sicnot

Perfil

Cultura

Coliseu do Porto arranca ciclo de concertos comentados na próxima sexta-feira

A primeira temporada do ciclo Concertos, Conversa, Coliseu (CCC) arranca sexta-feira no Coliseu do Porto e resulta de um protocolo de patrocínio e parceria artística hoje assinado com a Santa Casa da Misericórdia e com o Politécnico do Porto.

O Coliseu do Porto, inaugurado em 1941, é agora classificado como monumento de interesse público / coliseudoporto.pt

O Coliseu do Porto, inaugurado em 1941, é agora classificado como monumento de interesse público / coliseudoporto.pt

Depois do FLIC -- Festa de Lotação Ilimitada do Coliseu -- é a vez do CCC - Concertos, Conversa, Coliseu -- chegar ao palco daquele que se assume como "a praça coberta do Porto", nas palavras do presidente da direção.

"Estamos sempre a falar de música mas o foco principal [deste novo ciclo] é o educativo", explicou Eduardo Paz Barroso para quem se mostra premente "virar o coliseu para as pessoas que não o frequentam e que podem ali encontrar um motivo de aprendizagem".

Para o CCC o Politécnico do Porto irá contribuir com conteúdos, orquestra sinfónica e coro da ESMAE (Escola Superior de Música, Artes e Espetáculo) que na sexta-feira sobem ao palco do coliseu para interpretar Beethoven, Dimitris Andrikopoulos e Vaughan Williams, num concerto comentado por Mário Azevedo.

E se a ESMAE contribui com a música e a conversa, a Santa Casa da Misericórdia atribuiu uma verba de 50 mil euros para este e outros projetos do Coliseu do Porto que abrirá portas aos mais desfavorecidos.

"A Santa Casa da Misericórdia do Porto não pode ficar de fora deste momento em que o Coliseu do Porto adquire este novo papel", assinalou o provedor António Tavares que, com o protocolo de patrocínio, espera que cidadãos voltem a usufruir daquele espaço.

Já Rosário Gambôa do Politécnico do Porto, que participa em parceria artística através da ESMAE, defendeu a importância de uma maior ligação e comunicação entre as diversas entidades e atores da cidade, para que esta "seja uma rede de vasos comunicantes".

O concerto de sexta-feira, intitulado "Uma Ode à Paz e à Liberdade" -- marca o início de um ciclo de quatro concertos que, a partir de setembro, marcarão aos domingos a rentrée da cidade no Coliseu onde "todos têm lugar" com "muitos palcos dentro", frisou Paz Barroso.

O novo diretor tem como prioridade "abrir o Coliseu a novos públicos", trazendo à cidade "espetáculos pop rock ou de música que transporte ao imaginário clássico" e ainda o "circo de referência"  

Presente na assinatura do protocolo esteve o vereador da Cultura da Câmara do Porto, Paulo Cunha e Silva, destacou que a própria cidade "é um palco" que deve ser "nutrido e cuidado" e que os diversos equipamentos se devem complementar numa política cultural supletiva.

Lusa
  • Passos explica porque se sentiu irritado com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o Presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas de que foi alvo.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.