sicnot

Perfil

Cultura

Porto abre portas de museu judaico com nome de 900 vítimas da inquisição

O Museu Judaico do Porto abriu portas esta semana para dar a conhecer a história da comunidade desde a época medieval até aos dias de hoje e onde é possível saber o nome dos 842 portuenses vitimados pela Inquisição.

© Bogdan Cristel / Reuters / Arquivo

É no primeiro andar da sinagoga Kadoorie Mekor Haim, a maior da Península Ibérica, que está instalado o museu judaico da Comunidade Israelita do Porto (CIP), fundada em 1923 pelo capitão Barros Basto e por judeus provenientes da Europa Central que residiam na cidade.

As memórias do capitão estão presente numa das três salas do museu onde se expõe a sua espada e a sua kipá, ou solidéu (chapéu usado pelos judeus como lembrança da soberania divina), e onde se lembra a sua "Obra do Resgate" de criptojudeus, aqueles que praticavam sua fé e seus costumes em segredo, por receio de perseguições religiosas.

Com a ideia de que existiriam milhares de judeus em Portugal, Barros Basto, ou Ben-Rosh, lançou-se uma campanha para resgatar outros judeus marranos como ele, descendentes de judeus portugueses e espanhóis que foram obrigados a converterem-se ao cristianismo pela imposição da Inquisição.

Nos anos que seguiram à inauguração, o percurso de Barros Basto "não foi fácil, mas foi entusiasmante" até pelo trabalho "de um valor extraordinário" que desenvolveu "numa época complicada e difícil" e pelo qual "sofreu as consequências de uma perseguição religiosa", relatou Isabel Lopes, vice-presidente da comunidade.

A história remonta a 1937 quando o Conselho Superior de Disciplina do Exército decidiu pela "separação do serviço" do capitão Arthur Carlos Barros Basto, reabilitado em 2012, por considerar então que não possuía "capacidade moral para prestígio da sua função e decoro da sua farda".

No museu, e além das obras do capitão, "pode-se ver a biblioteca, alguns objetos religiosos, muitos documentos relacionados com os trabalhos de Barros Basto e todo um edifício que é emblemático".

Está também exposta "uma lista de quase 900 nomes de pessoas que foram vítimas da inquisição [no século XIV] e que pode ser vista numa placa onde eles estão transcritos" e que foi possível recolher na Torre do Tombo, assinala a responsável.

A placa, representativa de uma listagem de nomes que poderá estar na entrada atrás de um painel de azulejos, mostra "a história do judaísmo no Porto e portanto é muito importante para não deixar esquecer e mostrar que houve este tipo de acontecimentos na cidade", acrescentou.

Numa das salas expositivas foi recriada "antiga Yeshivá, uma escola judaica que existiu na nossa sinagoga durante seis anos e onde nós decidimos mostrar um pouco da cultura, rituais e objetos judaicos" como a menorá (candelabro de sete braços símbolo do judaísmo), a chanukiá (candelabro de nove braços usado no feriado do Chanuká ou Festa das Luzes), mezuzá (pergaminho com mandamento da Torá), talit (xaile usado durante as preces) e tefilin (caixinhas com pergaminhos da Torá), contou Hugo Vaz, do departamento do turismo da comunidade.

Apesar de já estar em funcionamento, a inauguração oficial do museu está marcada para 28 de junho e a cerimónia será presidida pelo presidente da Comunidade Israelita do Porto, Dale Jeffries, e pelo rabino da sinagoga, Daniel Litvak. 

O museu está aberto de domingo a sexta-feira, das 09:30 às 17:30 e é recomendada a marcação de visita, até porque quase todos os dias há escolas a visitar a sinagoga que em 2014 recebeu cerca de 10 mil pessoas.



Lusa
  • O melhor golo do 5.º dia de Mundial

    Desporto

    Numa escolha feita pelos jornalistas de desporto e do site da SIC Notícias, mostramos-lhe o melhor golo deste quinto dia de Mundial. Foi apontado por Dries Mertens, na vitória da Bélgica sobre o Panamá por 3-0.

  • Rui Patrício confirmado no Wolverhampton

    Desporto

    O Wolverhampton anunciou esta segunda-feira a contratação do guarda-redes Rui Patrício, depois da rescisão com o Sporting. O guarda-redes da seleção nacional assinou contrato com o clube inglês por quatro épocas.

    SIC

  • Novo treinador do Sporting diz que mulheres não estão preparadas para falar de futebol
    1:23
  • Salto de Cristiano Ronaldo inspira dança afro-beat

    Desporto

    Uma música humorística afro-beat, publicada nas redes sociais e inspirada nos saltos de Cristiano Ronaldo quando marca golos, está a ser replicada na internet com dezenas de coreografias filmadas, muitas das quais em França.

  • Ronaldo no País dos Sovietes: As religiões praticadas na Rússia
    1:55
  • "Estamos a plantar fósforos"
    2:09

    Opinião

    O calor regressou esta segunda-feira em força e no terreno estiveram quase 1300 bombeiros a combater 70 fogos por todo o país. Depois da tragédia de Pedrógão Grande, o Presidente da República diz que a consciência do país mudou mas é preciso fazer mais. Já Miguel Sousa Tavares diz que o país está mais preparado para combater os incêndios do que alguma vez esteve. No entanto, o comentador da SIC diz que já foram plantados mais de "2500 hectares de eucaliptos" desde Pedrógão e que enquanto isso acontecer Portugal vai continuar a arder. 

    Miguel Sousa Tavares

  • Merkel tem duas semanas para negociar solução para crise migratória

    Mundo

    A chanceler alemã tem duas semanas para negociar com os parceiros europeus uma solução para a questão migratória e assim evitar uma crise política. O ultimato foi dado pelo CSU, o partido da Baviera que integra a coligação governamental. Ao contrário de Angela Merkel, defende uma política para os refugiados mais estrita.

  • Pai de Meghan Markle lamenta ser "nota de rodapé" no casamento real
    2:03
  • Quando as crianças fazem das suas... os pais é que pagam

    Mundo

    Quando as crianças fazem das suas, restam os pais para as castigar ou, em alguns casos, para sofrer as consequências desses atos. Quem o pode dizer é um casal norte-americano, que recebeu uma fatura de 132 mil dólares (cerca de 114 mil euros), depois de o filho ter derrubado uma estátua num centro comunitário.

    SIC