sicnot

Perfil

Cultura

Centenário da revista Orpheu assinalado em São Paulo a partir de hoje

As comemorações dos cem anos da revista Orpheu, no Brasil, têm início hoje, em São Paulo, e, além do Congresso 100 Orpheu, contemplam ainda uma exposição sobre a revista, a exibição de um filme e uma festa. 

O Congresso Luso-Brasileiro 100 Orpheu realiza-se em São Paulo, até quinta-feira, com a participação de investigadores de diversos países que se reunirão em cinco conferências, 18 mesas de debate e dez sessões de comunicação, sobre a experiência modernista portuguesa e outros temas ligados à publicação surgida em março de 2015 e aos seus autores.

A revista Orpheu, na qual participaram nomes como Fernando Pessoa, Mário de Sá-Carneiro e Almada Negreiros, teve dois números publicados, o primeiro, em finais de março de 1915, e o outro, em julho desse ano. É entendida como a revista fundadora do modernismo português.

Dentro do congresso, em São Paulo, haverá a exibição do filme "Conversa Acabada" (1981), primeira longa-metragem do realizador João Botelho, que trata do encontro de Fernando Pessoa e Mário de Sá-Carneiro, num panorama de crise política e moral da sociedade portuguesa, em vésperas de entrada na Grande Guerra de 1914/18 e do suicídio do autor de "A confissão de Lúcio". 

O investigador Fernando Cabral Martins, professor do Departamento de Estudos Portugueses da Universidade Nova de Lisboa, que assumiu o papel de Fernando Pessoa no filme, é um dos conferencistas do congresso e vai participar num debate sobre a obra. 

A presidente da comissão organizadora do congresso no Brasil, Lilian Jacoto, disse à Lusa que o evento terá a mesma estrutura do congresso que se realizou em Portugal, há dois meses: "Estamos procurando dar tempo para falar e discutir, numa tentativa de retomar uma conversa mais alongada".

"A revista teve influência sobre o modernismo brasileiro. No ensino da literatura portuguesa, ela é abordada como uma das revoluções artísticas importantes, por conta dos nomes que envolve - todos autores de grande peso para a modernidade e para a contemporaneidade", afirmou Jacoto. 

A investigadora da Universidade de São Paulo, onde vai decorrer o congresso, destacou igualmente à Lusa a exposição que vai ser inaugurada em simultâneo, como um complemento ao evento, porque a discussão sobre Orpheu se estende às artes plásticas. 

A mostra será inaugurada terça-feira, e inclui documentos de época, publicações contemporâneas, cartas, manuscritos e arquivos digitais da revista.

O congresso acaba na quinta-feira, dia 28, mas a programação em homenagem aos cem anos da revista vai prosseguir na sexta-feira, com uma festa - um sarau de poesia -, na Casa das Rosas, na avenida Paulista. 

A primeira etapa do congresso arrancou a 19 de março, no Porto, prosseguindo depois na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, de 24 a 28 de março.

O Congresso Internacional do Centenário de Orpheu é organizado em parceria pelo Centro de Literaturas e Culturas Lusófonas e Europeias, da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, com o Laboratório de Estudos de Poéticas e Ética na Modernidade, da Universidade de São Paulo. No Brasil, conta ainda com o apoio da Embaixada de Portugal e do Instituto Camões.

  • Madonna diz que América nunca desceu tão baixo
    2:12

    Mundo

    No mundo artístico, foram várias as vozes que se levantaram contra Trump, entre elas Madonna. A cantora disse esta quinta-feira em Nova Iorque, a propósito do dia da tomada de posse, que nunca a América desceu tão baixo. Já o ator Matthew McConaughey - que está em Londres - garantiu que não ia perder a cerimónia pela televisão.

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Videoclipe mostra mulheres a fazer tudo o que é proibido na Arábia Saudita
    1:55

    Mundo

    Um grupo de mulheres canta, dança e faz outras coisas proibidas na Arábia Saudita como forma de protesto. O vídeo é uma crítica social à forma como as mulheres islâmicas são tratadas pelos maridos. Na letra constam frases como "Faz com que os homens desapareçam da terra" e "Eles provocam-nos doenças psicológicas". A ideia partiu de um homem, Majed al-Esa e já conta com 5 milhões de visualizações.

    Patrícia Almeida