sicnot

Perfil

Cultura

Porto vai ter maratona de piano durante 24 horas

Ao longo de 24 horas consecutivas, 130 jovens músicos (e convidados especiais) vão tocar piano em vários espaços da cidade do Porto, naquilo que a organização classifica como a "primeira maratona de 24 horas de piano em Portugal".

© Laszlo Balogh / Reuters

O evento vai começar às 12:00 de sábado, dia 06 de junho, e prolongar-se até às 12:00 do dia seguinte, começando e terminando no mesmo local, o Conservatório de Música do Porto, entidade que organiza, em coprodução com a Câmara Municipal.

De acordo com o cartaz do evento, a "maratona" de piano dura três horas em cada local, prosseguindo às 15:00 de dia 06 no Palacete dos Viscondes de Balsemão, depois às 18:00 no Ateneu Comercial do Porto, às 21:00 no Rivoli - Teatro Municipal e a partir das 00:00 de dia 07 no Clube dos Fenianos Portuenses.

Já com o calendário a marcar dia 07 de junho, os pianistas continuam a tocar no edifício AXA até às 06:00, quando a música se desloca para a estação de São Bento antes de terminar, a partir das 09:00, no Conservatório de Música do Porto.

Entre os convidados especiais vão estar os pianistas Pedro Burmester, Madalena Soveral, Carlos Azevedo e Paulo Gomes.

Lusa
  • Morreu o companheiro de Nelson Mandela

    Mundo

    Ahmed Kathrada, activista e ícone sul-africano que lutou ao lado de Mandela contra o "apartheid" morreu hoje aos 87 anos, informou a fundação de caridade Kathrada.

  • Mais de um milhão de crianças em risco de morrer à fome
    1:23
  • Vidas Suspensas: Delfim 353
    29:30
  • Esquerda contra a venda do Novo Banco
    1:51

    Economia

    O futuro do Novo Banco promete agitar a maioria de esquerda nas próximas semanas. O Bloco de Esquerda e o PCP estão contra os planos de privatização e insistem que a solução é nacionalizar o banco. O Bloco de Esquerda defende que privatizar 75% é o pior de dois mundos. Já o PCP diz que o banco deve ser integrado no setor público.

  • Identificadas 10 mil vítimas de violência em 2016
    1:32

    País

    Há cada vez mais homens e idosos a pedirem ajuda à Associação Portuguesa de Apoio à Vítima. Segundo o relatório anual da APAV conhecido esta segunda-feira, foram identificadas quase 10 mil vítimas de violência no ano passado. Cerca de 80% são mulheres casadas e com cerca de 50 anos.