frisando que tem uma dupla competência, em Botânica e Literatura Inglesa.
Lusa
  • "Há uma grande diferença em relação à anterior liderança do PSD"
    14:29

    País

    O ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, esteve esta quarta-feira na Edição da Noite da SIC Notícias. As novas relações com o PSD e a reprogramação do Portugal 2020 foram alguns dos temas de conversa. Pedro Marques defende que existe "uma grande diferença" entre as lideranças de Passos Coelho e Rui Rio no PSD.

    Entrevista SIC Notícias

  • Dia de homenagens e muito futebol para Marcelo em São Tomé
    3:01

    País

    No segundo dia da visita de Estado a São Tomé e Príncipe, o Presidente da República prestou homenagem às vítimas do massacre de Batepá, em 1953. Marcelo Rebelo de Sousa não pediu desculpa pela história, mas lembrou que é preciso assumir as coisas menos boas do passado. O dia terminou com o Presidente a mostrar que ainda está em forma.

    Enviados SIC

  • Patinadora enfrenta "pesadelo" nos Olímpicos

    Desporto

    A patinadora Gabriella Papadakis enfrentou na segunda-feira um dos "piores pesadelos" da sua vida, durante a estreia nos Jogos Olímpicos de Inverno, em Pyeongchang, na Coreia do Sul. Durante a apresentação, a parte de cima do vestido da francesa saiu do lugar e revelou parte do seu seio. Mas este não foi o único caso de incidentes com figurinos. Também a sul-coreana Yura Min quase ficou despida durante a sua apresentação.

    SIC

  • Casal mantinha filhos trancados sem comida

    Mundo

    Se pensava que só existia uma casa dos horrores, a da família Turpin, desengane-se. A polícia de Tucson, no estado norte-americano do Arizona, deteve na terça-feira um casal que mantinha os quatro filhos adotivos trancados em quartos separados.

    SIC

  • Pigcasso, a porca pintora que tem uma galeria de arte

    Mundo

    O nome sugere o talento da artista que vive na Cidade do Cabo, na África do Sul. Pigcasso estava prestes a morrer, quando foi resgatada por uma ativista que a ajudou a enveredar pelo caminho da pintura. Desde pequena começou a pegar em pincéis e agora é o primeiro animal do mundo com uma galeria de arte, onde já lançou a sua primeira exposição intitulada 'Oink!'.