sicnot

Perfil

Cultura

PS quer novamente um ministério para a Cultura

O projeto de programa eleitoral do PS, hoje apresentado, defende a "reconstrução dos alicerces de uma política para a cultura", mas a prioridade será voltar a ter um ministério, afirmou à agência Lusa a deputada Inês de Medeiros.

© Rafael Marchante / Reuters

"Há o reconhecimento da necessidade de um ministério, com uma estrutura eficaz, com peso no Conselho de Ministros e que apresente uma política transversal", afirmou a deputada.

No projeto de programa eleitoral dos socialistas lê-se que a cultura é "um pilar essencial da democracia, da identidade nacional, da inovação e do desenvolvimento sustentado", e são adiantadas algumas medidas concretas, sobretudo na área do património.

"Lançar um programa de investimento na recuperação do património histórico, visando recuperar a herança histórica em todo o território" e "favorecer a conversão profissional de trabalhadores da construção civil" são duas medidas apontadas pelo PS.

Inês de Medeiros sublinhou que "o mais relevante é perceber a importância da cultura para a coesão nacional, a relação com a economia em termos de emprego, por exemplo. A cultura precisa de instrumentos mais eficazes, menos burocráticos e menos pesados".

No que toca à orgânica da cultura, a deputada diz que há alguns "'monstros' que se criaram e que paralisaram" o funcionamento do setor, mas escusou-se a especificar a que organismos se referia.

"Neste momento, o património está asfixiado, há estruturas sem meios. A cultura não é um setor menor, é essencial para a recuperação da economia, tem de estar articulado com outras áreas, com o ensino artístico, com a diplomacia económica", disse.

O projeto de programa eleitoral do PS será debatido e votado pelos órgãos nacionais do partido, entre hoje e domingo, e apenas ficará concluído a 06 de junho, quando se realizar a Convenção Nacional.

Atualmente o setor da cultura tem uma secretaria de Estado e depende diretamente da Presidência do Conselho de Ministros.

Lusa
  • As primeiras decisões do Presidente Trump
    1:39
  • "Há sobretudo um fosso entre o discurso que Trump faz e os de Obama"
    6:13

    Opinião

    Cândida Pinto e Ricardo Costa analisaram a tomada de posse de Donald Trump. O diretor de informação da SIC disse que o discurso de Trump "mexe com a sua base de apoio" e defende que "a grande questão não vai ser a relação com a Rússia, mas sim com a China". Já a Editora de internacional disse que o discurso foi "voltado para dentro, nacionalista, partidarista, com ataque à elite de Washington".

    Ricardo Costa e Cândida Pinto

  • Celebridades protestam contra Trump
    3:00

    Mundo

    Tem sido assim desde a campanha e continua. Grande parte da comunidade de artistas não está nada contente com o Presidente eleito. Vários artistas aproveitaram o dia da tomada de posse para se reunirem em Nova Iorque e protestarem contra Donald Trump.

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Cantora brasileira conhecida pela "Lambada" terá sido assassinada
    1:25

    Mundo

    Terá sido assassinada a cantora brasileira conhecida em Portugal pela "lambada", um ritmo que marcou o fim dos anos 90. Foi encontrada carbonizada dentro do próprio carro depois de assaltada em casa. Três suspeitos suspeitos do homicídio da cantora Loalwa Braz foram já detidos.